CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Veredictos

Como assim
Não…não sabia o que querias.
Dói-me os ossos…
E mais…
Escova de mim a caspa do infortúnio que me deste ao desamor.
Meia-noite.
Estavas a tossir…
Ouvia-te aos quartos de hora coralina titubeante de tubérculo na língua…
Eu não disse nada.
Esqueço-te aos cacos vestida de cedro fanado por entre ironias de cancro.
Baloiça nas gordas jornalísticas o que não me és primeira página na cadeira monocórdica.
Roubo-te os dedos a gear estalactites, já nem te amo em palavra.
Que redunde desvastante por asilo de impostura o ressono protector que te pulha o tossir a pedir o meus cuidados.
Estás-me em cinza…
Sepulcrário rotineiro de ímpias dedicações adornadas de perfídia.
Como assim…
Não me sabias o gelo?
Eu fumo-te na cara os campos de batalha que quis para não morreres.
Ouviste-me os abandonos?
Comemoraste nas tuas preces os meus dias condenados a fumar horas sozinho.
Dói-me os ossos…
Deste ficar de pé a velar tua mão estendida para nunca dizer adeus.
Nos meus antros vazios há tamanhas solidões ao redor dos acusados onde só te encontro culpa...não me morras.
Não morras.
Prometo-te correrias nos verdes dignos da serra em respires de amor puro.
A verdade é que não tenho ninguém a quem sentir a falta ou raiva de me faltares.
Se morte fosse um corpo espancava-a até morrer.
Tenha perdões no meu espírito por te dar á inexistência minhas culpas em dor…
É tão difícil a ausência que não suporto a mágoa de viver sem teu amor.

Submited by

domingo, setembro 19, 2010 - 22:34

Poesia :

No votes yet

Lapis-Lazuli

imagem de Lapis-Lazuli
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 50 semanas
Membro desde: 01/12/2010
Conteúdos:
Pontos: 1178

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Lapis-Lazuli

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Aforismo Adeus 6 495 03/04/2010 - 14:01 Português
Poesia/Amor Mesmo que o amor morrer 7 309 03/03/2010 - 12:19 Português
Poesia/Intervenção Prémio Nobel 4 245 02/28/2010 - 21:55 Português
Poesia/Meditação Por todas as manhãs nascidas 2 441 02/28/2010 - 03:16 Português
Poesia/Meditação Rosa de Istambul 2 464 02/27/2010 - 04:22 Português
Poesia/Dedicado Até cair 2 405 02/25/2010 - 03:18 Português
Poesia/Intervenção Cravado de fogo 2 586 02/25/2010 - 03:15 Português
Poesia/Aforismo Afinidades 3 516 02/23/2010 - 21:43 Português
Poesia/Geral Tens um granda par de mamas 6 925 02/23/2010 - 20:39 Português
Poesia/Aforismo O principio do esquecimento 2 527 02/23/2010 - 14:32 Português
Poesia/Intervenção Para no fim desembocar num sopro 3 382 02/21/2010 - 19:04 Português
Poesia/Intervenção Partitura perpétua 1 255 02/21/2010 - 02:36 Português
Poesia/Amor O outro lado do mundo 2 651 02/18/2010 - 02:52 Português
Poesia/Aforismo Sombras chinesas 2 767 02/17/2010 - 20:03 Português
Poesia/Intervenção "Memória das minhas putas tristes" 3 746 02/15/2010 - 12:23 Português
Poesia/Geral De crua voz 5 564 02/15/2010 - 03:15 Português
Poesia/Dedicado Aquele abraço 4 509 02/14/2010 - 01:51 Português
Poesia/Dedicado Das tuas lágrimas me fiz rio 4 326 02/12/2010 - 22:57 Português
Poesia/Aforismo O cancro que tinha um homem 3 675 02/12/2010 - 04:34 Português
Poesia/Intervenção Amor assassino 3 369 02/12/2010 - 01:07 Português
Poesia/Paixão Missa de corpo presente 2 768 02/11/2010 - 03:45 Português
Poesia/Dedicado Vagas moribundas 3 450 02/09/2010 - 18:32 Português
Poesia/Amor Independência 1 232 02/08/2010 - 03:07 Português
Poesia/Geral Corrente alterna 3 409 02/08/2010 - 00:30 Português
Poesia/Amor Se voltares 4 338 02/07/2010 - 19:18 Português