CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

[A morte do jornalismo]


A quantidade de likes é mais importante que o fato em si, está é a máxima do atual jornalismo. Isso mesmo caro leitor, a atual forma de buscar acesso precisa de manchetes escandalosas e que muitas vezes nem ao menos representem o conteúdo contido na matéria.
O jornalismo perdeu o rumo com a chegada das mídias sociais, não soube se adaptar aos novos tempos, a rapidez com que as informações surgem deixou obsoleto as revistas semanais e os jornais de domingo. Ninguém, absolutamente ninguém quer pagar para ler o passado, a internet mostra na hora o acontecimento e ao vivo sem ser necessário pagar para ter a informação.
Grandes corporações começaram definhar, lucros desabaram e cortes se fizeram necessários. Naturalmente a qualidade e conteúdo desceram a ladeira e muitos estão na sarjeta, praticamente sobrevivendo como veículos de fofocas em forma de sensacionalismo barato.
    É preciso compreender que essa revolução tecnológica também mudou a forma de arrecadar dinheiro e patrocínios de marcas e produtos. Tudo começou a ser medido em cliques, like e compartilhamento, quanto maior o acesso mais facilmente se move o dinheiro do patrocínio. Oferta e procura, lei básica do mercado.
Os “profissionais” da mídia atentos a essas mudanças, também notaram uma mudança de comportamento do leitor em si. Na era da rapidez de informações, matérias com muito conteúdo fazem o leitor perder o interesse, fazendo com que o acesso as páginas de jornais e revistas diminua.
Em um país aonde a educação é desprezada, escolas estão no século passado e alunos em colégios públicos garantem passagem de serie apenas para cumprir metas do governo, ler e compreender o que se aparenta é luxo de poucos e dedicados alunos. Portanto caro leitor, se você se encontra neste momento lendo e compreendendo este trecho, pode se considerar acima da média do país.
Desta forma deu-se início a um novo momento no jornalismo global, a disseminação da falsa informação, sem checagem dos fatos, sem pesquisa do que é escrito, apenas replicando manchetes de revista para revista, de jornal para jornal. Profissionais preguiçosos e mimados na esperança de serem descolados e com ideologias baratas invadem redações, uma patrulha da vida alheia é imposta na mídia de forma geral.
Explode o termo “FAKE NEWS”, nesse novo momento o importante é o like e para isso não é necessário profissionais bem remunerados e capacitados, basta estagiários e pessoas sem escrúpulos para fazer qualquer coisa para ganhar dinheiro. A verdade se tornou fator secundário, o escândalo e o compartilhar a manchete é o fator primordial.
A audiência a qualquer custo, a verdade manipulada e mastigada pra impressionar grande parte das pessoas. Cria-se novos fatos, esperando que a curiosidade das pessoas seja maior que sua vontade pela verdade. O tapa na cara e o julgamento em praça pública, caso se descubra o erro ou a mentira disseminada é a regra, apenas um pedido de desculpas em notas de rodapé quase imperceptível é permitido na maioria das vezes.
O jornalismo como conhecemos está morto! A apuração dos fatos, imparcialidade e ética profissional são palavras apenas de dicionário, passado que volta e meia assombra os caçadores de like. E tudo que questione esses fatos, essa nova realidade é achincalhado e tantos adjetivos são acrescentados que não caberia em uma simples pagina.
Tudo aos poucos se caminha para guerra ideológica, aonde pequenos indivíduos tentam desmentir grandes veículos de informação. Políticos tentam sem descansar encontrar meios de restringir notícias e acesso a informação da forma mais variada possível.
Telejornais tentam se manter influentes, pseudos pensadores e especialistas afinam o discurso na mesma direção para que se crie uma única e incontestável verdade. Um pequeno grupo que deseja falar em nome de milhões.
E você caro leitor, fica em meio a esse fogo cruzado de informações, sem saber o que ler, acessar ou em quem acreditar. Manchetes que mais parecem frase de outdoor, vídeos do youtube de pessoas que dizem lutar pelo certo. Até mesmo programas de televisão que mesmo sem audiência se dizem relevantes para o bem comum.
O fato é que o atual jornalismo e veículos de comunicação estão mortos, apenas definhando como moribundos, tentando se manter relevantes mesmo sabendo que grande parte da população não se importa mais. 
O like não enterrou a verdade, apenas mostrou que muitas pessoas não sabem lidar com os fatos, como o de por exemplo, ser questionado pelas suas próprias palavras. A notícia na internet é rápida, porém ficará sempre na rede, a espera para ser relembrada, uma oportunidade de apontar o dedo para uma notícia falsa.
O jornalismo está morto, porém as pessoas não estão. A notícia está sem casa, sem morada e solta pelo ar. Em tempos de desinformação um rosto famoso não é garantia de verdade absoluta, geralmente são usados para vender produtos. Desconfie da informação, confie nos fatos.

Submited by

sexta-feira, junho 22, 2018 - 20:53

Críticas :

No votes yet

Pablo Gabriel

imagem de Pablo Gabriel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 dias 8 horas
Membro desde: 05/02/2011
Conteúdos:
Pontos: 2866

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Pablo Gabriel

Tópico Títuloícone de ordenação Respostas Views Last Post Língua
Poesia/Comédia Rolar para sonhar 0 698 05/29/2011 - 02:05 Português
Poesia/Amor Tristes gargalhadas 0 611 11/07/2011 - 01:50 Português
Poesia/Meditação 1. 0 878 10/09/2015 - 14:05 Português
Poesia/Meditação 22. 0 965 10/13/2015 - 14:20 Português
Poesia/Amor 2x2 0 427 06/30/2012 - 13:23 Português
Poesia/Meditação 9. 0 594 10/10/2015 - 14:07 Português
Críticas/Outros A certeza do errado 0 1.018 07/23/2015 - 20:37 Português
Críticas/Outros A culpa é de Darwin 0 806 07/02/2012 - 16:25 Português
Críticas/Outros A duvida que existe 0 1.155 03/06/2012 - 15:42 Português
Críticas/Outros A estupidez humana 1 1.408 06/16/2014 - 02:54 Português
Críticas/Outros A falsa moral 0 1.500 02/18/2012 - 12:44 Português
Críticas/Outros A falta da compreensão 0 494 01/28/2014 - 12:59 Português
Fotos/Outros A flor 0 886 09/18/2012 - 12:58 Português
Poesia/Amor A gota 0 896 02/19/2012 - 18:53 Português
Poesia/Meditação A identidade de um país 0 387 04/14/2012 - 14:59 Português
Críticas/Outros A imbecilidade na forma politica. 0 1.002 07/29/2014 - 15:39 Português
Poesia/Geral A maquina e o homem 1 957 05/08/2011 - 22:57 Português
Críticas/Outros A morte do galo 0 706 09/18/2013 - 13:56 Português
Poesia/Meditação A Pedra 0 834 10/18/2011 - 12:51 Português
Críticas/Outros A pedra que caiu do céu 0 984 08/03/2012 - 19:45 Português
Críticas/Outros a pergunta errada 0 1.497 12/11/2013 - 14:26 Português
Poesia/Meditação A poesia 0 1.139 10/18/2012 - 21:36 Português
Poesia/Alegria A poesia viva 2 396 04/21/2012 - 05:16 Português
Poesia/Meditação A ponte 0 533 05/12/2012 - 15:19 Português
Críticas/Outros A tempestade 0 2.127 03/31/2016 - 23:26 Português