CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

FASTOS DAS METAMORPHOSES XVIII

A apotheosis de Eneas

(Traduzido do Livro XIV)

Já do piedoso Enéas a virtude
Enternecera os deuses, extinguira
Da propria Juno a malquerença idosa;
E, firme a herança do crescente Ascanio,
Repouso ao pae cabia, era já tempo
De ir lograr-se dos céos o heróe troyano.
Venus por elle interessara os numes.
E de Jove abraçando o collo augusto:
«Pae, nunca repugnante a meus desejos,
De teu amor (lhe diz) o extremo apura.
Clementissimo attende ás preces minhas.
Meu caro Enéas, que é por mim teu neto,
Gráo de nume inferior alcance ao menos,
De algum modo nos céos meu filho admitte.
Bem lhe basta uma vez entrar no reino
Onde é tudo aversão, tristeza tudo,
E haver passado por estygias ondas.»
Soou a approvação dos deuses todos,
Nem Saturnia ficou de aspecto immovel,
Antes affavel annuiu ao rogo.
Então lhe disse o pae: «Sois dignos ambos
Tu, e teu filho da celeste graça.
Cumpre o desejo em fim.» — Calou se Jove.
Com vozes gratas a exultante deusa
A mercê retribue, e, conduzida
Nas auras leves pelas niveas pombas,
Desce á margem Laurente, onde serpêa
O Numicio, de canas assombrado,
Levando ao mar visinho as vitreas agoas.
A linda Cytheréa ordena ao rio
Que tudo o que é da morte a Enéas lave,
E em silencio no mar depois esconda.
As ordens o deus humido executa;
Tudo quanto é mortal extráe de Enéas,
E co'a pura corrente o volve puro:
A parte só que é optima lhe deixa.
Eis a amorosa mãe o aromatiza,
Unge de oleo divino o corpo amado,
Honra-lhe os labios de ambrosia, e nectar,
Deus o faz, que dos povos de Quirino
Indigete é chamado, e sobe ás aras.

Submited by

domingo, novembro 1, 2009 - 20:27

Poesia Consagrada :

No votes yet

Bocage

imagem de Bocage
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 12 anos 11 semanas
Membro desde: 10/12/2008
Conteúdos:
Pontos: 1162

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Bocage

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia Consagrada/Geral ADIVINHAÇÕES V 0 1.199 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral ADIVINHAÇÕES VI 0 1.085 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral ADIVINHAÇÕES VII 0 691 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral EPIGRAMMAS I 0 868 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral EPIGRAMMAS II 0 463 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral EPIGRAMMAS III 0 558 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral EPIGRAMMAS IV 0 742 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral EPIGRAMMAS V 0 644 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral EPIGRAMMAS VI 0 723 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral EPIGRAMMAS VII 0 532 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral APÓLOGOS XVI 0 1.665 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral APÓLOGOS XVII 0 439 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Aforismo APÓLOGOS XVIII 0 1.328 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral APÓLOGOS XIX 0 546 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral APÓLOGOS XX 0 1.006 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral APÓLOGOS XXI 0 533 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral APÓLOGOS XXII 0 425 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral APÓLOGOS XXIII 0 829 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral APÓLOGOS XXIV 0 643 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral APÓLOGOS XXV 0 535 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral APÓLOGOS XXVI 0 660 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral APÓLOGOS XXVII 0 516 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral APÓLOGOS XXVIII 0 983 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral APÓLOGOS III 0 695 11/19/2010 - 15:55 Português
Poesia Consagrada/Geral APÓLOGOS IV 0 411 11/19/2010 - 15:55 Português