CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Tão amável avó Maria!


Meu nome é Maria como tantas outras Marias
Antes só alegria; hoje só melancolia
Viúva muito cedo com minha filha eu sempre morei
Então ela se casou e com ela na luta eu continuei

Lembro-me do nascimento do meu primeiro netinho
Emocionei-me muito quando coloquei
em meus braços aquele anjinho
Todo mundo sabe que pelos netos
as avós sentem o dobro de carinho
Eu só tive uma filha, feliz eu fiquei de ver nascer dela
aquele frágil homenzinho

Ele chorava de noite e logo diziam:
- Chamem a vovó Maria!
Eu chegava com meu amor de avó
e transformava o choro em calmaria
Enquanto a minha filha trabalhava,
todos os dias do meu neto eu cuidava
Fui a muitos passeios com eles
e sempre nos meus braços ele estava
Então o menino cresceu
e da vovó Maria ele já não mais precisava

Comecei a sentir uma estranha mudança,
antes eu era importante naquele lar
Já não me levavam aos passeios,
a razão era porque andava muito devagar
Na sala eu me sentia isolada,
ninguém do meu lado queria sentar
Até nas conversas não tinham paciência de ouvir
o que eu tinha para falar
Diziam: -Deixe a avô Maria maluca para lá,
já está caduca ou vai caducar!


Eles não entendiam que o que eu mais queria
era um pouco de atenção
Eu queria dar para eles o meu amor de avó
e de mãe que eu carregava no fundo meu coração!
Eu nunca deixei eles verem as minhas lágrimas,
eles nunca me viram chorar
Ingratidão de neto e de filha é muito triste,
não queiram imaginar

Num dia bem cedinho pegaram a minhas coisas
e levaram para um quartinho
Quarto que se guardam tranqueiras,
meu coração ficou triste e apertadinho
Não me deram se quer uma única explicação,
para eles a minha solidão seria a solução!
Foi á noite mais triste da minha vida,
doeu muito àquela separação!

Não tinha acesso mais a cozinha
e nem podia ir á sala ver televisão
Estava no quarto das tranqueiras,
das coisas velhas curtindo a minha aflição
Um dia criei coragem e do meu sofrer
para minha filha eu fui falar
Então no meu rosto ela me deu um tapa,
vi naquela hora o meu mundo desabar

Depois deste dia era normal a minha filha me agredir
Muitas vezes sentindo muito medo eu pensei até em fugir
Mas seria loucura eu não tinha para onde ir!
O meu quarto sempre foi solitário e úmido, tive então como
resultado um reumatismo que passou a me consumir
Era só o começo do pesadelo que estava por vir

A doença me jogou numa cama,
então contrataram uma mulher para cuidar da avó Maria!
Agora sim ficou muito pior,
de dia eu apanho da mulher e a noite da minha filha!
Estou num desespero, esperando a morte me levar
Mataram em mim todos os sonhos
até o direito de existir e amar!

Sou tranqueira jogada num canto,
a minha vida hoje é tão triste e vazia
Mais durmo do que acordo,
eu me entreguei a este ambiente de melancolia...
Às vezes na minha insanidade
surgem imagens antigas,
me fazendo lembrar
que um dia
eu fui para eles...

à tão amável avó Maria

Janete Sales

Submited by

quarta-feira, julho 11, 2012 - 20:17

Ministério da Poesia :

Your rating: None Average: 5 (1 vote)

Dany May

imagem de Dany May
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 anos 37 semanas
Membro desde: 11/01/2011
Conteúdos:
Pontos: 1271

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Dany May

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Amor Você pode escolher 0 676 06/23/2012 - 02:19 Português
Ministério da Poesia/Desilusão Como consertar um coração partido? 0 754 06/21/2012 - 18:35 Português
Ministério da Poesia/Fantasia Um poema encantado 0 605 06/21/2012 - 18:22 Português
Ministério da Poesia/Tristeza Você se foi... 0 797 06/21/2012 - 18:11 Português
Ministério da Poesia/Geral Nos olhos o medo! 0 491 06/20/2012 - 18:59 Português
Ministério da Poesia/Meditação O que uma palavra faz! 0 712 06/20/2012 - 18:43 Português
Ministério da Poesia/Geral "Mãos Certas!" 0 815 06/18/2012 - 01:58 Português
Ministério da Poesia/Tristeza Oh terra ingrata! 0 724 06/18/2012 - 01:28 Português
Ministério da Poesia/Tristeza Tomara que este post não seja uma lição para você! 0 983 06/16/2012 - 17:55 Português
Ministério da Poesia/Alegria A flor nasceu! 0 974 06/16/2012 - 17:31 Português
Ministério da Poesia/Tristeza A casa dos sonhos? 0 1.231 06/16/2012 - 17:11 Português
Ministério da Poesia/Fantasia "A minha verdade..." 0 783 06/15/2012 - 11:25 Português
Poesia/Tristeza Tão amável avó Maria... 0 641 06/15/2012 - 11:14 Português
Poesia/Tristeza Triste olhar 0 658 06/15/2012 - 11:09 Português
Poesia/Pensamentos Fiz do sonho realidade... 2 604 06/11/2012 - 16:43 Português
Poesia/Pensamentos Ter duvidas não é ter fé! 0 536 06/09/2012 - 12:58 Português
Poesia/Pensamentos As vezes... 0 540 06/09/2012 - 12:50 Português
Poesia/Desilusão Pensamento de um passarinho 3 990 06/08/2012 - 22:06 Português
Poesia/Fantasia Eu quis... 2 624 06/06/2012 - 09:03 Português
Poesia/Amor Eterno Amor 4 1.245 06/05/2012 - 18:02 Português
Poesia/Geral O que os loucos acham... 2 1.059 06/01/2012 - 20:52 Português
Poesia/Geral Destino 4 1.160 05/31/2012 - 22:09 Português
Poesia/Meditação FUGA... 6 1.141 05/31/2012 - 20:08 Português
Poesia/Meditação As nossas criações... 2 862 05/31/2012 - 15:25 Português
Poesia/Geral Frágil... 2 529 05/29/2012 - 20:52 Português