sr. Jones.

Eu sei, sr. Jones, na vida tem aquela capoeira seca...basta um palito de fósforo e só restam as cinzas a dissiparem-se no vento, mas, creia sr. Jones -- você... formado em Glasgow, conhecedor de vários países e civilizações, poliglota e o escambau, teórico e filósofo -- você nunca soube o que é amassar barro com os pés, você nunca soube sobre as mãos calejadas dum batedor de tijolo numa olaria sob um sol de 40 graus, muito menos sobre o ciclo da piracema nos rios; você nunca cultivou uma hortaliça nem uma flor, enfim, de que lhe adianta cultuar ícones literários na praticidade e ciclo vitais?... de que lhe adianta me dizer que já cafungou e fumou um monte de baseado com um bando de intelectuais, se a maior loucura é viajar com os pés no chão e sentir o cheiro da fauna e da flora e indignar-se com os suor dos que encaram a vida de frente? Veja, sr. Jones, eu mal falo o português e, no entanto, convido-o a um banho de cachoeira para espantar os espíritos imundos; convido-o a uma viagem sem a metalinguagem de quem caminha de muletas ao entendimento do que é a vida. Ora, sr. Jones, você me diz que New York é o epicentro do mundo e que Londres e Paris são o berço das novas atitudes e conceitos sobre a insatisfação da mesmice, ou do pensamento dormente acerca dos novos raiares do modelo imposto pela civilização tecnológica. Ora, sr. Jones, vivo na América do Sul, numa city próxima a Sampa e, em Sampa, o mundo, as culturas passam por aqui, por isso não me trate como sub-raça e menos inteligente porque tenho menos horas de voo e nunca viajei de avião. Lembre-se: sou um cidadão comum, iletrado, que apenas prefere fazer parte da roda viva como a formiguinha capaz de carregar uma folha com dez vezes o seu peso. Se o teu fardo, sr. Jones, é o de criar metáforas e teses a respeito dos porquês, o meu é o de processar em meu intelecto quão invasor sou na maravilhosa natureza e conteúdo material de um grão de areia, ou de um pigmento pulsante na tela reveladora de mundos abstratos que crio e recrio com os pés no chão. Nada se perde, tudo se transforma. Aí, sr. Jones, desculpe a minha ignorância, mas o que é a vida pro senhor?

***Rehgge, em pensares filosóficos

**

Submited by

Viernes, Diciembre 27, 2019 - 02:19

Prosas :

Promedio: 5 (1 vote)

REHGGE

Imagen de REHGGE
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 3 días 13 horas
Integró: 06/08/2012
Posts:
Points: 225

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of REHGGE

Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Poesia/Tristeza vendavais. 0 526 12/30/2019 - 21:22 Portuguese
Poesia/Pensamientos que poema tirar da cartola. 0 555 12/27/2019 - 02:32 Portuguese
Poesia/Archivo de textos sr. Jones. 0 583 12/27/2019 - 02:21 Portuguese
Prosas/Otros sr. Jones. 0 332 12/27/2019 - 02:19 Portuguese
Poesia/Amor além da carne e dos sentidos. 4 1.288 12/22/2019 - 16:30 Portuguese
Ministério da Poesia/Dedicada homenagem a Júlio Saraiva, maluco, poeta e jornalista 2 3.507 12/13/2019 - 16:56 Portuguese
Poesia/General um toque de sensibilidade. 1 1.095 02/28/2018 - 20:20 Portuguese
Ministério da Poesia/Fantasía QUEM SABE SE EU TIVESSE O DOM 0 3.121 05/01/2013 - 01:17 Inglés
Poesia/Erótico (in)CONCLUSO. 0 2.620 03/31/2013 - 22:11 Inglés
Poesia/Erótico (in)CONCLUSO. 0 2.321 03/31/2013 - 22:11 Inglés
Poesia/Intervención bananas, ó 0 3.364 02/12/2013 - 23:08 Portuguese
Poesia/General do tempo decrescente. 0 3.125 02/12/2013 - 17:59 Portuguese
Poesia/Erótico (in)concluso. 0 2.881 02/11/2013 - 23:38 Portuguese
Poesia/Dedicada nem só de poemas vive o poeta, mas de todo sonho possível. 0 3.029 12/15/2012 - 23:16 Portuguese
Poesia/Amor AREALVA 0 3.329 12/02/2012 - 00:54 Portuguese
Ministério da Poesia/General mãos. 0 3.089 11/24/2012 - 17:30 Portuguese
Poesia/General águas passadiças. 0 3.245 11/24/2012 - 17:18 Portuguese
Poesia/Soneto 2 sonetos ordinários numa noite não menos ordinária no Bairro do Bixiga, SP. 0 3.355 08/12/2012 - 00:34 Portuguese
Poesia/Intervención da corrupção. 1 3.470 08/01/2012 - 22:31 Inglés
Ministério da Poesia/Soneto à face do dia. 0 3.107 07/29/2012 - 23:07 Portuguese
Poesia/General O CANTO DO UIRAPURU 0 3.263 07/27/2012 - 23:27 Portuguese
Ministério da Poesia/Desilusión FLOR DE CACTO // flor de cactus 0 3.409 07/16/2012 - 00:42 Portuguese
Poesia/Dedicada CANÇÃO AO MEU QUERIDO BRASIL 1 2.762 07/09/2012 - 08:02 Portuguese
Poesia/General Que saudade de tudo que reside em mim 0 3.051 07/06/2012 - 23:46 Portuguese
Poesia/Soneto POR QUE A VIDA É ASSIM 0 3.171 06/29/2012 - 23:57 Portuguese