CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

anacrônico

Aparou as arestas que a vida insistia em lhe fazer sobrar, forrou o chão com recortes de lembranças que desejava esquecer, mesmo que isso significasse alguns segundos de paz.

Respirou uma, duas, três vezes... Roubando o ar de toda terra para si, mostrando ao mundo que aquele momento era apenas dela e de mais ninguém. Não haveria substancia magica ou palavra escrita que a fizesse mudar de ideia, de rumo ou de sorte.

No jogo da vida, os dados ao rolarem na mesa, hora davam números pares e em alguns momentos cambaleavam quase bêbados números impares... Fazendo dar um pouco de sentido a bagunça quase perfeita, que eram seus romances e sua vida.

Arrastava seus pés para além da terra de sua imaginação e sonhava com dias anacrônicos, para ser a gota de cor no meio de uma multidão perfeita com suas vidas feitas de cristal.

O que cheirava a velho e antiquado como seus livros, tinham mais valor... Parecia que cada pagina compunha um pedaço de sua vida, cada passar de mão por capas, fazia se sentir mais inteira e mais forte. Dentro de seu pensar, além de seus segredos íntimos, estavam à fonte de toda sua força, escondido quase sufocado pelo dia a dia, lá aonde não se poderia tocar, estava sua imaginação.

Não estava pronta para sentir uma vida, com textos de romantismo apelativamente baratos, desejava o requinte de ser única, o glamour de só ela saber, como é se sentir de uma forma desesperadamente viva.

Capturar na retina, a imagem delirante que apenas uma alma capaz de entrar em ebulição pode sentir. Enquanto algumas buscam o ar de purificação, ela diferentemente, gostaria de sentir todos os pecados do mundo. E para isso, sabia que além de viver, é necessário abrir os olhos.

Submited by

terça-feira, setembro 2, 2014 - 02:25

Críticas :

No votes yet

Pablo Gabriel

imagem de Pablo Gabriel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 17 semanas 4 dias
Membro desde: 05/02/2011
Conteúdos:
Pontos: 2944

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Pablo Gabriel

Tópico Títuloícone de ordenação Respostas Views Last Post Língua
Poesia/Comédia Rolar para sonhar 0 834 05/29/2011 - 02:05 Português
Poesia/Amor Tristes gargalhadas 0 791 11/07/2011 - 01:50 Português
Poesia/Meditação 1. 0 1.081 10/09/2015 - 14:05 Português
Poesia/Meditação 22. 0 1.095 10/13/2015 - 14:20 Português
Poesia/Amor 2x2 0 835 06/30/2012 - 13:23 Português
Poesia/Meditação 9. 0 956 10/10/2015 - 14:07 Português
Críticas/Outros A certeza do errado 0 1.420 07/23/2015 - 20:37 Português
Críticas/Outros A culpa é de Darwin 0 1.039 07/02/2012 - 16:25 Português
Críticas/Outros A duvida que existe 0 1.765 03/06/2012 - 15:42 Português
Críticas/Outros A estupidez humana 1 1.843 06/16/2014 - 02:54 Português
Críticas/Outros A falsa moral 0 1.667 02/18/2012 - 12:44 Português
Críticas/Outros A falta da compreensão 0 698 01/28/2014 - 12:59 Português
Fotos/Outros A flor 0 1.661 09/18/2012 - 12:58 Português
Poesia/Amor A gota 0 1.032 02/19/2012 - 18:53 Português
Poesia/Meditação A identidade de um país 0 521 04/14/2012 - 14:59 Português
Críticas/Outros A imbecilidade na forma politica. 0 2.688 07/29/2014 - 15:39 Português
Poesia/Geral A maquina e o homem 1 1.327 05/08/2011 - 22:57 Português
Críticas/Outros A morte do galo 0 1.157 09/18/2013 - 13:56 Português
Poesia/Meditação A Pedra 0 1.032 10/18/2011 - 12:51 Português
Críticas/Outros A pedra que caiu do céu 0 1.296 08/03/2012 - 19:45 Português
Críticas/Outros a pergunta errada 0 1.716 12/11/2013 - 14:26 Português
Poesia/Meditação A poesia 0 1.309 10/18/2012 - 21:36 Português
Poesia/Alegria A poesia viva 2 1.009 04/21/2012 - 05:16 Português
Poesia/Meditação A ponte 0 677 05/12/2012 - 15:19 Português
Críticas/Outros A tempestade 0 4.019 03/31/2016 - 23:26 Português