CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Meu amigo ócio

Algumas pessoas nascem para determinadas coisas;
desde muito novas demonstram algum talento
ou têm alguma facilidade ou gosto por certas atividades;
eu os tenho também - para o ócio.
Faço nada com uma facilidade e alegria impressionantes!
Daí a filosofia e a contemplação em minha vida:
puro efeito do ócio.
É muito simples: quero ser nada!
Não quero ser professor,
nem mesmo quero ser filósofo,
não quero ser músico, poeta, artista;
quero mudar nada, quero criar nada.
Mas não quero ser um ocioso profissional,
quero continuar sendo um ocioso amador,
pois amo o ócio!
Realizações? Não me interessam mais...
Não suporto os "mercados" e as "máfias" que dominam o mundo,
nos quais se transformaram as atividades mais interessantes e estimulantes da vida humana.
Não quero mais trabalho,
nem mais preocupações,
nem mais responsabilidades,
nem mais metas a cumprir
ou mais tabelas para preencher.
Quero mais tempo livre!
É simples: quero apenas ser rico, nasci para isso;
quero ser rico o bastante para poder comprar, o mínimo que seja,
de uma pequena partícula de um real e verdadeiro livre arbítrio.
Num mundo dominado pelo dinheiro, como o nosso,
somente dessa forma posso sentir um pouco da legítima e real felicidade
de poder fazer apenas o que eu quiser.
Essa é a aspiração mais elevada à qual eu posso ascender.
Quero poder fugir da sociedade e da civilização.
Quero poder dar-me ao luxo de passar dias inteiros fazendo nada, se assim me aprouver.
Quero poder abraçar as incertezas
e viver celebrando a preciosa oportunidade de estar vivo e respirando.
Quero aproveitar ao máximo o meu tempo de vida - produzindo nada e vivendo do ócio.
Tenho gostos muito simples: tudo o de melhor me satisfaz.
Quero poder comprar um pouco do gosto de poder voltar à época
em que ainda podíamos simplesmente respirar,
sentir a presença do espaço e a passagem do tempo,
admirar e contemplar a natureza à nossa volta;
voltar a ouvir apenas os sons naturais do mundo
e voltar a sentir os gostos verdadeiros das coisas;
voltar a sentir o vento fresco e leve que sopra das montanhas
ou a umidade limpa e quente que se espalha pelas baixadas litorâneas;
voltar a viver os dias meditando naturalmente,
com a calma extasiante que me é de direito,
sem precisar de um templo ou de uma fuga para conseguir fazê-lo.
Tudo o que eu quero é apenas isso: viver!
Mas quero viver a vida e não apenas sobreviver numa sub-vida...

Submited by

quinta-feira, fevereiro 1, 2018 - 15:18

Poesia :

Your rating: None (6 votes)

MaynardoAlves

imagem de MaynardoAlves
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 11 semanas 6 dias
Membro desde: 05/02/2010
Conteúdos:
Pontos: 597

Comentários

imagem de Joel

muito obrigado

pela visita ao meu lado

imagem de MaynardoAlves

muito obrigado

Muito obrigado pela leitura e comentário, Joel.
Um abraço.

imagem de Joel

obrigado eu

por me deixar ler a sua poesia e fazer deste site um nado-vivo

imagem de MaynardoAlves

Meu amigo ócio

O trabalho é fruto do homem inferior, pois o ócio é tudo o que o ser humano elevado deseja. Uma pequena reflexão sobre o que, no fundo, todo mundo quer...

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MaynardoAlves

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Aforismo A mais importante das leis 0 1.164 10/14/2016 - 20:45 Português
Poesia/Meditação Evolução? 2 677 10/12/2016 - 13:34 Português
Poesia/Tristeza O desilusionista 1 714 10/11/2016 - 15:17 Português
Poesia/Pensamentos O cínico 1 698 10/10/2016 - 20:30 Português
Prosas/Ficção Cientifica Um fascinante trecho do livro “Fahrenheit 451” (de 1953) - do escritor Ray Bradbury 1 3.896 09/29/2016 - 17:40 Português
Musica/Outro Dúvida... 1 6.905 09/29/2016 - 17:38 Português
Poesia/Geral Calendário 1 822 09/29/2016 - 17:37 Português
Poesia/Aforismo Hillel 1 1.374 09/29/2016 - 17:28 Português
Poesia/Aforismo Beda ou Fracasso 1 1.071 09/29/2016 - 17:21 Português
Poesia/Meditação Ápeiron 1 1.252 09/29/2016 - 16:44 Português
Poesia/Meditação A busca 1 526 09/29/2016 - 16:41 Português
Poesia/Geral A sala de reunião 1 413 09/29/2016 - 16:38 Português
Poesia/Acrósticos Diógenes de Sínope 1 902 09/29/2016 - 16:36 Português
Poesia/Meditação Bom dia, ateu 5 870 09/29/2016 - 16:29 Português
Poesia/Dedicado Epitáfio 3 388 09/29/2016 - 16:27 Português
Poesia/Intervenção Ao romper da nova aurora ou Ao cair as verdades arbitrárias 1 842 09/29/2016 - 16:24 Português
Poesia/Pensamentos Das mazelas que o tempo impõe ao corpo 1 497 09/29/2016 - 16:19 Português
Poesia/Pensamentos Das mazelas que o tempo impõe ao pensamento 3 642 09/29/2016 - 16:17 Português
Poesia/Tristeza Sopa de poemas (e as ruas da cidade) 1 581 09/29/2016 - 16:14 Português
Poesia/Pensamentos Da dor e amor de escrever: um metapoema 1 785 09/29/2016 - 16:01 Português
Poesia/Soneto O tempo e o vento 1 710 09/29/2016 - 15:57 Português
Poesia/Pensamentos Árvore 1 575 09/29/2016 - 15:52 Português
Poesia/Fantasia Milagre 1 545 09/29/2016 - 15:49 Português
Poesia/Canção Mil torrentes V (A razão do viajante) 1 643 09/29/2016 - 15:45 Português
Poesia/Canção Mil torrentes IV (A fé dos nautas) 3 491 09/29/2016 - 15:41 Português