CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Flores de abril

-Flores de Abril! E foi assim que “O caçador de bailarinas” exclamou para um seu amigo, “O corvo” de assas de borboleta.
O dia estava enegrecido, uma névoa poeirenta e densa abicava aquele santuário derradeiro, que horas parecia um bosque, oras parecia uma floresta, oras uma montanha, mas que no fim não passava de um espaço humanamente modificado pelos arranha-céus das sepulturas derradeiras.
- Abril! Flores de abril, meu caro amigo, disse o Caçador.
- Que há de tão mal nelas! São somente flores? Não?? Exclamou o corvo a buscar entendê-lo.
- Não são! Elas são convidativas à morte. Não vês? Observa-te as filhas de Julinha ali no canto!
- Percebo-as! E o que há de tão belo nelas? Ocupam aquele lugar enegrecido ao pé da lápide! Não vês que já se confundem? Elas, a velhice e o fim?
- Não percebo o que vês! E mesmo que o quisesse, mal o perceberia, pois, teus pensamentos são incapazes de fi-lo a mim sendo de ti.
- De fato! Percebemos nós, que as verdades não passam de interpretações.
- Não vês, amigo corvo! Apenas as borboletas de tarjas vermelhas as cultuam. E são elas, as filhas de Julinha, as únicas a contemplarem os túmulos.
- Vejo-as lá, sim!  E o que têm isso a ver com as flores de abril?
- Observe-as, as filhas de Julinha! São belas, mas tristes. Como pode haver tanta beleza em tanta tristeza.
- Podem ser os túmulos! Amigo caçador.
- Ou as cores!
- Que cores?
- Não vês?
- Não!
- Por quê?
- Sou daltônico!

Moral da história: A unicidade de cada sentimento jamais pode ser equiparada ou sentida pelo outro.

Submited by

sábado, novembro 10, 2018 - 17:21

Poesia :

No votes yet

ntistacien

imagem de ntistacien
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 12 horas 12 minutos
Membro desde: 04/22/2010
Conteúdos:
Pontos: 229

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of ntistacien

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Pensamentos Feliz mesmo é poder olhar para os céus e contemplar teu olhar. Embriagar-se de amor e, ainda assim, continuar sóbrio. 0 7 01/15/2019 - 14:56 Português
Poesia/Pensamentos Foi a ingenuidade de seu olhar que desarmou meu nefasto coração. 0 7 01/15/2019 - 14:55 Português
Poesia/Geral A filosofia do lagarto: Autotomia 0 7 01/15/2019 - 14:51 Português
Poesia/Geral Silencioso grito a Brasiliana 0 10 01/14/2019 - 03:46 Português
Poesia/Geral Tempo 0 16 01/14/2019 - 03:02 Português
Poesia/Meditação Em pedaços 0 10 01/14/2019 - 02:50 Português
Poesia/Aforismo ntistacien 0 17 01/13/2019 - 05:47 Português
Poesia/Aforismo ntistacien 0 13 01/13/2019 - 05:45 Português
Poesia/Aforismo A virtude reside sob a máscara que admite existência em outrem. 0 13 01/13/2019 - 05:43 Português
Poesia/Desilusão Em pedaços 0 18 01/10/2019 - 02:15 Português
Poesia/Meditação Avulso 0 23 01/10/2019 - 01:55 Português
Poesia/Aforismo ntistacien 0 105 11/10/2018 - 18:26 Português
Poesia/Amor Para um colibri 0 83 11/10/2018 - 17:32 Português
Poesia/Geral Flores de abril 0 112 11/10/2018 - 17:21 Português
Poesia/Geral Vazio poema 1 276 11/14/2013 - 12:46 Português
Poesia/Geral Vazio poema 0 181 11/12/2013 - 22:34 Português
Poesia/Geral Ausência e Solidão 1 296 11/01/2013 - 06:06 Português
Poesia/Geral Poema a um anjo 0 516 07/03/2011 - 04:22 Português
Poesia/Geral Vago poema 0 315 06/29/2011 - 00:58 Português
Poesia/Geral Sonata de Outono 0 303 06/06/2011 - 16:53 Português
Fotos/ - a 0 724 11/23/2010 - 23:55 Português
Poesia/Amor Confissão de um poeta 0 327 11/18/2010 - 15:41 Português
Poesia/Geral Olhar 0 342 11/18/2010 - 15:40 Português
Poesia/Geral Representação 0 331 11/18/2010 - 15:39 Português
Poesia/Aforismo Notícia 0 295 11/18/2010 - 15:39 Português