CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Uma luz branca

 

 

Se a vida é a sucessão
De dias e de noites
Que seja ela em progressão
Temporizada
Por um relógio de sol
Erguido no pátio interior
De um templo de contemplação.
Onde cada hora lhe comporte
A luz serena da razão
E que mais nítidas lhe torne
As turvas imagens da visão.

Este que aqui se apresenta aos caídos,
                           trás o sabor da terra na boca
                                  e a vontade do vento presa nos pés.

É este estágio supremo
Que suspende o tempo
Sem o parar
Onde se atinge o equilíbrio
Sem atentar
Ao que, de real
Uma mentira tem de verdade
Descoberta
Por uma encoberta realidade.

Este que aqui se apresenta aos caídos,
                    mata a sede nas poças de chuva
                            e a fome nas pedras das encostas, viradas ao mar.

Seja a vida esta progressão
Temporizada
De dias e de noites iguais
Até ao juízo final, onde a morte
É a sucessão, anteriormente
Anunciada.
E da vida então vivida
Que se proceda no fim, à mutação
Quando a alma abandona o corpo
E se dê a comunhão
Do ser e do tempo já expirado
Com o restante universo
À luz de uma luz sempre branca.

 

 

Nuno Marques
 

Submited by

segunda-feira, janeiro 3, 2011 - 14:29

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

nunomarques

imagem de nunomarques
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 anos 45 semanas
Membro desde: 02/09/2010
Conteúdos:
Pontos: 1390

Comentários

imagem de SuzeteBrainer

Uma luz branca/Nuno

Nuno,

Poema encantador, de uma beleza rara .A  tua sensibilidade profunda de grande poeta cristalizou-se na excelência desse poema.

Adorei!!

Beijo

smileySuzete.

,    

imagem de rainbowsky

A luz...

Olá amigo!

Uma luz sempre branca que não poderia ter outro fim senão a beleza deste poema.

 

Este que aqui se apresenta aos caídos,
mata a sede nas poças de chuva
e a fome nas pedras das encostas, viradas ao mar.

 

Mais um poema para juntar à galeria daqueles que merecem ser lidos, relidos e apreciados.

Um abraço

 

rainbowsky

imagem de Mefistus

Soberba

Soberba a contrução.

 

A quietude de uma meditação, afecta aos tempos que passa, num relógio errante e divagante na alma do poeta.

O inrtercalar do devaneio com a ansia de querer a bom porto chegar!

 

 

Gostei bastante!

imagem de Mefistus

Soberba

Soberba a contrução.

 

A quietude de uma meditação, afecta aos tempos que passa, num relógio errante e divagante na alma do poeta.

O inrtercalar do devaneio com a ansia de querer a bom porto chegar!

 

 

Gostei bastante!

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of nunomarques

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Temporal 1 469 02/27/2018 - 11:17 Português
Poesia/Geral A coisa mais estúpida do mundo 1 790 02/27/2018 - 11:16 Português
Poesia/Geral Justificação racional 0 496 01/30/2015 - 12:36 Português
Poesia/Geral Perspectiva 0 627 01/29/2015 - 11:20 Português
Poesia/Geral Esclarecimento 0 456 09/09/2014 - 12:23 Português
Poesia/Geral Poema e chuva 1 624 05/25/2014 - 04:17 Português
Poesia/Geral Debruçado sobre a janela 0 648 03/17/2014 - 10:47 Português
Poesia/Geral Strange 0 638 03/17/2014 - 10:44 Português
Poesia/Geral Viver é sair para a rua de manhã, aprender a amar e à noite voltar para casa. 0 716 01/30/2014 - 20:37 Português
Poesia/Geral Interior 0 570 09/15/2013 - 11:00 Português
Poesia/Geral Ilusório 0 625 09/13/2013 - 17:26 Português
Poesia/Geral O fim é uma despedida sem adeus 0 1.389 09/09/2013 - 20:13 Português
Poesia/Geral Momento 0 588 05/21/2013 - 16:38 Português
Poesia/Geral “La folie” 0 457 05/08/2013 - 14:44 Português
Poesia/Geral Á luz de uma lua de Saturno 0 492 04/16/2013 - 09:10 Português
Poesia/Geral Insónia 0 365 04/15/2013 - 11:25 Português
Poesia/Geral Caravelas azuis céu adentro por dois mil anos 4 903 05/23/2012 - 23:28 Português
Poesia/Geral Concordata - O desejo 2 916 05/14/2012 - 16:38 Português
Poesia/Tristeza Qualquer coisa sem propósito 3 809 04/20/2012 - 15:24 Português
Poesia/Geral Concordata - A cena 1 803 03/07/2012 - 09:47 Português
Poesia/Geral Concordata - A máscara 2 742 03/07/2012 - 09:43 Português
Poesia/Geral Os meus braços são estradas 3 718 02/25/2012 - 16:59 Português
Poesia/Geral Dança bailarina até ao fim da noite 5 790 02/19/2012 - 23:45 Português
Poesia/Geral A fria realidade dos poemas sem calor 0 775 12/19/2011 - 21:29 Português
Poesia/Geral Há fantasmas por todo o lado 1 1.011 12/04/2011 - 22:36 Português