Não tenho pressa …

 

Não tenho presa nenhuma dúvida que seja,

Não tenho presa dúvida nenhuma a mim,
Absolutamente nenhuma à solta dentro
Do corpo, nas solas as mãos terminam
Onde começam os quatro sentidos d’outros,

Sinto definitivamente não ser ninguém
Neste mundo, demito o tornar-me nesse
Rei do vulgar e do vulgo tal e qual morto
Em lugar findo deste reino onde não reino

E sem dúvida não é meu, demito-me inda
Do peso de sentir por todos a lua que seja
E o mistério dos braços prenderem o corpo
À alma e das gotículas de geada os dedos,

Quadrados cotovelos e o coração absoluto
Zero (noves fora), prefiro as solas aos sapatos
Que alego serem meus e depressa, antes
Que dêem pla falta deles manhã cedo,

Antes do começo dos outros e meu eterno
Delito, término e gémeo falso do infinito,
Qualquer dúvida fica inteiramente entre
Mim e a fala e até que, do falar m’esqueça,

Não tenho pressa …

Jorge Santos(02/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

Monday, March 5, 2018 - 19:54

Poesia :

Your rating: None (2 votes)

Joel

Joel's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 5 days 18 hours ago
Joined: 12/20/2009
Posts:
Points: 39366

Comments

Joel's picture

E o mistério dos braços

E o mistério dos braços prenderem o corpo
À alma e das gotículas de geada os dedos,

Quadrados cotovelos e o coração absoluto
Zero

Joel's picture

Não tenho pressa …

Não tenho pressa alguma

Joel's picture

Qualquer dúvida falo com o meu cabelo

Qualquer dúvida fica inteiramente entre
Mim e a fala

Add comment

Login to post comments

other contents of Joel

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Ministério da Poesia/Dedicated phyllis 0 2.122 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Sadness Tal me fez Pessoa. 0 1.008 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/General arch-au-ciel 0 1.431 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism abrunhos 0 1.645 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism irmã tua 0 1.022 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Dedicated vivo ao teu lado 0 1.025 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism digno?eu? 0 1.326 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism pinoquio 0 1.558 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism secretos segredos 0 1.516 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism me rendo 0 1.379 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism Mandala de papel 0 869 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism maquina do tempo 0 1.259 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism cheiro de vento 0 1.380 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism sei 0 1.463 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism espanto 0 1.110 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism coraçaõ largo 0 504 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism sempre 0 1.129 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism quando 0 1.341 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism Balada para um turco 0 1.104 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Dedicated Francisca 0 1.973 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism tudo e nada 0 940 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Dedicated Priscilla 0 1.136 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism Asa calada 0 1.462 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Aphorism flores d'cardeais 0 1.263 11/19/2010 - 19:16 Portuguese
Ministério da Poesia/Dedicated Magdalena 0 1.351 11/19/2010 - 19:16 Portuguese