CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Tão livre quanto prisioneiro…

Tão livre quanto prisioneiro,
Canteiro e cantoneiro de mim
Eu sou, o engasgo de um fuinha
Felosa, pardal e ninho ou a corça,

Socialmente considerado
Um idiota, no que eu digo
Da minha boca sai um paladar
Ambíguo, á sorte, infinito,

Estou pensado quanto confuso,
O repouso é um suplício,
Mas traz um “rendez-vous” ,
Como uma coisa estranha,

Que rende o que consinto,
Tão de livre como de prisioneiro,
A sorte é um cadinho ao quadrado,
Doce que se farta, quanto amargo

Na boca, fictício. Rebolo-me
Por sarjetas em busca de equilíbrio,
Que não tenho na peruca,
Um dia conto fazer um folhetim na radio,

Sinto-o como um direito, simplesmente
Um direito Cível, como se fosse
Consciente de uma consciência
Radiofónica e digital, total…

Não pode haver o mesmo Deus,
Em todo o universo, não pode,
Acabar-se-ia o mistério,
O destino seria um tremoço,

Ou uma batata frita em palitos,
Mal digerida ao almoço,
Mas que pode haver existências
Paralelas, está o meu coração cheio

De provar, tão livre,
Quanto prisioneiro…

Jorge Santos (01/2015)

http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

sexta-feira, fevereiro 23, 2018 - 17:22

Ministério da Poesia :

Your rating: None Average: 5 (1 vote)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 semana 3 dias
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 41021

Comentários

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

Consciente de uma consciência Radiofónica

Consciente de uma consciência
Radiofónica

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Geral Estranhos cultos … 1 184 02/22/2018 - 17:23 Português
Ministério da Poesia/Geral A-Marte 1 591 02/22/2018 - 17:22 Português
Ministério da Poesia/Geral pra sempre … 1 388 02/22/2018 - 17:22 Português
Ministério da Poesia/Geral Conseguisse eu … 1 266 02/22/2018 - 17:21 Português
Ministério da Poesia/Geral Aquando dormem as estrelas, o céu rebola … 1 103 02/22/2018 - 17:20 Português
Ministério da Poesia/Geral Sempre que desta falo … 1 106 02/22/2018 - 17:00 Português
Ministério da Poesia/Geral Manhã e seda … 1 173 02/22/2018 - 16:59 Português
Ministério da Poesia/Geral Tão simples quanto um cabelo meu … 1 180 02/22/2018 - 16:58 Português
Ministério da Poesia/Geral Sonhar agora … 1 91 02/22/2018 - 16:57 Português
Ministério da Poesia/Geral Leste nas minhas mãos … 1 445 02/22/2018 - 16:57 Português
Ministério da Poesia/Geral Onde quer que vás … 1 243 02/22/2018 - 16:56 Português
Ministério da Poesia/Geral Sou o mais intolerante dos homens … 1 170 02/22/2018 - 16:55 Português
Ministério da Poesia/Geral Despeço-me demasiado depressa … 1 171 02/22/2018 - 16:55 Português
Ministério da Poesia/Geral Ceramista quântico … 1 81 02/22/2018 - 16:54 Português
Ministério da Poesia/Geral Ás vezes quebro (Hitler puff … ) 1 140 02/22/2018 - 16:47 Português
Ministério da Poesia/Geral Caliça fraca … 1 195 02/22/2018 - 16:46 Português
Ministério da Poesia/Geral O legado das minhas mãos … 1 446 02/20/2018 - 22:00 Português
Poesia/Geral Meu mar sou 1 812 02/20/2018 - 18:24 Português
Poesia/Geral Dum caule, as asas … 1 547 02/20/2018 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Geral Canto 1 201 02/20/2018 - 18:12 Português
Poesia/Geral Leve quanto a sombra 1 857 02/20/2018 - 18:06 Português
Poesia/Geral Incólume quanto Ricardo Reis … 1 415 02/20/2018 - 18:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Inocente e Incriado … 1 217 02/20/2018 - 18:04 Português
Poesia/Geral Em Vila, Praia ou Âncora … 1 797 02/20/2018 - 18:03 Português
Ministério da Poesia/Geral Quando as pombas desapareceram … 1 236 02/20/2018 - 18:02 Português