CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

“Entre duas aspas”

Ficarei a ser, sendo o que entendem que digo,
E de mim, enfim é o que consigo dizer entre
Aspas, digo-não entendo tanto quanto quero-
Porque haveria de querer eu, seria sério sendo,

Isso não sou, por aí não vou, passarei por
Mímico, sendo o que não sou, – entendem
O que digo, pois eu duvido mesmo a sério
Da minha certeza toda e aposto na duvida,

É um vício o ser quem não sou, a razão
É simples e natural como todas as coisas,
É o que consigo dizer não dizendo, “dividando”
O seno pelo humano interno intenso, sendo

Ficarei a ser o que entenderem que sou,
Gradiente de cinza, incompreensível voo
De moscardo sem voo, necessidade de nada
Ser, destino imaginário ou o que possa ter

Entre aspas “à míngua desse dom”, seco, indivino.
Perdoai-me, pois não me entendo nem m’dispo
Quando por vezes me “desdigo”, “dividando”
Seno Coseno hipérbole, eloquência de Fibonacci

“Pro bono”, contradigo-me sendo o que não sou,
Dando o que não tenho, ocultando por onde vou
Paradigma este sentir sem ser voar sem asas ter
Lembrar pra esquecer passar sem mudar pés

Nem mãos do lugar suposto que ocupo na sala
Menos-oval do mundo, enfim, é o que consigo
Dizer “entre duas aspas”, entre duas águas
Sinto que entendem não de facto, o que digo …

Jorge Santos 08/2018
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

quinta-feira, outubro 4, 2018 - 10:12

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 semanas 4 dias
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 40650

Comentários

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostasícone de ordenação Views Last Post Língua
Ministério da Poesia/Geral sonho 0 1.125 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Geral Amonte 0 1.566 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Geral jura maré trovata 0 2.361 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Geral até ao adeus 0 1.133 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Geral poiais terrenos 0 1.426 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Geral poiais terrenos 0 939 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Geral frangalhos de sonhos 0 1.064 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Geral tô aqui no sem-fim 0 1.134 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Geral salvemos o planeta nosso 0 674 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Geral adorei o sol 0 1.691 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Soneto sonho ou pesadelo 0 1.229 11/19/2010 - 19:16 Português
Ministério da Poesia/Soneto Panfleto 0 1.425 11/19/2010 - 19:18 Português
Ministério da Poesia/Dedicado A minha Pátria 0 1.503 11/19/2010 - 19:18 Português
Ministério da Poesia/Geral Lembra-me dois Unicórnios … 0 50 02/01/2018 - 10:59 Português
Ministério da Poesia/Geral A dor é púrpura … 0 175 02/01/2018 - 10:59 Português
Ministério da Poesia/Geral Travisto-me de aplauso 0 68 02/01/2018 - 10:56 Português
Ministério da Poesia/Geral Em lugar primeiro … 0 94 02/01/2018 - 10:55 Português
Ministério da Poesia/Geral As estradas fora d’alcance … 0 465 02/01/2018 - 10:52 Português
Ministério da Poesia/Geral Adverso ou controverso 0 1.893 11/19/2010 - 19:19 Português
Ministério da Poesia/Geral Parle-moi 0 1.956 11/19/2010 - 19:19 Português
Ministério da Poesia/Geral Volto já 0 1.793 11/19/2010 - 19:19 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Sophya 0 1.454 11/19/2010 - 19:19 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Do tempo cego 0 1.260 11/19/2010 - 19:19 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Da Paixão 0 971 11/19/2010 - 19:20 Português
Ministério da Poesia/Intervenção os míseros não têm mando 0 1.663 11/19/2010 - 19:20 Português