CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

(Meu reino é um prado morto)

A minha mão não cobre o mundo todo,
Mas a sombra assusta os passageiros
Viajantes que no meu albergue entram,
Venho de candeio na mão… bruxuleando,

Apetece-me também eu partir quando chove
Mas dita o destino,-de que não sou dono-
Criar bem dentro uma espécie de abismo
Tutelado por uma outra dimensão de mim próprio,

Sonho de que sou eu mesmo a quem
Obedece a trovoada e o mar oceano
Revolto, acordo com a serenidade de um seixo
Que tem qualquer outra pessoa sem ter rosto,

Igual a eles em tudo e até a morte receio,
Sobretudo eu, de que serve ser do sonho
Autoridade ou rei príncipe se não mando
Sequer nos vencidos, tanto quanto eu sou

Quando acordo, terreno e ilucido, viajando
De noite sou rei dos bruxos, acordado sou
Insignificante baixo, seixo cego, sargo morto
Assim como tu, que não és nada nem ninguém

E nem eu encubro e luz dum todo, esta ou outra,
A ciência ou a metafísica, Venho de candeia na mão
Como se os meus pensamentos fossem
Realmente vitais p’ras dimensões que tem a Terra

No universo, às vezes deixo-me possuír
P’lo logro, outro modo de ser quem sou
E sonho que posso içar palavras em tribuna
Alta, adaptada a mim mesmo e acender a vela,

Como se tivesse atravessado eu um braseiro
Agnóstico e místico, sem rosto pra que me esqueçam,
Apenas sussurro e arvoredo, venho de candeio na mão,
Cedo é e a paisagem o desenho geométrico mais antigo

Do mundo, eu pra o abrir, cego descubro que
(meu reino é um prado morto)

Joel Matos (01/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

Submited by

quinta-feira, fevereiro 1, 2018 - 10:54

Ministério da Poesia :

Your rating: None Average: 5 (1 vote)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 horas 31 minutos
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 33860

Comentários

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

(Meu reino é um prado morto)

VerEditar
(Meu reino é um prado morto)

imagem de Joel

Nem me

Nem me rotulem de insonso
pois se abdico dum rio d'salmão
e a falta me virou do avesso
(i'nda assim) nadei no furação.

Jacaré na panela d'agua quente
rei preto no tabuleiro de xadrez
serei tudo que o destino invente
e permita a minha tez de mar

ando barbudo de um lado e d'outro
desta cara de vagabundo lateiro
onde o mar barbeia o mexilhão

saltei de susto na areia da praia
quando vi aparecer no longe uma sereia
mal ela não m'viu, fingiu minha canção cantar

(tão insossa quanto o rio do salmão)

Jorge Santos

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Geral arch-au-ciel 0 1.410 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo abrunhos 0 1.613 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo irmã tua 0 1.020 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Dedicado vivo ao teu lado 0 984 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo digno?eu? 0 1.307 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo pinoquio 0 1.531 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo secretos segredos 0 1.489 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo me rendo 0 1.301 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Mandala de papel 0 861 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo maquina do tempo 0 1.249 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo cheiro de vento 0 1.344 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo sei 0 1.414 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo espanto 0 1.081 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo coraçaõ largo 0 500 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo sempre 0 1.089 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo quando 0 1.249 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Balada para um turco 0 1.016 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Francisca 0 1.910 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo tudo e nada 0 831 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Priscilla 0 1.083 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Asa calada 0 1.355 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo flores d'cardeais 0 1.227 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Magdalena 0 1.277 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo peito Abeto 0 1.098 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo rapaz da tesoura 0 1.200 11/19/2010 - 19:16 Português