CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Morte

Tombado no chão
E esvaído das dores da vida,
Jorra, corre e abunda o sangue
Nas ondas belas do prenúncio da morte.

Vou nessas ondas tranquilas
Da magnificiência do mar revolto
Que é o fim da vida.
Estou esventrado no corpo,
Libertado na alma,
E livre deste sofrimento que é viver.

O coração abranda,
O compasso atrasa-se,
O momento aproxima-se.

A morte espera-me,
Lenta como deve ser
Para saborear o momento,
Sangrenta como mereço
Para intensificar o sofrimento.

Nestes instantes tão efémeros,
Saboreio o sabor da vida,
Aprecio as suas belas cores.
Escarlate da cor da paixão,
Vermelho vivo do amor ardente,
As cores do sangue do meu coração.

Por fim vivo porque deixo de existir.
Chegam as badaladas do fim da hora,
Desapareço no vazio infinito,
Morro agora.

Submited by

segunda-feira, abril 13, 2015 - 22:18

Poesia :

No votes yet

fláviopinheiro

imagem de fláviopinheiro
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 anos 42 semanas
Membro desde: 02/18/2015
Conteúdos:
Pontos: 35

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of fláviopinheiro

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Fogo Posto 0 708 04/26/2015 - 00:33 Português
Poesia/Tristeza Morte 0 723 04/13/2015 - 22:18 Português
Poesia/Intervenção Outrora 0 680 02/22/2015 - 17:02 Português
Poesia/Paixão Exposição 0 693 02/22/2015 - 16:59 Português
Poesia/Tristeza Ressaca 0 748 02/19/2015 - 02:23 Português
Poesia/Tristeza Quebra de Confiança 0 717 02/19/2015 - 02:12 Português
Poesia/Tristeza Escuridão 0 737 02/18/2015 - 21:25 Português