CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O fim é uma despedida sem adeus

Que me desculpem os interessados se os houver
Mas quando morrer, não vou dizer a ninguém
Não haverá carta de despedida nem obituário no jornal.
A morte cairá sobre mim e sobre a vida como camuflagem urbana
Um manto de rotina de todos os dias
Que cobrirá a totalidade da vossa imaginação
Será o meu sonho terminal, a minha piada final
Névoa branca que tolda a negra realidade das coisas
E terei então morrido sem morrer.

Vou viver desajeitado na morte como vivi na vida
No anonimato bivalve com que experimentei o mundo
E esta distância, este descompromisso de me mostrar
Será uma bênção e uma ausência de sentimento para todos.

Quando quiserem saber de mim e não me encontrarem
Irão pensar que estou vivo e será essa a vossa realidade
Pensarão que parti para algum lugar deserto
Alguma viagem de mochila que não cheguei a fazer
E que estou incontactável
Desinteressado de tudo como sempre me sentiram.

Ninguém vai saber
Que tudo o que vi no mundo, foi meu sem reservas
Tudo o que vivi na vida, fui eu sem limites
E que depois de morrer, serei eu em pensamento
E só será realmente o fim
Quando mais ninguém se lembrar que existi.

O fim é uma despedida sem adeus.

Submited by

segunda-feira, setembro 9, 2013 - 19:13

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

nunomarques

imagem de nunomarques
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 semanas 3 dias
Membro desde: 02/09/2010
Conteúdos:
Pontos: 1395

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of nunomarques

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Apontamentos inúteis aos dedos de uma mão só 0 164 10/13/2020 - 17:52 Português
Poesia/Geral Cada noite é um poço onde o dia vai matar a sede 0 90 09/29/2020 - 08:46 Português
Poesia/Geral Temporal 1 581 02/27/2018 - 10:17 Português
Poesia/Geral A coisa mais estúpida do mundo 1 979 02/27/2018 - 10:16 Português
Poesia/Geral Justificação racional 0 634 01/30/2015 - 11:36 Português
Poesia/Geral Esclarecimento 0 634 09/09/2014 - 11:23 Português
Poesia/Geral Poema e chuva 1 735 05/25/2014 - 03:17 Português
Poesia/Geral Debruçado sobre a janela 0 783 03/17/2014 - 09:47 Português
Poesia/Geral Strange 0 829 03/17/2014 - 09:44 Português
Poesia/Geral Viver é sair para a rua de manhã, aprender a amar e à noite voltar para casa. 0 824 01/30/2014 - 19:37 Português
Poesia/Geral Interior 0 692 09/15/2013 - 10:00 Português
Poesia/Geral Ilusório 0 778 09/13/2013 - 16:26 Português
Poesia/Geral O fim é uma despedida sem adeus 0 1.518 09/09/2013 - 19:13 Português
Poesia/Geral Momento 0 710 05/21/2013 - 15:38 Português
Poesia/Geral “La folie” 0 596 05/08/2013 - 13:44 Português
Poesia/Geral Á luz de uma lua de Saturno 0 641 04/16/2013 - 08:10 Português
Poesia/Geral Insónia 0 531 04/15/2013 - 10:25 Português
Poesia/Geral Caravelas azuis céu adentro por dois mil anos 4 1.024 05/23/2012 - 22:28 Português
Poesia/Geral Concordata - O desejo 2 1.021 05/14/2012 - 15:38 Português
Poesia/Tristeza Qualquer coisa sem propósito 3 938 04/20/2012 - 14:24 Português
Poesia/Geral Concordata - A cena 1 1.001 03/07/2012 - 08:47 Português
Poesia/Geral Concordata - A máscara 2 866 03/07/2012 - 08:43 Português
Poesia/Geral Os meus braços são estradas 3 849 02/25/2012 - 15:59 Português
Poesia/Geral Dança bailarina até ao fim da noite 5 931 02/19/2012 - 22:45 Português
Poesia/Geral A fria realidade dos poemas sem calor 0 897 12/19/2011 - 20:29 Português