Crepuscular

Crepuscular

Há no ambiente um murmúrio de queixume,
De desejos de amor, d'ais comprimidos...
Uma ternura esparsa de balidos,
Sente-se esmorecer como um perfume.
As madressilvas murcham nos silvados
E o aroma que exalam pelo espaço,
Tem delíquios de gozo e de cansaço,
Nervosos, femininos, delicados,
Sentem-se espasmos, agonias d'ave,
Inapreensíveis, mínimas, serenas...
_ Tenho entre as mãos as tuas mãos pequenas,
O meu olhar no teu olhar suave.
As tuas mãos tão brancas d'anemia...
Os teus olhos tão meigos de tristeza...
_ É este enlanguescer da natureza,
Este vago sofrer do fim do dia.

Camilo Pessanha

Submited by

Thursday, April 9, 2009 - 23:15

Poesia Consagrada :

No votes yet

CamiloPessanha

CamiloPessanha's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 8 years 27 weeks ago
Joined: 04/09/2009
Posts:
Points: 150

Add comment

Login to post comments

other contents of CamiloPessanha

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Fotos/Profile Camilo Pessanha 0 506 11/24/2010 - 00:37 Portuguese
Poesia Consagrada/General Final 0 381 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Voz débil que passas 0 353 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Se andava no Jardim 0 492 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Singra o navio. Sob a agua clara 0 398 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Ó meu coração torna para traz 0 347 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Esvelta surge! Vem das aguas, nua 0 547 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/Sonnet Desce em folhedos tenros a collina 0 312 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/Sonnet Tatuagens complicadas do meu peito 0 653 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Estátua 0 229 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Caminho 0 405 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Interrogação 0 310 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Viola Chinesa 0 368 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Castelo de Óbidos 0 331 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Violoncelo 0 329 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Ao longe os barcos de flores 0 330 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Fonógrafo 0 424 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General II A Morte, no Pego-Dragão 0 289 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General E eis quanto resta do idílio acabado 0 399 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Inscrição 0 317 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Passou o Outono já, já torna o frio... 0 362 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Quem poluiu, quem rasgou os meus lençóis de linho 0 453 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Ao meu coração um peso de ferro 0 400 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Chorae arcadas 0 307 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Canção da Partida 0 385 11/19/2010 - 16:49 Portuguese