CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O Gebo e o Sonho.

Quero morrer de vez e interpretado pra sempre,
Não terei na cartola o axioma do sonho
Nem tirarei qualquer máxima à pena,
Mas morar de mim fora, d’ora
Em diante e apenas, sim, tenho,

Tenho paladar do infinito ao etéreo, insólito
O lugar em que mais sinto imenso, indulto
No ser, é no ser apenso do ser Ser, que invicto
Será, ou talvez seja mau pensar, pensei sendo
Advento meu doutro pressentir desmedido dom.

Como pensei, o facto de escrever e a facilidade
Com que vulgarizo a opinião, fazem duma saudável
Imaginação, uma censurável ofensa do meu jargão
Grosso, ao ser que suspenso, no coração crivo, sirvo
Do apocalipse numa velha batedeira de bolos,

Instigo e contradigo por covardia, como fosse eu
Aliado a um deus adenda, pra me parecer ninguém
Ou Génio desempregado da Albina lâmpada.
Tanto do que já senti, sonhei-o sem mãos, tantos
Sonhos irmãos tive em criança, sabidos ,espertos,

Eram meus, sem os querer por horto de mosteiro.
Quando morrer de vez, para sempre interpretado,
Quero olhar particularmente a realidade,
Nítida e peculiar da matéria que me escravizou,
Do mesmo modo que situo um gebo, na sombra da rua.

Joel Matos (11/2014)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

sexta-feira, fevereiro 23, 2018 - 18:46

Ministério da Poesia :

Your rating: None Average: 5 (1 vote)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 horas 29 minutos
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 39413

Comentários

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

Eu, Génio desempregado da Albina lâmpada

Eu, Génio desempregado da Albina lâmpada

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Aforismo cheiro de vento 0 1.398 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo sei 0 1.485 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo espanto 0 1.134 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo coraçaõ largo 0 515 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo sempre 0 1.195 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo quando 0 1.369 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Balada para um turco 0 1.139 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Francisca 0 2.005 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo tudo e nada 0 981 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Priscilla 0 1.179 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Asa calada 0 1.593 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo flores d'cardeais 0 1.333 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Magdalena 0 1.400 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo peito Abeto 0 1.183 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo rapaz da tesoura 0 1.294 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Koras 0 1.486 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo escrever pressas 0 753 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo não tarde 0 1.004 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo fecha-me a sete chaves 0 727 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo inventar 0 1.237 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Dedicado professas 0 1.304 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo amor sen'destino 0 1.496 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo andorinhão 0 1.688 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo sentir mais 0 1.019 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo palabras 0 1.502 11/19/2010 - 19:13 Português