CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Mil torrentes V (A razão do viajante)

"Aqueles que querem viver de verdade
não podem esconder nem oprimir a vontade
de andar livres e soltos, sem pesos nem culpas,
mergulhando fundo num mundo às escuras!
O conhecimento de si e do mundo
nos dão um prazer revigorante e profundo!
As dores nos levam a reflexões sadias,
não matam: fortalecem-nos dia após dia!

Não fiquem parados esperando auxílio!
Libertem-se, saiam das prisões e asilos!
Transformem a servidão em liberdade!
Retirem as algemas: depois será tarde!
Os medos irracionais e as opressões
nos jogam em imaginários porões!
Os bons encontros e afetos concisos
nos lembram de que navegar é preciso!

Senhor de si mesmo, autor da própria história,
o homem sadio traça diversas rotas:
experimentando os diversos caminhos
afasta-se sempre de inférteis domínios.
Não perde tempo com vãos devaneios,
nem sonhos inúteis, nem meros anseios!
Nunca se deixa abater por missões
que buscam perpetuar superstições!

A razão do viajante é buscar novos ares,
sair de si mesmo, entrar em novos lares;
experimentar inéditas sensações,
vivenciar inesquecíveis emoções;
perder-se de si, esquecer de seu meio,
não saber aonde vai, nem lembrar de onde veio!
E mesmo sem sequer sair do lugar,
ir longe, tão longe quanto se pode pensar!

Ser fiel à si mesmo ininterruptamente
é ser livre de corpo, de alma e de mente!
Livrar-se das amarras de sua finitude
e lutar contra seu tempo: eis a virtude!
Coragem viajante! Explore este mundo
e todos os outros do universo profundo!
Lembre-se sempre: este mesmo universo
lhe é indiferente, nem bom, nem adverso!

A todo momento e em todo lugar,
nunca descanse sem antes lutar!
Coragem - para ensinar outros a ver;
humildade - para com outros sempre aprender!
Questione-se constantemente se aquela
é a melhor maneira de içar sua vela.
Espero que todos, mais cedo ou mais tarde,
não mais confundam servidão com liberdade!

E aqui compartilho a mais linda Mensagem
que, de uma Pessoa, ganhei, numa viagem;
encontrei Caeiro a guardar seus rebanhos
e nestas verdades mergulho e me banho:
'Tudo isto é falso, tudo isto não quer dizer nada.
É incrível que se possa pensar em cousas dessas.
É como pensar em razões e fins
Quando o começo da manhã está raiando, e pelos lados das árvores
Um vago ouro lustroso vai perdendo a escuridão.

Pensar no sentido íntimo das cousas
É acrescentado, como pensar na saúde
Ou levar um copo à água das fontes.

O único sentido íntimo das cousas
É elas não terem sentido íntimo nenhum.
Não acredito em Deus porque nunca o vi.
Se ele quisesse que eu acreditasse nele,
Sem dúvida que viria falar comigo
E entraria pela minha porta dentro
Dizendo-me, Aqui estou!

(Isto é talvez ridículo aos ouvidos
De quem, por não saber o que é olhar para as cousas,
Não compreende quem fala delas
Com o modo de falar que reparar para elas ensina.)

Mas se Deus é as flores e as árvores
E os montes e sol e o luar,
Então acredito nele,
Então acredito nele a toda a hora,
E a minha vida é toda uma oração e uma missa,
E uma comunhão com os olhos e pelos ouvidos.

Mas se Deus é as árvores e as flores
E os montes e o luar e o sol,
Para que lhe chamo eu Deus?
Chamo-lhe flores e árvores e montes e sol e luar;
Porque, se ele se fez, para eu o ver,
Sol e luar e flores e árvores e montes,
Se ele me aparece como sendo árvores e montes

E luar e sol e flores,
É que ele quer que eu o conheça
Como árvores e montes e flores e luar e sol.
E por isso eu obedeço-lhe,
(Que mais sei eu de Deus que Deus de si próprio?).
Obedeço-lhe a viver, espontaneamente,
Como quem abre os olhos e vê,
E chamo-lhe luar e sol e flores e árvores e montes,
E amo-o sem pensar nele,
E penso-o vendo e ouvindo,
E ando com ele a toda a hora.

Pensar em Deus é desobedecer a Deus,
Porque Deus quis que o não conhecêssemos,
Por isso se nos não mostrou...

Sejamos simples e calmos,
Como os regatos e as árvores,
E Deus amar-nos-á fazendo de nós
Belos como as árvores e os regatos,
E dar-nos-á verdor na sua primavera,
E um rio aonde ir ter quando acabemos...'"

Submited by

quinta-feira, setembro 22, 2016 - 14:40

Poesia :

Your rating: None (6 votes)

MaynardoAlves

imagem de MaynardoAlves
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 semanas 4 dias
Membro desde: 05/02/2010
Conteúdos:
Pontos: 597

Comentários

imagem de MaynardoAlves

Mil torrentes V (A razão do viajante)

Mais uma carta aberta aos companheiros viajantes, uma mensagem aos navegantes com o relato das conclusões a que o marinheiro solitário chegou depois de encontrar outro poeta com o qual compartilha muitas ideias.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MaynardoAlves

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Aforismo O vinhedo universal 1 480 02/06/2020 - 14:39 Português
Poesia/Meditação Metamorfose filosófica: bênção ou maldição? 1 491 12/03/2018 - 16:23 Português
Poesia/Intervenção Aos vivos que ficam ou Epitáfio II 1 589 10/09/2018 - 13:41 Português
Poesia/Geral Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 564 09/26/2018 - 01:17 Português
Poesia/Geral Revolucionário... revolucionário!? 1 537 09/25/2018 - 18:12 Português
Prosas/Outros Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 633 09/19/2018 - 20:13 Português
Poesia/Meditação O legado de um filósofo 1 499 09/17/2018 - 20:45 Português
Poesia/Intervenção Os novos mandamentos (ou melhor, conselhos) 1 710 08/29/2018 - 00:53 Português
Poesia/Fantasia O jardim de Epicuro 1 703 08/22/2018 - 17:14 Português
Poesia/Tristeza Em (des)construção 1 609 08/10/2018 - 15:46 Português
Poesia/Tristeza Máquina do tempo 1 646 08/08/2018 - 17:28 Português
Poesia/Tristeza Valores familiares 1 713 08/08/2018 - 17:21 Português
Poesia/Pensamentos Um lugar para chamar de seu 1 681 08/08/2018 - 17:14 Português
Poesia/Meditação Humilde-se! 1 669 05/21/2018 - 12:41 Português
Poesia/Tristeza Um inferno (para um poeta) 1 821 05/21/2018 - 12:34 Português
Prosas/Outros Onde? 2 624 03/08/2018 - 18:41 Português
Poesia/Comédia Meu amigo ócio 4 666 03/06/2018 - 16:20 Português
Poesia/Geral Promessas para uma vida nova 2 817 03/05/2018 - 21:09 Português
Poesia/Meditação Se Deus existisse... 4 727 03/05/2018 - 20:56 Português
Poesia/Intervenção Onde? 18 973 01/03/2018 - 19:28 Português
Poesia/Meditação Um instante infinito 1 771 11/17/2017 - 15:00 Português
Poesia/Desilusão Ainda no exílio (desde os dias de Gonçalves Dias) 1 751 11/08/2017 - 12:38 Português
Poesia/Canção Sem título (por luto) 1 732 10/27/2017 - 15:34 Português
Poesia/Geral Mensagem 1 773 03/27/2017 - 14:50 Português
Poesia/Aforismo O exagero de Sócrates 0 588 10/14/2016 - 20:50 Português