CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A Morte do Lidador - Capítulo V

Entretanto os mouros iam de vencida: Mem Moniz, D. Ligel, Godinho Fafes, Gomes Mendes Gedeão e os outros cavaleiros daquela lustrosa companhia tinham praticado maravilhosas façanhas. Mas, entre todos, tornava-se notável o Espadeiro. Com um pesado montante nas mãos, coberto de pó, suor e sangue, pelejava a pé; que o seu agigantado ginete caíra morto de muitos tiros de frechas lançadas. De roda dêle não se viam senão cadáveres e membros destroncados, por cima dos quais trepavam, para logo recuarem ou baquearem no chão, os mais ousados cavaleiros árabes. Como um promontório de escarpados alcantis, Lourenço Viegas estava imóvel e sabranceiro n meio do embate daquelas vagas de pelejadores que vinham desfazer-se contra o terrível montante do filho de Egas Moniz.

Quando o fronteiro caiu, o grosso dos mouros fugia já para além do pinhal; mas os mais valentes pelejavam ainda à roda do seu moribendo. O Lidador êsse tinha sido pôsto em cima de umas andas, feitas de troncos e franças de árvores, e quatro escudeiros, que restavam vivos dos dez que consigo trouxera, o haviam transportado para a saga da cavalgada. O tinir dos golpes era já muito frouxo e sumiam-se no som dos gemidos, pragas e lamentos que soltavam os feridos derramados pela veiga ensangüentada. Se os mouros, porém, levavam, fugindo, vergonha e dano, a vitória não saíra barata aos portuguêses. Viam perigosamente ferido o seu velho capitão, e tinham perdido alguns cavaleiros de conta e a maior parte dos homens de armas, escudeiros e pajens.

Foi neste ponto que, ao longe, se viu erguer uma nuvem de pó, que voava rápida para o lugar da peleja. Mais perto, aquêle turbilhão rareou vomitando do seio basto esquadrão de árabes. Os mouros que fugiam deram volta e gritaram:

A Ali-Abu-Hassan! Só Deus é Deus, e Maomé o seu profeta!

Era, com efeito, Ali-Abu-Hassan, rei de Tânger, que estava com seu exército sôbre Mertola e que viera com mil cavaleiros em socorro de Almoleimar.

*Conto Popular Português de Autor Desconhecido, compilado por Alexandre Herculano

Submited by

sábado, abril 11, 2009 - 20:41

Poesia Consagrada :

No votes yet

AlexandreHerculano

imagem de AlexandreHerculano
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 28 semanas
Membro desde: 04/11/2009
Conteúdos:
Pontos: 282

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of AlexandreHerculano

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Alexandre Herculano 0 676 11/24/2010 - 00:37 Português
Poesia Consagrada/Geral A Tempestade 0 620 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral O Soldado 0 443 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral D. Pedro 0 433 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral A Vitória e a Piedade 0 302 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral A Cruz Mutilada 0 840 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral A Voz 0 407 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral A Arrábida 0 591 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Mocidade e Morte 0 395 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Deus 0 430 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - A Noite do Amir 0 832 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Ao Luar 0 366 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - O Castro Romano 0 284 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - A Aurora da Redenção 0 515 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Impossível! 0 451 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Conclusão 0 591 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral A Semana Santa 0 380 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Recordações 0 451 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - A Meditação 0 364 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Saudade 0 471 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - A Visão 0 395 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - O Desembarque 0 419 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Junto de Crissus 0 689 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Traição 0 419 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Dies Irae 0 418 11/19/2010 - 16:52 Português