CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Lúbrica

Lúbrica

Quando a vejo, de tarde, na alameda,
Arrastando com ar de antiga fada,
Pela rama da murta despontada,
A saia transparente de alva seda,
E medito no gozo que promete
A sua boca fresca, pequenina,
E o seio mergulhado em renda fina,
Sob a curva ligeira do corpete;
Pela mente me passa em nuvem densa
Um tropel infinito de desejos:
Quero, às vezes, sorvê-la, em grandes beijos,
Da luxúria febril na chama intensa...
Desejo, num transporte de gigante,
Estreitá-la de rijo entre meus braços,
Até quase esmagar nesses abraços
A sua carne branca e palpitante;
Como, da Ásia nos bosques tropicais
Apertam, em espiral auriluzente,
Os músculos hercúleos da serpente,
Aos troncos das palmeiras colossais.
Mas, depois, quando o peso do cansaço
A sepulta na morna letargia,
Dormitando, repousa, todo o dia,
À sombra da palmeira, o corpo lasso.

Assim, quisera eu, exausto, quando,
No delírio da gula todo absorto,
Me prostasse, embriagado, semimorto,
O vapor do prazer em sono brando;
Entrever, sobre fundo esvaecido,
Dos fantasmas da febre o incerto mar,
Mas sempre sob o azul do seu olhar,
Aspirando o frescor do seu vestido,
Como os ébrios chineses, delirantes,
Respiram, a dormir, o fumo quieto,
Que o seu longo cachimbo predileto
No ambiente espalhava pouco antes...
Se me lembra, porém, que essa doçura,
Efeito da inocência em que anda envolta,
Me foge, como um sonho, ou nuvem solta,
Ao ferir-lhe um só beijo a face pura;
Que há de dissipar-se no momento
Em que eu tentar correr para abraçá-la,
Miragem inconstante, que resvala
No horizonte do louco pensamento;
Quero admirá-la, então, tranqüilamente,
Em feliz apatia, de olhos fitos,
Como admiro o matiz dos passaritos,
Temendo que o ruído os afugente;
Para assim conservar-lhe a graça imensa,
E ver outros mordidos por desejos
De sorver sua carne, em grandes beijos,

Da luxúria febril na chama intensa...
Mas não posso contar: nada há que exceda
A nuvem de desejos que me esmaga,
Quando a vejo, da tarde à sombra vaga,
Passeando sozinha na alameda...

Camilo Pessanh

Submited by

quinta-feira, abril 9, 2009 - 23:17

Poesia Consagrada :

No votes yet

CamiloPessanha

imagem de CamiloPessanha
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 anos 35 semanas
Membro desde: 04/09/2009
Conteúdos:
Pontos: 150

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of CamiloPessanha

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Camilo Pessanha 0 510 11/24/2010 - 00:37 Português
Poesia Consagrada/Geral Final 0 384 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Voz débil que passas 0 355 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Se andava no Jardim 0 493 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Singra o navio. Sob a agua clara 0 404 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ó meu coração torna para traz 0 348 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Esvelta surge! Vem das aguas, nua 0 548 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Desce em folhedos tenros a collina 0 315 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Tatuagens complicadas do meu peito 0 665 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Estátua 0 233 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Caminho 0 406 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Interrogação 0 312 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Viola Chinesa 0 371 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Castelo de Óbidos 0 332 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Violoncelo 0 330 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao longe os barcos de flores 0 331 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Fonógrafo 0 425 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral II A Morte, no Pego-Dragão 0 290 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral E eis quanto resta do idílio acabado 0 408 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Inscrição 0 320 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Passou o Outono já, já torna o frio... 0 364 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Quem poluiu, quem rasgou os meus lençóis de linho 0 455 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao meu coração um peso de ferro 0 403 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Chorae arcadas 0 309 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Canção da Partida 0 386 11/19/2010 - 16:49 Português