CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Cego debruçado em via-estreita

Há palavras de vulgar despojo,
Pois porque o normal é dar, logo
Eu me dou, de mim próprio, tal
Como choro ou respiro e me redimo, 

Mortal despojo, nome de guerra, nojo,
Guerreiro de latão, charlatão, só de incerteza
Tenho pose chaves e certidão; desejo é
Bom-porto, Porto-bom tem Zenão,

O silêncio é absurdo e o meu espírito
Paira longe ao longo, pois já não é só o pensar
Que me foge, eu que fujo de me pensar
Morto e mudo, cego debruçado em via-estreita,

Consciente da derrota, fama é lama e o facto
De ser dissemelhante a algum outro
Espécime de peixe-monge, faringe desfeita
E traqueia, difíceis de engolir, de pesar,

Há palavras de vulgar despojo, nojo
Porém me dá a fala sem emoção, "fio-prumo", 
Por isso choro, quando respiro
De fora para dentro...e me dou,

Cego debruçado em via-estreita e oblonga,
Vivo metaforicamente falando pra fora 
E me queixo não por intenção mas por despeito,
Cedo por entre a prega do beiço, essa sim,

Autêntica, sábia, cega e verdadeira.

Jorge Santos 01/2019
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

sexta-feira, março 29, 2019 - 11:25

Poesia :

No votes yet

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 dia 18 horas
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 40692

Comentários

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Impressões 0 750 01/09/2011 - 21:02 Português
Poesia/Geral Balada Para um Turco 0 807 01/09/2011 - 21:04 Português
Poesia/Geral Im@gine 0 1.633 01/09/2011 - 21:05 Português
Poesia/Geral Poemas sem ligação (aparente) 0 550 01/09/2011 - 21:09 Português
Poesia/Geral Serões Ideais 0 892 01/09/2011 - 21:11 Português
Prosas/Contos Free Tibet 0 1.103 01/09/2011 - 21:14 Português
Prosas/Lembranças Versus de Montanya Mayor 0 1.441 01/09/2011 - 21:20 Português
Prosas/Lembranças Nunca Mais 0 873 01/09/2011 - 21:22 Português
Prosas/Mistério O Chico Das Saias 0 1.235 01/09/2011 - 21:26 Português
Poesia/Geral VOLTEI 2 966 01/11/2011 - 00:09 Português
Poesia/Meditação Om... 1 1.821 01/11/2011 - 00:11 Português
Poesia/Erótico Seda Negra 1 1.013 01/11/2011 - 00:19 Português
Poesia/Geral Manhã Manhosa 2 1.070 01/11/2011 - 11:25 Português
Poesia/Geral Nem que 3 818 01/11/2011 - 11:39 Português
Poesia/Geral Solidão não se bebe 1 605 01/12/2011 - 03:11 Português
Poesia/Geral desencantos 0 1.043 01/12/2011 - 16:30 Português
Poesia/Geral comun 0 1.095 01/12/2011 - 16:34 Português
Poesia/Geral estranho 0 1.167 01/12/2011 - 16:36 Português
Poesia/Geral Dispenso-a 0 852 01/12/2011 - 16:38 Português
Poesia/Geral o céu da boca 0 727 01/12/2011 - 16:50 Português
Poesia/Geral Não sei que vida a minha 1 613 01/12/2011 - 22:04 Português
Prosas/Lembranças sete dias de bicicleta pelo caminho de Santiago francês 0 1.872 01/13/2011 - 00:58 Português
Poesia/Geral Terra á vista 1 783 01/13/2011 - 02:13 Português
Poesia/Geral O fim dos tempos 0 1.042 01/13/2011 - 11:52 Português
Prosas/Saudade O-Homem-que-desenhava-sombrinhas-nas-estrelas 0 1.280 01/13/2011 - 11:57 Português