CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A Voz

É tão suave ess'hora,

Em que nos foge o dia,

E em que suscita a Lua

Das ondas a ardentia,

Se em alcantis marinhos,

Nas rochas assentado,

O trovador medita

Em sonhos enteado!

O mar azul se encrespa

Coa vespertina brisa,

E no casal da serra

A luz já se divisa.

E tudo em roda cala

Na praia sinuosa,

Salvo o som do remanso

Quebrando em furna algosa.

Ali folga o poeta

Nos desvarios seus,

E nessa paz que o cerca

Bendiz a mão de Deus.

Mas despregou seu grito

A alcíone gemente,

E nuvem pequenina

Ergueu-se no ocidente:

E sobe, e cresce, e imensa

Nos céus negra flutua,

E o vento das procelas

Já varre a fraga nua.

Turba-se o vasto oceano.

Com hórrido clamor;

Dos vagalhões nas ribas

Expira o vão furor

E do poeta a fronte

Cobriu véu de tristeza;

Calou, à luz do raio,

Seu hino à natureza.

Pela alma lhe vagava

Um negro pensamento,

Da alcíone ao gemido,

Ao sibilar do vento.

Era blasfema ideia,

Que triunfava enfim;

Mas voz soou ignota,

Que lhe dizia assim:

«Cantor, esse queixume

Da núncia das procelas,

E as nuvens, que te roubam

Miríades de estrelas,

E o frémito dos euros,

E o estourar da vaga,

Na praia, que revolve,

Na rocha, onde se esmaga,

Onde espalhava a brisa

Sussurro harmonioso,

Enquanto do éter puro

Descia o Sol radioso,

Tipo da vida do homem,

É do universo a vida:

Depois do afã repouso,

Depois da paz a lida.

Se ergueste a Deus um hino

Em dias de amargura;

Se te amostraste grato

Nos dias de ventura,

Seu nome não maldigas

Quando se turba o mar:

No Deus, que é pai, confia,

Do raio ao cintilar.

Ele o mandou: a causa

Disso o universo ignora,

E mudo está. O nume,

Como o universo, adora!»

Oh, sim, torva blasfémia

Não manchará seu canto!

Brama a procela embora;

Pese sobre ele o espanto;

Que de sua harpa os hinos

Derramará contente

Aos pés de Deus, qual óleo

Do nardo recendente.

Submited by

sábado, abril 11, 2009 - 23:21

Poesia Consagrada :

No votes yet

AlexandreHerculano

imagem de AlexandreHerculano
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 10 anos 2 semanas
Membro desde: 04/11/2009
Conteúdos:
Pontos: 282

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of AlexandreHerculano

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Alexandre Herculano 0 702 11/23/2010 - 23:37 Português
Poesia Consagrada/Geral A Tempestade 0 645 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Geral O Soldado 0 483 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Geral D. Pedro 0 455 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Geral A Vitória e a Piedade 0 328 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Geral A Cruz Mutilada 0 873 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Geral A Voz 0 426 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Geral A Arrábida 0 618 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Mocidade e Morte 0 424 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Deus 0 442 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - A Noite do Amir 0 885 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Ao Luar 0 406 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - O Castro Romano 0 304 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - A Aurora da Redenção 0 563 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Impossível! 0 488 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Conclusão 0 614 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Geral A Semana Santa 0 421 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Recordações 0 493 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - A Meditação 0 392 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Saudade 0 502 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - A Visão 0 417 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - O Desembarque 0 445 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Junto de Crissus 0 724 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Traição 0 448 11/19/2010 - 15:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Eurico, o Presbítero - Dies Irae 0 439 11/19/2010 - 15:52 Português