CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Ao romper da nova aurora ou Ao cair as verdades arbitrárias

Ao romper da nova aurora, ao nascer dos novos dias
tu ainda andas às cegas, tateando as velhas vias.
Nada enxergas, nada sentes, sabes pouco e acreditas
no que dizem teus sentidos e razões tão sem medidas.

Incapaz de se dar conta do mistério, da magia,
dos milagres corriqueiros que acontecem todo dia,
te deixas levar por velhas e arcaicas convicções
que devoram tua vontade e te imputam opiniões.

Os valores obsoletos que te pesam sobre as costas
te curvam, impiedosos, deixam fraturas expostas;
quebram a tua alma com a falta de liberdade,
deixam marcas profundas, mais profundas que as da idade.

Tua mente e teu espírito, trancados a contento
vagueiam na pequena área de teu conhecimento.
Aquilo que é sagrado restringe as reflexões
e pensas que tu sabes, mas tuas verdades são jargões!

Nunca deixes que a vida se transforme em rotina,
em hábito automático ou costume ou numa sina.
Teu hoje é teu amigo e mais precioso tesouro.
Teu presente é valioso, vale muito mais que ouro.

Abre os olhos e reflete, sê a mais livre criatura.
Solta-te de tuas amarras, derruba tua armadura.
A verdade triunfará sobre as mentiras centenárias
e o mundo tremerá ao cair as verdades arbitrárias.

Submited by

quarta-feira, julho 27, 2016 - 16:52

Poesia :

Your rating: None (6 votes)

MaynardoAlves

imagem de MaynardoAlves
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 semanas 1 dia
Membro desde: 05/02/2010
Conteúdos:
Pontos: 596

Comentários

imagem de MaynardoAlves

Ao romper da nova aurora ou Ao cair as verdades arbitrárias

Texto sobre a necessidade de sempre (re)pensarmos sobre a vida e as coisas que nos cercam, na tentativa de desbanalizarmos o banal e transvalorizarmos os velhos valores.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MaynardoAlves

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Aforismo A mais importante das leis 0 623 10/14/2016 - 19:45 Português
Poesia/Meditação Evolução? 2 491 10/12/2016 - 12:34 Português
Poesia/Tristeza O desilusionista 1 509 10/11/2016 - 14:17 Português
Poesia/Pensamentos O cínico 1 447 10/10/2016 - 19:30 Português
Prosas/Ficção Cientifica Um fascinante trecho do livro “Fahrenheit 451” (de 1953) - do escritor Ray Bradbury 1 3.007 09/29/2016 - 16:40 Português
Musica/Outro Dúvida... 1 4.689 09/29/2016 - 16:38 Português
Poesia/Geral Calendário 1 732 09/29/2016 - 16:37 Português
Poesia/Aforismo Hillel 1 711 09/29/2016 - 16:28 Português
Poesia/Aforismo Beda ou Fracasso 1 573 09/29/2016 - 16:21 Português
Poesia/Meditação Ápeiron 1 847 09/29/2016 - 15:44 Português
Poesia/Meditação A busca 1 355 09/29/2016 - 15:41 Português
Poesia/Geral A sala de reunião 1 296 09/29/2016 - 15:38 Português
Poesia/Acrósticos Diógenes de Sínope 1 593 09/29/2016 - 15:36 Português
Poesia/Meditação Bom dia, ateu 5 591 09/29/2016 - 15:29 Português
Poesia/Dedicado Epitáfio 3 268 09/29/2016 - 15:27 Português
Poesia/Intervenção Ao romper da nova aurora ou Ao cair as verdades arbitrárias 1 492 09/29/2016 - 15:24 Português
Poesia/Pensamentos Das mazelas que o tempo impõe ao corpo 1 431 09/29/2016 - 15:19 Português
Poesia/Pensamentos Das mazelas que o tempo impõe ao pensamento 3 379 09/29/2016 - 15:17 Português
Poesia/Tristeza Sopa de poemas (e as ruas da cidade) 1 520 09/29/2016 - 15:14 Português
Poesia/Pensamentos Da dor e amor de escrever: um metapoema 1 702 09/29/2016 - 15:01 Português
Poesia/Soneto O tempo e o vento 1 577 09/29/2016 - 14:57 Português
Poesia/Pensamentos Árvore 1 471 09/29/2016 - 14:52 Português
Poesia/Fantasia Milagre 1 495 09/29/2016 - 14:49 Português
Poesia/Canção Mil torrentes V (A razão do viajante) 1 263 09/29/2016 - 14:45 Português
Poesia/Canção Mil torrentes IV (A fé dos nautas) 3 409 09/29/2016 - 14:41 Português