Na Pressa de Chegar

Na pressa de Chegar


(do nada)
O vento revirado avistou alguém nas estradas
De multi-centenário pó
Este alguém julgava ser incapaz, na véspera,
De caminhar esfarrapado e morrer sem dele próprio
Ter do mais ruim senão igual dó.

Soprou-lhe as feridas num prado de erva-de-são-roberto,
Junto a um riacho imperfeito e feito das escuras penas
Como quem lava leve rasto de si e impróprio.

Desamarrou-lhe dos costados os estrambólicos fardos
Para que descobrisse noutros sopros
Outros palcos destas ou doutras crenças
Revisitadas por velhos ventos sagradas
Descritos nos “Oráculos dos templos”

O vento revirado avisto-o de novo nas estradas
Mas agora já sem vulgares rumores por perto.

Jorge Santos
(2010/09)

Submited by

Thursday, December 16, 2010 - 21:54

Poesia :

No votes yet

Joel

Joel's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 1 week 2 days ago
Joined: 12/20/2009
Posts:
Points: 40617

Add comment

Login to post comments

other contents of Joel

Topic Titlesort icon Replies Views Last Post Language
Ministério da Poesia/General “From above to below” 13 505 10/16/2018 - 08:31 Portuguese
Ministério da Poesia/General “Semper aeternum” 211 735 03/30/2019 - 11:04 Portuguese
Ministério da Poesia/General …que fizer por cá… 1 148 02/26/2018 - 19:25 Portuguese
Ministério da Poesia/General …que fizer por cá… 10 179 03/20/2018 - 11:32 Portuguese