CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Tempo

Como seres racionais aprendemos a contar o tempo, pelos segundos, minutos e horas. Fatiamos e planejamos, tudo de forma organizada para que nada saia ou fuja de um cronograma ou dentro do que é esperado.

Embora isto não signifique certezas, pensamos dessa forma, mas esquecemos que o tempo apresentado de modo cronológico é uma invenção humana para ter a falsa sensação de controle de fatos e acontecimentos.

Não lembramos que “tempo” pode significar sentir o momento, não nos passa pela cabeça que esse girar da terra também pode ser contado a partir de sentimentos e lembranças não programadas ou manipuladas.

Passamos infância, juventude e vida adulta com o mesmo pensar, contaminado na mente da grande maioria, de que somos senhores do tempo e não que de fato estamos a mercê dele.

Pequenos grãos de areia no universo, que tem direito e voz sobre os outros pelo simples fato de poder “comprar” o segundos ou horas do dia de alguém. Somo pequenos de fato ate na forma de agir e pensar.

O dia nasce, passa e morre ao entardecer, pessoas nascem, “vivem” e morrem com a mesma velocidade sem perceber ou questionar sua própria forma de vida. Somos capazes de  construir grandes prédios, carros confortáveis, descobrir a gravidade, embora ainda não saibamos expressar o sentimento contido dentro de cada um de nós.

O domínio que pensamos ter sobre objetos e seres não “racionais” nos dá a sensação de poder e acabamos por não perceber que ficamos reféns destas escolhas, acabamos por viver vidas que a sociedade quer, acabamos por sentir o que a televisão e revistas acham correto e pensamos que com o tempo, tudo se esquece ou tudo se resolve.

O calendário define nossas alegrias e tristezas, nossas escolhas e desejos. Ainda não aprendemos a viver de acordo com nossos sentimentos, não sabemos lidar com adversidade que impõe outras rotas, nos desesperamos porque somos reféns do nosso próprio empo.

Submited by

sexta-feira, fevereiro 6, 2015 - 13:38

Críticas :

No votes yet

Pablo Gabriel

imagem de Pablo Gabriel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 semanas 3 dias
Membro desde: 05/02/2011
Conteúdos:
Pontos: 2944

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Pablo Gabriel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor O menino e o mundo 0 825 05/25/2011 - 21:54 Português
Poesia/Amor Desejo 0 930 05/25/2011 - 22:18 Português
Poesia/Geral Luz e sombra 0 1.480 05/27/2011 - 00:15 Português
Poesia/Comédia Rolar para sonhar 0 828 05/29/2011 - 02:05 Português
Poesia/Amor Poeta da vida 0 900 05/29/2011 - 02:09 Português
Poesia/Geral Cotidiano 0 889 05/29/2011 - 02:12 Português
Poesia/Amor As cores favoritas 0 901 05/29/2011 - 02:15 Português
Poesia/Amor Para A.C 0 944 06/03/2011 - 13:56 Português
Fotos/Pessoais Auto retrato 0 1.401 06/03/2011 - 17:52 Português
Poesia/Amor Teus olhos 1 2.200 06/07/2011 - 01:41 Português
Poesia/Amor Sem perceber 0 775 06/10/2011 - 03:14 Português
Poesia/Amor Em busca de verdades 0 455 06/10/2011 - 04:10 Português
Poesia/Amor Ouvir o som do coração 0 969 06/11/2011 - 03:02 Português
Poesia/Amor Imperfeições 0 512 06/11/2011 - 14:26 Português
Poesia/Amor Breve 0 623 06/11/2011 - 14:44 Português
Fotos/Artes Susurros 0 1.472 06/15/2011 - 22:32 Espanhol
Fotos/Artes Foto poesia 1 1.373 06/21/2011 - 01:25 Português
Fotos/Artes Foto poesia 0 725 06/21/2011 - 01:34 Português
Fotos/Artes Foto poesia 0 1.241 06/21/2011 - 01:45 Português
Fotos/Artes Foto Poesia 0 673 06/21/2011 - 01:47 Português
Fotos/Artes Foto Poesia 0 1.094 06/21/2011 - 01:51 Português
Poesia/Amor O que foi meu amor? 0 621 07/26/2011 - 14:38 Português
Poesia/Amor Olhares perdidos 0 795 08/02/2011 - 01:15 Português
Poesia/Amor Significado 0 734 08/02/2011 - 01:24 Português
Poesia/Desilusão Milagreiro 0 770 08/24/2011 - 19:59 Português