CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O Gebo e o Sonho.

Quero morrer de vez e interpretado pra sempre,
Não terei na cartola o axioma do sonho
Nem tirarei qualquer máxima à pena,
Mas morar de mim fora, d’ora
Em diante e apenas, sim, tenho,

Tenho paladar do infinito ao etéreo, insólito
O lugar em que mais sinto imenso, indulto
No ser, é no ser apenso do ser Ser, que invicto
Será, ou talvez seja mau pensar, pensei sendo
Advento meu doutro pressentir desmedido dom.

Como pensei, o facto de escrever e a facilidade
Com que vulgarizo a opinião, fazem duma saudável
Imaginação, uma censurável ofensa do meu jargão
Grosso, ao ser que suspenso, no coração crivo, sirvo
Do apocalipse numa velha batedeira de bolos,

Instigo e contradigo por covardia, como fosse eu
Aliado a um deus adenda, pra me parecer ninguém
Ou Génio desempregado da Albina lâmpada.
Tanto do que já senti, sonhei-o sem mãos, tantos
Sonhos irmãos tive em criança, sabidos ,espertos,

Eram meus, sem os querer por horto de mosteiro.
Quando morrer de vez, para sempre interpretado,
Quero olhar particularmente a realidade,
Nítida e peculiar da matéria que me escravizou,
Do mesmo modo que situo um gebo, na sombra da rua.

Joel Matos (11/2014)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

sexta-feira, fevereiro 23, 2018 - 18:46

Ministério da Poesia :

Your rating: None Average: 5 (1 vote)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 dias 7 horas
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 39366

Comentários

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Aforismo andorinhão 0 1.589 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo sentir mais 0 977 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo palabras 0 1.442 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo A matilha 0 2.177 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo ao fim e ao cabo 0 1.037 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo o bosque encoberto 0 713 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo nem teu rubor quero 0 1.010 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo em nome d'Ele 0 1.175 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Troia 0 1.513 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo desabafo 0 1.557 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Inquilino 0 890 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Pietra 0 1.413 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo não cesso 0 739 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Dedicado professas 0 1.259 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo amor sen'destino 0 1.441 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Balada para um turco 0 1.079 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Francisca 0 1.956 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo tudo e nada 0 917 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Priscilla 0 1.115 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Asa calada 0 1.423 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo flores d'cardeais 0 1.248 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Magdalena 0 1.341 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo peito Abeto 0 1.133 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo rapaz da tesoura 0 1.235 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Koras 0 1.348 11/19/2010 - 19:16 Português