CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Poema para Luis de Camões (José Saramago)

Meu amigo, meu espanto, meu convívio,
Quem pudera dizer-te estas grandezas,
Que eu não falo do mar, e o céu é nada
Se nos olhos me cabe.
A terra basta onde o caminho pára,
Na figura do corpo está a escala do mundo.
Olho cansado as mãos, o meu trabalho,
 

E sei, se tanto um homem sabe,
As veredas mais fundas da palavra
E do espaço maior que, por trás dela,
São as terras da alma.
 

E também sei da luz e da memória,
Das correntes do sangue o desafio
Por cima da fronteira e da diferença.
E a ardência das pedras, a dura combustão
 

Dos corpos percutidos como sílex,
E as grutas do pavor, onde as sombras
De peixes irreais entram as portas
Da última razão, que se esconde
Sob a névoa confusa do discurso.
 

E depois o silêncio, e a gravidade
Das estátuas jazentes, repousando,
Não mortas, não geladas, devolvidas
À vida inesperada, descoberta,
E depois, verticais, as labaredas
Ateadas nas frontes como espadas,
 

E os corpos levantados, as mãos presas,
E o instante dos olhos que se fundem
Na lágrima comum. Assim o caos
Devagar se ordenou entre as estrelas.
Eram estas as grandezas que dizia
Ou diria o meu espanto, se dizê-las
Já não fosse este canto.

 

José Saramago, escritor e poeta luso.

Submited by

sexta-feira, janeiro 14, 2011 - 02:23

Poesia :

No votes yet

AjAraujo

imagem de AjAraujo
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 ano 12 semanas
Membro desde: 10/29/2009
Conteúdos:
Pontos: 15584

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of AjAraujo

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Intervenção Orfeu Rebelde (Miguel Torga) 0 2.107 02/22/2012 - 12:57 Português
Poesia/Meditação Os homens amam a guerra (Affonso Romano de Sant´Anna) 0 571 01/22/2012 - 12:13 Português
Poesia/Dedicado Eppur si muove [Não se pode calar um homem] (Affonso Romano de Sant´Anna) 0 1.372 01/22/2012 - 11:59 Português
Poesia/Intervenção O Leitor e a Poesia (Affonso Romano de Sant´Anna) 0 7.005 01/22/2012 - 11:48 Português
Poesia/Intervenção Um despertar (Octavio Paz) 0 890 01/22/2012 - 00:14 Português
Poesia/Aforismo Pedra Nativa (Octávio Paz) 0 1.222 01/22/2012 - 00:10 Português
Poesia/Intervenção Entre Partir e Ficar (Octávio Paz) 0 1.425 01/22/2012 - 00:05 Português
Poesia/Aforismo Fica o não dito por dito (Ferreira Gullar) 0 693 12/30/2011 - 08:19 Português
Poesia/Intervenção A propósito do nada (Ferreira Gullar) 0 1.481 12/30/2011 - 08:16 Português
Poesia/Intervenção Dentro (Ferreira Gullar) 0 787 12/30/2011 - 08:12 Português
Poesia/Pensamentos O que a vida quer da gente é Coragem (Guimarães Rosa) 2 1.864 12/26/2011 - 21:55 Português
Poesia/Dedicado Adeus, ano velho (Affonso Romano de Sant'Anna) 0 1.313 12/26/2011 - 12:17 Português
Poesia/Meditação Para que serve a vida? 0 1.305 12/11/2011 - 01:07 Português
Poesia/Dedicado Natal às Avessas 0 743 12/11/2011 - 01:03 Português
Poesia/Intervenção A voz de dentro 0 962 11/19/2011 - 00:14 Português
Poesia/Intervenção As partes de mim... 0 1.381 11/19/2011 - 00:00 Português
Poesia/Pensamentos Curta a Vida "curta" 0 1.638 11/13/2011 - 13:46 Português
Poesia/Intervenção Lobo solitário 0 1.134 11/13/2011 - 13:46 Português
Poesia/Pensamentos A solidão na multidão 0 1.330 11/13/2011 - 13:43 Português
Poesia/Pensamentos Não permita que ninguém decida por você... Seleção de Pensamentos I-XVI (Carlos Castañeda) 0 1.395 11/12/2011 - 12:55 Português
Poesia/Pensamentos Não me prendo a nada... (Carlos Castañeda) 0 940 11/12/2011 - 12:37 Português
Poesia/Pensamentos Um caminho é só... um caminho (Carlos Castañeda) 0 1.296 11/12/2011 - 12:35 Português
Poesia/Meditação Procura da Poesia (Carlos Drummond de Andrade) 0 813 11/01/2011 - 13:04 Português
Poesia/Intervenção Idade Madura (Carlos Drummond de Andrade) 0 1.362 11/01/2011 - 13:02 Português
Poesia/Meditação Nosso Tempo (Carlos Drummond de Andrade) 0 1.476 11/01/2011 - 13:00 Português