CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Não tenho pressa …

 

Não tenho presa nenhuma dúvida que seja,

Não tenho presa dúvida nenhuma a mim,
Absolutamente nenhuma à solta dentro
Do corpo, nas solas as mãos terminam
Onde começam os quatro sentidos d’outros,

Sinto definitivamente não ser ninguém
Neste mundo, demito o tornar-me nesse
Rei do vulgar e do vulgo tal e qual morto
Em lugar findo deste reino onde não reino

E sem dúvida não é meu, demito-me inda
Do peso de sentir por todos a lua que seja
E o mistério dos braços prenderem o corpo
À alma e das gotículas de geada os dedos,

Quadrados cotovelos e o coração absoluto
Zero (noves fora), prefiro as solas aos sapatos
Que alego serem meus e depressa, antes
Que dêem pla falta deles manhã cedo,

Antes do começo dos outros e meu eterno
Delito, término e gémeo falso do infinito,
Qualquer dúvida fica inteiramente entre
Mim e a fala e até que, do falar m’esqueça,

Não tenho pressa …

Jorge Santos(02/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

segunda-feira, março 5, 2018 - 18:54

Poesia :

Your rating: None (2 votes)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 dia 6 horas
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 11333

Comentários

imagem de Joel

E o mistério dos braços

E o mistério dos braços prenderem o corpo
À alma e das gotículas de geada os dedos,

Quadrados cotovelos e o coração absoluto
Zero

imagem de Joel

Não tenho pressa …

Não tenho pressa alguma

imagem de Joel

Qualquer dúvida falo com o meu cabelo

Qualquer dúvida fica inteiramente entre
Mim e a fala

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Aforismo escrever pressas 0 574 11/19/2010 - 18:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo não tarde 0 890 11/19/2010 - 18:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo fecha-me a sete chaves 0 715 11/19/2010 - 18:16 Português
Ministério da Poesia/Aforismo inventar 0 947 11/19/2010 - 18:16 Português
Ministério da Poesia/Dedicado professas 0 1.185 11/19/2010 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo amor sen'destino 0 1.291 11/19/2010 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo andorinhão 0 1.380 11/19/2010 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo sentir mais 0 893 11/19/2010 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo palabras 0 1.202 11/19/2010 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo A matilha 0 1.613 11/19/2010 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo ao fim e ao cabo 0 972 11/19/2010 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo o bosque encoberto 0 632 11/19/2010 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo nem teu rubor quero 0 925 11/19/2010 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo em nome d'Ele 0 1.045 11/19/2010 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Troia 0 1.210 11/19/2010 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo desabafo 0 1.212 11/19/2010 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Inquilino 0 716 11/19/2010 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Pietra 0 1.200 11/19/2010 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo não cesso 0 498 11/19/2010 - 18:13 Português