Qualquer coisa sem propósito

 

A rua desce estreita até ao fundo do meu cansaço.
Vai-se estreitando para o fim, como qualquer coisa sem propósito
Que estranhamente, de todas as vezes que passei por ela
Nunca o consegui explicar.

Nunca houve outra rua mais verdadeira e minha
Do que aquela que me sentiu os passos todos os dias
E da mesma maneira, nunca houve desses dias, somente um
Em que ela soubesse quem eu era e me conhecesse por andar nela.

É a rua onde cresci e me vi passar por mim
Ao perto e ao longe
E me deixou marcas na pele e na alma
Por cair nela muitas vezes. 

É a rua onde andei como desalmado com camisa bem passada
Como inconsciente com sapatos novos a pisar em tudo
Onde andei dentro de mim, como pessoa inteligente sem futuro
E hoje, é a rua que se inclina para falar de tempo e de espaço
Sem falar do que sou, sem marca nem memória que de mim lembre.

Corrida até ao jardim sem respirar
Ir e voltar a deixar marcas pelo passeio e entrar em casa.
Universos percorridos até à extinção da vontade de ir
Ficar exausto, deitar-me na cama e saber que vivi

Se conhecesse, não tinha ido
Se recordasse, não tinha voltado
Por isso fui e voltei muitas vezes, não para conhecer nem para recordar
[mas para me cansar e viver.

Chegar ao fim da rua sem saber a cor das paredes das casas
Por nunca ter morado nelas
E aceitar isto como desleixo de passar desinteressado por tudo e por todos
Enquanto a rua desce e estreita
Enquanto se inclina até já não conseguir andar por ela.

Chegar com propósito ao fim por viver muito
Como se chega sem pressa ao fundo da rua
Lugar de espaço e de tempo, onde se alarga o meu cansaço.

 

Nuno Marques

Submited by

Tuesday, March 13, 2012 - 20:56

Poesia :

Your rating: None (4 votes)

nunomarques

nunomarques's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 2 years 45 weeks ago
Joined: 02/09/2010
Posts:
Points: 1390

Comments

Mefistus's picture

Reencontrar as tuas palavras no caminhar de uma vida

Chegar com propósito ao fim por viver muito
Como se chega sem pressa ao fundo da rua
Lugar de espaço e de tempo, onde se alarga o meu cansaço.

Com grande alegria e não menos admiração constato que a tua poesia não se diluiu com o tempo, não se esfumou. Mantens viva aquela centelha de boa poesia sempre presente nos teus escritos.

Muito bom voltar a te ler!

GIL60's picture

Belíssimo poema amigo Nuno!

Belíssimo poema amigo Nuno!

Gostei desta viagem ao interior de ti...

Parabéns!

Abraço

SuzeteBrainer's picture

Meu querido amigo, Com

Meu querido amigo,

Com lágrimas a escorrer ao ler esse teu gigante poema,me admiro que talento imerso tu tens...E reencontro a minha emoção,de ler tantas vezes o Pessoa e encontrar a mesma essência das palavras,a mesma fonte brilhante da poesia que tem a força de transmitir sentimentos...

Obrigada por esse momento!!

Bjsmiley

Add comment

Login to post comments

other contents of nunomarques

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Poesia/General Temporal 1 470 02/27/2018 - 11:17 Portuguese
Poesia/General A coisa mais estúpida do mundo 1 791 02/27/2018 - 11:16 Portuguese
Poesia/General Justificação racional 0 496 01/30/2015 - 12:36 Portuguese
Poesia/General Perspectiva 0 629 01/29/2015 - 11:20 Portuguese
Poesia/General Esclarecimento 0 456 09/09/2014 - 12:23 Portuguese
Poesia/General Poema e chuva 1 624 05/25/2014 - 04:17 Portuguese
Poesia/General Debruçado sobre a janela 0 649 03/17/2014 - 10:47 Portuguese
Poesia/General Strange 0 638 03/17/2014 - 10:44 Portuguese
Poesia/General Viver é sair para a rua de manhã, aprender a amar e à noite voltar para casa. 0 716 01/30/2014 - 20:37 Portuguese
Poesia/General Interior 0 570 09/15/2013 - 11:00 Portuguese
Poesia/General Ilusório 0 625 09/13/2013 - 17:26 Portuguese
Poesia/General O fim é uma despedida sem adeus 0 1.389 09/09/2013 - 20:13 Portuguese
Poesia/General Momento 0 589 05/21/2013 - 16:38 Portuguese
Poesia/General “La folie” 0 458 05/08/2013 - 14:44 Portuguese
Poesia/General Á luz de uma lua de Saturno 0 492 04/16/2013 - 09:10 Portuguese
Poesia/General Insónia 0 365 04/15/2013 - 11:25 Portuguese
Poesia/General Caravelas azuis céu adentro por dois mil anos 4 903 05/23/2012 - 23:28 Portuguese
Poesia/General Concordata - O desejo 2 916 05/14/2012 - 16:38 Portuguese
Poesia/Sadness Qualquer coisa sem propósito 3 813 04/20/2012 - 15:24 Portuguese
Poesia/General Concordata - A cena 1 804 03/07/2012 - 09:47 Portuguese
Poesia/General Concordata - A máscara 2 742 03/07/2012 - 09:43 Portuguese
Poesia/General Os meus braços são estradas 3 718 02/25/2012 - 16:59 Portuguese
Poesia/General Dança bailarina até ao fim da noite 5 791 02/19/2012 - 23:45 Portuguese
Poesia/General A fria realidade dos poemas sem calor 0 775 12/19/2011 - 21:29 Portuguese
Poesia/General Há fantasmas por todo o lado 1 1.012 12/04/2011 - 22:36 Portuguese