CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Sobre o tempo

A vida certas vezes nos presenteia com pequenos prazeres, que gostaríamos que fossem ao menos por alguns segundos eternos. Um sorriso, uma lagrima, um beijo e quem sabe o mais ousado dos apaixonados diria sem pensar duas vezes: Um grito de gol!
Aprendemos que tão prazerosos, quanto estes momentos em nossa cabeça, são o desejo de vive-los novamente. Mas o tempo é implacável, não é corrompível, não se dobra aos nossos caprichos, vive nos deixando lições, mostrando que somos feito de sonhos, mas que nossa carne não é eterna como tantos deles, não conseguimos cortar o tempo sem deixar marcas em nossa alma.
Abrimos e fechamos nossos olhos, sem nos dar conta que este dia pode ser o primeiro ou o ultimo de uma grande mudança, de um grande desejo, sem perceber o momento chega, passa e leva com ele nossa coragem, nossos medos.
Os dias passam impiedosamente, as semanas correm pelos calendários que tentamos em vão controlar o que não se pode tocar, apenas viver e respirar!
O menino nasce, descobre o doce e o amargo da vida, cria rugas e sem desejar se desapegar de suas manias, morre. Com todos os erros e acertos possíveis, com todos os amores improváveis, com todos os pecados inimagináveis.
Encontramos paredes rabiscadas de poesias impublicáveis, sobre o que é esse desejo latente que costumamos e insistimos apelidar de vida. Percorremos corredores tão sufocantes que nossos sonhos não cabem dentro deles, quartos tão pequenos que nossa voz ecoa em forma de grito pelas frestas de madeira velha, rasgando ouvidos, rasgando o invisível, se sobrepondo ao desejo.
Somos no fim reféns dos mesmos requintes, luxuosos prazeres e ansiosos pelos ponteiros do relógio que marcam o passo, lembrando que mais hora ou menos hora o tempo, nos trata com desdém, ignorando nossas conquistas, apagando nossas decepções, deixando apenas uma vírgula em aberto, para que se assim ele desejar, podermos continuar a escrever a nossa breve, porém intensa história.

Eterno momento
Guardado na memória,
E em um velho e rabiscado papel.
Imaginação além do desejo!
Sentimento além da carne!
Descobre com as escolhas
Com acertos e erros,
Que viver é mais que respirar.
É sentir, perder, sonhar,
É, e porque não seria?
Se apaixonar!

Submited by

segunda-feira, outubro 21, 2013 - 12:56

Críticas :

No votes yet

Pablo Gabriel

imagem de Pablo Gabriel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 semanas 3 dias
Membro desde: 05/02/2011
Conteúdos:
Pontos: 2881

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Pablo Gabriel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral O preço das coisas 1 953 05/05/2011 - 17:37 Português
Poesia/Geral O tempo, as horas 1 766 05/05/2011 - 17:32 Português
Poesia/Geral Sem rumo, sem sorte 1 679 05/05/2011 - 17:08 Português
Poesia/Geral Mulheres da vida 1 1.096 05/05/2011 - 17:04 Português
Poesia/Geral Vitima da vida 1 883 05/05/2011 - 16:56 Português
Poesia/Geral Velhas portas 1 804 05/05/2011 - 16:53 Português
Poesia/Geral O pescado e o mar 1 894 05/05/2011 - 16:42 Português
Poesia/Geral tempo que passa 1 853 05/05/2011 - 16:39 Português
Poesia/Geral Passos vazios 1 724 05/05/2011 - 16:36 Português
Poesia/Geral Tudo que se tem 1 1.013 05/05/2011 - 16:32 Português