CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Abismo em seu libré

Aniagens armadilhas de pele com hálitos especiais
Vestidos assim à sua sonolenta boca!
Termina aqui
Na pedra que tu pisas.

Haveria de existir algo maior
Para pousar suave em sua ainda não nascida face,
Assim ocupamos de libertar todos os girinos dos perfumes rasos.

Naquelas águas onde tu ousaste aprender a brincar de nadar

Nas memórias que nos damos
Daquelas águas
                        Infantis pernas
                                               Descobrindo o fundo

Tarde demais!

Os desperdícios das cascatas ficaram em teus
Olhos de gritos.

Choros com cigarras
Em corpos de piscinas
Que se amam

Uivos como olhos do não afundar 

Naqueles amores que foram
Córregos das serpentes
Contorcidas dos leitos...
Que lhe convém
Aproveitaremos até o último
                                Ronco de ninar verde
O doce foi mel
              Repouso das abelhas

Imagens como o ontem:
Deuses presos em cordões
Das crianças que somos

Peles queimadas com cheiro de vela
Derretidas
&
Confusas

Foste a única roça que deixaste
Sozinhas todas incansáveis
Pedras caídas da montanha.

Mundos em formas de nádegas
A aromatizar
O último sol de agosto

Querias masturbar o cosmos
Em mesas de cetim
Nos dedos que são longos lemes
No prazer de todos
Inventados tempos

Murmura o perfeito céu que existiu

Imagens se não fossem seriam um
Deus cultivado
O horizonte disforme soletrou:
A flor do ipê é sol quando levada à tua face
A dança se foi
O aço rachado do riso ficou
Dançamos todos o abismo jovem nos ódios amados
Como Faustos delinqüentes suados na vida que fomos.

Um tropeço no infortúnio...
O fundo sem fim acordou cedo com vossos braços de trevas
Segurando teu triste tornozelo.
Tu olhaste para os meus infelizes olhos de perda
E o sol se foi com o verão em teu rosto.

&
O sol se foi com esta lembrança em teu rosto:

Fique aqui até a lua abrir teus olhos

Este é o conto de fadas tão esperado...

Índia pele dançando nos joelhos
Índia olhos para respirar a noite
E os movimentos emplumados do frio.

Submited by

terça-feira, dezembro 4, 2012 - 00:35

Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 21 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 2421 0 1.079 11/24/2010 - 00:48 Português
Fotos/ - 2422 0 1.377 11/24/2010 - 00:48 Português
Fotos/ - 2416 0 1.151 11/24/2010 - 00:48 Português
Fotos/ - 2415 0 1.069 11/24/2010 - 00:39 Português
Fotos/ - 1963 0 755 11/24/2010 - 00:38 Português
Ministério da Poesia/Geral Cancro à pele 0 960 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Tangência mútua 0 1.364 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Equilíbrio 0 522 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Sociedade Morta 0 749 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Os moinhos do norte 0 1.081 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Olhos apagados 0 1.013 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Lágrimas de asas 0 782 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Arranhão do gozo 0 1.204 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Notícia (Ode a Foz do Iguaçu) 0 894 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Michelangelo 0 901 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Estar sem estar 0 622 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Esplêndido... esplêndido 0 575 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Intervenção O ESTUPRO DO MUNDO 0 947 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Arte artista ninguém 0 526 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Ressuscite para mim meia noite santa 0 682 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Falésias debruçadas 0 582 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Corda ao pescoço 0 925 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Ácida cidade 0 640 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Legionário 0 612 11/19/2010 - 19:08 Português
Ministério da Poesia/Geral A prata do mendigo 0 1.276 11/19/2010 - 19:08 Português