[Poesia do fim]

Quantos infernos existem na terra?
Quantos abismos existem na solidão?
Quanto desespero cabe em uma noite?
Que quantidade de medo,
É capaz de afogar um coração...
Quantas vidas aflitas,
Se cruzam sem saber.
Quantos estranhos
Choram na mesma noite...
Por desilusão.
A voz da loucura
Faz as mãos tremulas,
Criar coragem...
Mas os pés fracos,
Tropeçam nos próprios pecados.
Quantas janelas, refletem os mesmos rostos.
Quantas ruas escuras,
Escondem as mesmas sombras.
Quantos sonhos mortos pela rotina...
Florescem ao amanhecer do dia.
O vazio do corpo.
O vazio da mente.
O vazio da existência.
Escondidos por entre prédios,
De uma cidade sem cor.
Cujo respiro de vida
Passa despercebido na mistura,
De concreto fé e suor.
O sol que castiga,
A lua que passa despercebida.
Por desejos que não se realizam...
Olhos abertos,
Que não são capazes de ver.
Bocas que proferem palavras,
Impossíveis de compreender.
E o que resta de humanidade,
Insiste em morrer.
A razão não se faz suficiente,
A emoção não é capaz de convencer.
Há tantas coisas perdidas sem perceber.
Que a fé, no fim...
Não é capaz de renovar a esperança,
Porque sempre existe o amanhecer.

Pablo Danielli

Submited by

Lunes, Febrero 19, 2018 - 20:47

Poesia :

Su voto: Nada (1 vote)

Pablo Gabriel

Imagen de Pablo Gabriel
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 3 semanas 1 hora
Integró: 05/02/2011
Posts:
Points: 2916

Comentarios

Imagen de Joel

INDO POEMA, GOSTEI

INDO POEMA, GOSTEI MUITO!
Meus parabéns,

Imagen de Joel

Escondidos por entre prédios, De uma cidade sem cor.

Escondidos por entre prédios,
De uma cidade sem cor.

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of Pablo Gabriel

Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Fotos/Otros Vira-lata 0 830 09/16/2013 - 14:07 Portuguese
Fotos/Otros Final 0 1.865 09/14/2013 - 14:27 Portuguese
Fotos/Otros Gado 0 1.034 09/13/2013 - 15:34 Portuguese
Poesia/Meditación Politica 0 726 09/13/2013 - 14:21 Portuguese
Poesia/Meditación Outros tempos 0 750 09/12/2013 - 16:27 Portuguese
Poesia/Meditación Moribundos 0 532 09/11/2013 - 21:54 Portuguese
Fotos/Otros Porta 0 1.100 09/10/2013 - 13:23 Portuguese
Fotos/Otros Miséria 0 1.020 09/10/2013 - 12:42 Portuguese
Críticas/Varios A violência organizada 0 958 09/09/2013 - 14:15 Portuguese
Poesia/Meditación Sentir a verdade 0 585 09/06/2013 - 18:47 Portuguese
Poesia/General Cruza, cruzes, com a sorte! 0 1.149 09/05/2013 - 21:34 Portuguese
Poesia/Meditación Dez por cento 0 441 09/05/2013 - 18:00 Portuguese
Poesia/Meditación O governo 0 541 09/05/2013 - 16:20 Portuguese
Poesia/Alegria Os pássaros 0 684 09/02/2013 - 22:10 Portuguese
Poesia/Meditación Alento 0 833 08/26/2013 - 18:59 Portuguese
Poesia/Pensamientos Olhares 0 516 08/26/2013 - 18:17 Portuguese
Fotos/Otros As pessoas 0 2.660 08/23/2013 - 17:18 Portuguese
Poesia/Meditación Por merecer 0 566 08/23/2013 - 14:39 Portuguese
Fotos/Otros Perfil 0 2.941 08/19/2013 - 18:37 Portuguese
Críticas/Varios Conteúdo Expresso 0 849 08/19/2013 - 18:12 Portuguese
Poesia/Meditación Liberdade assistida 0 839 08/19/2013 - 14:17 Portuguese
Críticas/Varios Ensaio sobre a razão 0 1.021 08/17/2013 - 15:22 Portuguese
Fotos/Otros Amores simples 0 1.785 08/16/2013 - 17:05 Portuguese
Poesia/Meditación Lá fora! 0 643 08/15/2013 - 14:52 Portuguese
Críticas/Varios Indi(Gente)! 0 1.162 08/13/2013 - 18:05 Portuguese