CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Gatos-de-algália

Nossa!
Como são bons os aromas perfumais das doces pequerruchas das praças!

Poderíamos morrer agora já que nossos narizes prontos estão,
Até que enfim saciáveis.

Não olhes nunca mais as sombras dos outros.

Apartaram-te com lastimosos gritos do alto do longe

O que resta!
São,
Deliciosos aromas gatos-de-algália
Ficam, perduram, persistem...
Fiam vaidades decepadas como profundos rostos que não dizem oi.

Advinhações não pregam cristos em cruzes,
Tu jamais terias armaduras brilhantes de espíritos,
Já que o seu! Seu não mais é,
Quando sem perceberes,
Do jeito que gestos fogem dos olhos
Tu vendeste ao demônio apavorado o seu significado

Veias torpes – caminhos do sangue pleno.

Objetar o que real não há
O que há, são brancuras nos dedos
Haja vista corpos de desertos infelizes barcas timbradas
Pela ampulheta feita de cheiro a contar.

Almíscar na pele do desejo sem face
Mio sofrido
A chiar nas esquinas.

Apertas suaves caudalosas searas,
Na lástima de ser toda a Cachimira

Tardes não esperam mais ninguém,
Músicas não encontram mais nenhuma alma
Somente perfumes têm gatos-de-algália.

Submited by

segunda-feira, julho 30, 2012 - 15:16

Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 anos 47 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Geral Duas paredes 0 844 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Sede dos corpos 0 843 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral O lixo da boca 0 801 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Virgem metal 0 1.708 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Carne de pedra 0 706 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Fim avarandado 0 934 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Dentro do espelho 0 740 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Um destroçado sorriso 0 830 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Anestésico da alma 0 1.440 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Fita laranja 0 918 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Caro insano tonto monstro 0 454 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Assaz lágrima ao soluço 0 505 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Sítio da memória 0 868 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Aeronave de Tróia 0 1.044 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Barro frio 0 923 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Lutolento 0 925 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Não 0 653 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Da vida não se fala... 0 564 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Jesuficado 0 755 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral O carisma do louco 0 1.076 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral O sonho é a visão do cego 0 680 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Manhã infeliz 0 920 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral O veneno da flor 0 513 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Olhos 0 854 11/19/2010 - 18:08 Português
Ministério da Poesia/Geral Silêncio esdrúxulo 0 734 11/19/2010 - 18:08 Português