CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Ave César!

Eras simples até o dia em que cheguei
Incapaz de respirar
As náuseas brandas amortecidas
Das lástimas incongruentes

Nada de vida quando espinhos nascem
Nada de morte quando temos ao nosso lado o sofrimento

Luzes que movimentam letreiros
Focos que persuadem

Um fim é certo
Com beirais escondidos
E cercas que machucam genitálias

Derrotas dos colossais
Santos apodrecidos

Cantamos as cigarras nos verões abarrotados
Cantamos com solavancos os mistérios impossíveis

Dá de entupir todos os vasos com amoras pequeninas
Dá de assoprar nas páginas e obter todas as musas do mundo.
Só resta uma despedida untada ao belo estorninho
Em lagos horizontais com cotovelos confusos.

Terás todas as fibras amarradas em carne
Todos os nervos a enfeitiçar damas e rapazes
Com amantes eternos do vinho escorrido nos lábios
A amalgamar cidras nas belas roças

Bludéias coadas orvalhadas em manhãs à toa
Em pianos das horas cavalgadas
Cavalices do outro lado
Daquela porta batida
Onde todas as formas de trancas
Firmam o que se esquiva
Em louvores

Submited by

terça-feira, maio 29, 2012 - 17:54

Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 anos 47 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 2421 0 1.272 11/23/2010 - 23:48 Português
Fotos/ - 2422 0 1.434 11/23/2010 - 23:48 Português
Fotos/ - 2416 0 1.236 11/23/2010 - 23:48 Português
Fotos/ - 2415 0 1.118 11/23/2010 - 23:39 Português
Fotos/ - 1963 0 1.086 11/23/2010 - 23:38 Português
Ministério da Poesia/Geral Cancro à pele 0 973 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Tangência mútua 0 1.395 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Equilíbrio 0 540 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Sociedade Morta 0 815 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Os moinhos do norte 0 1.117 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Olhos apagados 0 1.039 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Lágrimas de asas 0 799 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Arranhão do gozo 0 1.287 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Notícia (Ode a Foz do Iguaçu) 0 907 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Michelangelo 0 921 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Estar sem estar 0 653 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Esplêndido... esplêndido 0 589 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Intervenção O ESTUPRO DO MUNDO 0 986 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Arte artista ninguém 0 551 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Ressuscite para mim meia noite santa 0 773 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Falésias debruçadas 0 599 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Corda ao pescoço 0 939 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Ácida cidade 0 661 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Legionário 0 644 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral A prata do mendigo 0 1.335 11/19/2010 - 18:08 Português