CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

OS SONS DO TEMPO

Ouço cantos conhecidos
Anunciando a alvorada
Canta toda a passarada
Tratando dos meus ouvidos
Que sofrem de bombardeio
Com barulho torturante
Que faz o meu semelhante
Quando fala do alheio

Ouço a mãe carinhosa
Com a voz aveludada
Dizer à criança amada
Que ela é sua mimosa
Ouço o choro de crianças
Em berçários ou favelas
E as orações nas capelas
Alimentando esperanças

Ouço gemidos de doentes
Nos hospitais, acamados
E gritos alucinados
De descontroladas mentes
O concerto de um tenor
Com a sua voz potente
E os gritos de um inocente
Nas mãos de um estuprador

Ouço o pranto silencioso
De quem sofre escondido
E a consciência de um bandido
Após ato criminoso
Ouço o sino chamando
Para a igreja, os cristãos
E o barulho das mãos
Aplaudindo e esmurrando

Ouço alguém que canta um hino
A broca em dente cariado
E a voz de um advogado
Que defende um assassino
O estampido de uma bomba
No quadro o raspar do giz
E diante do juiz
A testemunha que zomba

Ouço o tiro da espingarda
Num indefeso animal
O relincho de um bagual
A impaciência do que aguarda
Ouço o baixo linguajar
De quem não usa o respeito
E o meu coração no peito
Que dispara por te amar

Ouço o apito de um trem
Numa estação fantasma
E a voz de quem se engasga
Quando se lembra de alguém
O estrondo de tambores
Bruxas dando gargalhadas
E o tinido das espadas
Num duelo de gladiadores

Ouço Gandhi ensinando
Não usar a violência
E quem perdeu a paciência
Seus direitos reclamando
Gritos de olê na Espanha
Para os toureiros cruéis
E o sermão lá na montanha
Do Senhor para os fiéis

Ouço ecos do passado
Que revivo na memória
Vibrações pela vitória
Lamentos de derrotados
Pais chamando por filhotes
Cantos do navio negreiro
Meus irmãos no cativeiro
E o sibilo dos chicotes

Ouço uma voz conhecida
Sussurrando em meu ouvido
Querendo dar um sentido
Para continuar a vida
Da qual é seu próprio algoz
Por si mesmo condenado
E descubro espantado
Que é a minha própria voz.

Sérgio da Silva Teixeira
BAGÉ/RS/BRASIL.

Submited by

sábado, abril 27, 2019 - 16:12

Poesia :

No votes yet

Sérgio Teixeira

imagem de Sérgio Teixeira
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 dias 2 horas
Membro desde: 01/24/2011
Conteúdos:
Pontos: 401

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Sérgio Teixeira

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Soneto FUNERAL 2 665 01/22/2018 - 23:37 Português
Poesia/Geral NATAL, FESTA COMERCIAL 1 504 12/23/2017 - 23:21 Português
Poesia/Soneto SONETO DO FIM DOS TEMPOS 0 512 12/06/2017 - 01:05 Português
Poesia/Geral UM ADEUS E... OBRIGADO 1 431 12/05/2017 - 16:27 Português
Poesia/Geral O CICLO DO TEMPO 0 525 11/02/2017 - 14:57 Português
Poesia/Geral A PRIMAVERA E O TEMPO 2 662 09/24/2017 - 16:06 Português
Poesia/Soneto RECURSOS DO HOMEM FEIO 2 1.371 03/17/2017 - 19:12 Português
Poesia/Geral OUTROS MUNDOS 0 468 03/07/2017 - 19:54 Português
Poesia/Geral O FIM DOS TEMPOS 2 472 02/27/2017 - 20:28 Português
Poesia/Soneto SONETO À TUA LUZ 2 385 02/16/2017 - 13:33 Português
Poesia/Amor TUA PRESENÇA 0 424 08/04/2014 - 21:41 Português
Anúncios/Outros - Vende-se LIVROS DE MINHA AUTORIA 0 916 03/26/2014 - 18:22 Português
Poesia/Geral LÁ ONDE MORO 0 348 04/12/2013 - 14:25 Português
Poesia/Amor VERSOS IGUAIS 2 467 08/12/2012 - 19:30 Português
Poesia/Desilusão A VIDA É BELA 2 528 08/11/2012 - 23:51 Português
Poesia/Dedicado MISS UNIVERSO DE ANGOLA 2 630 09/17/2011 - 21:39 Português
Poesia/Geral DESPEDIDA NA FRONTEIRA (VOYAGER 1) 0 610 08/08/2011 - 22:23 Português
Poesia/Comédia VULCÃO ISLANDÊS-O CACHIMBO DA PAZ 0 652 05/24/2011 - 16:10 Português
Poesia/Dedicado ETERNO VAZIO 3 640 05/07/2011 - 17:21 Português
Fotos/Rostos SÉRGIO TEIXEIRA 0 800 04/04/2011 - 13:22 Português
Poesia/Geral EXTERMÍNIO 2 580 03/26/2011 - 20:16 Português
Poesia/Geral O RIO GRANDE DO SUL E O MUNDO 5 592 03/04/2011 - 13:46 Português
Ministério da Poesia/Geral VANDALISMO EMPRESARIAL 0 796 01/26/2011 - 01:56 Português
Poesia/Geral SERES RACIONAIS 0 897 01/25/2011 - 03:05 Português