MORRER QUE POR DENTRO DA PELE VIVE

Estrada de infindas curvas,

palcos e tombos.

De curvas cuja berma escorre

para o abismo de um sem sorriso morrer,

morrer que por dentro da pele vive pendente

numa vertigem de ocos voos.

Em curva cuja visibilidade turva

com ecos de bofetadas untadas de passado.

Curvas cujo ângulo se despista

em nenhures de todo o lado.

Curvas cuja guinada

é uma recta de ansiedade.
.
.
Henrique Fernandes

Submited by

Martes, Enero 27, 2015 - 16:59

Poesia :

Sin votos aún

Henrique

Imagen de Henrique
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 5 años 13 semanas
Integró: 03/07/2008
Posts:
Points: 34817

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of Henrique

Tema Título Respuestasordenar por icono Lecturas Último envío Idioma
Poesia/Pensamientos A SAUDADE É UMA CAIPIRINHA 14 782 04/27/2010 - 16:30 Portuguese
Poesia/Pensamientos PARA ALÉM DA MORTE... 14 563 03/17/2010 - 00:29 Portuguese
Poesia/Dedicada SER CRIANÇA É SER POESIA 15 10.358 09/12/2010 - 01:35 Portuguese
Poesia/Intervención POESIA NÃO É O QUE SE ESCREVE 15 1.669 09/22/2010 - 21:51 Portuguese
Poesia/Meditación O SILÊNCIO QUE NÃO OUVIMOS 16 538 02/24/2010 - 20:27 Portuguese
Poesia/Amor O NOSSO AMAR É AMOR(MariaMateus & Henrique) 18 438 02/13/2010 - 15:37 Portuguese
Poesia/Canción CANTO DA CANÇÃO DO CANTO 18 807 03/05/2010 - 04:45 Portuguese
Poesia/Amor NÃO TENHAS MEDO DE SER O MEU MAR 18 337 04/11/2010 - 03:03 Portuguese
Poesia/General INFERNO DO POETA 22 535 03/06/2010 - 19:29 Portuguese
Poesia/Cumpleaños DEZASSEIS ANOS DE ADEUS PAI 23 924 03/19/2010 - 12:20 Portuguese