CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

CARGA PESADA

Feriado prolongado, graças a Deus vamos sair da rotina.
É muito bom ter parentes no interior.
Comidinha caipira no fogão de lenha, água pura da colina, e verdura fresquinha da horta. Dois dias sem pensar em cheques, e sem ser obrigado a comprar aquele pão horrível da padaria, que murcha e vira borracha depois de duas horas. Adeus despertador. Adeus telefone, adeus televisão. Adeus whatsapp...
Enfim, olhei pelo retrovisor e vi Guarulhos ficando para trás. Rodamos alguns poucos quilômetros e já respirávamos o ar puro da Mata Fria, quanto alguém gritou no meu ouvido:
- Para! Para!
Parei. Parei, meio surdo e hipnotizado pelo grito. Pressionei o freio e joguei o carro para o acostamento. 
- Que foi, tá com enjoo? Alguém passando mal?
- Não. Presta mais atenção. Olha p’ra frente. Tá tudo parado. Você fica vendo montanhas e não vê o caminhão.
- Nossa! Com certeza, era aquilo o que chamam de carga pesada.

Voltei para a estrada. O trânsito era lento nos dois sentidos. Depois de muito tempo nos aproximamos do local do acidente. O que impedia o tráfego não era o fortuito e sim a curiosidade. Nenhum ferido naquela situação hilária. Um caminhão, que provavelmente estava rodando com a carga mal colocada, numa subida, deslizou o conteúdo para o final da carroceria despejando metade dos engradados no asfalto e ficando com a cabina suspensa no ar.

Quase dotas as galinhas tinham escapado e cacarejavam pastando no acostamento, ou cruzavam tranquilamente a rodovia se embrenhando no mato. O motorista cansado de esperar socorro, parecia alheio àquela situação, e do alto da sua cabine, olhava com indiferença seus curiosos espectadores, enquanto chupava uma manga de fiapo.

Mas, o que mais me chamou a atenção foi a eficiência no atendimento aos usuários das estradas. Não me refiro a polícia rodoviária. Não sei como e nem de onde vieram, porque não havia nenhum vilarejo, nem casa por perto. Mas eu vi dois garotos com aquelas caixas de isopor e numa delas estava escrito com pincel atômico: água mineral, suco, refrigerante e “delivery”. Perguntei quanto custava o “delivery” e ele me respondeu muito sério que, só o pai dele sabia.

Será que é para esse benefício que eu pago pedágio?  Continuamos a viagem e como sempre quem não dirige, dorme. E eu acordado fui pensando: porque aquela carga caiu?

Provavelmente foi mal colocada. E a nossa carga? Já pensou se ela também caísse e tivéssemos que ficar desesperançados com a boca amarela, chupando manga? Aquele nosso passeio, aquele fim de semana era na verdade para nos livrarmos do estresse, e esquecermos o peso da nossa carga. Será essa a forma correta de nos aliviarmos do nosso jugo? O sorriso, a esperança, o alivio, a salvação por acaso está no fim de semana no campo ou na praia?

Será que há muito peso em nossos ombros, tal que não possamos suportar? "Vinde a mim, todos os que andais em sofrimento e vos achais sobrecarregados, e Eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e achareis descanso para as vossas almas. Porque meu jugo é suave e o meu fardo é leve" (Mateus 11, 28 a 30).

Vamos até ele, pois ele é o fim de semana que pode durar para sempre. Ele é o ar puro, que precisamos respirar todos os dias. Ele é a verdadeira água saldável da montanha. Só nele poderemos ser aliviados, porque Ele já colocou sobre os próprios ombros a nossa carga. É nele que depositaremos todos os nossos problemas, o cheque e aquele pão borracha difícil de engolir. Ele é alivio para todas as dores. Para ir até Ele não precisamos encher nosso porta malas, podemos ir de mãos vazias e Ele nos tornará plenos e suficientes. Vá até Ele apenas com a humildade e com o coração.

Submited by

quarta-feira, maio 4, 2016 - 18:16

Prosas :

No votes yet

J. Thamiel

imagem de J. Thamiel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 horas 17 minutos
Membro desde: 05/02/2016
Conteúdos:
Pontos: 3121

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of J. Thamiel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Paixão TER NA MENTE 0 74 07/29/2020 - 00:18 Português
Poesia/Geral ORGULHO DAY 0 106 07/26/2020 - 11:35 Português
Poesia/Geral UM HERMOSO SUEÑO 0 63 07/25/2020 - 14:03 Espanhol
Poesia/Geral UN HERMOSO SUEÑO 0 82 07/25/2020 - 14:00 Português
Poesia/Geral UM LINDO SONHO 0 216 07/10/2020 - 17:10 Português
Poesia/Geral 0 0 07/10/2020 - 17:09 Português
Poesia/Geral 0 0 07/10/2020 - 17:08 Português
Poesia/Geral GRANDEZA ETERNA 0 216 06/28/2020 - 15:59 Português
Poesia/Geral Dor 0 260 06/21/2020 - 17:34 Português
Poesia/Geral DÍAS DE HOY 0 87 06/15/2020 - 21:09 Espanhol
Poesia/Geral DIAS DE HOJE 0 649 06/11/2020 - 20:29 Português
Poesia/Desilusão ILUSÃO 2 504 06/02/2020 - 21:29 Português
Poesia/Comédia Ditos não ditos 2 409 05/24/2020 - 15:53 Português
Poesia/Geral ISOLAMENTO EM MIM 0 380 05/03/2020 - 13:05 Português
Poesia/Meditação UM TAL DE JESUS 0 500 04/24/2020 - 23:22 Português
Poesia/Geral SEM POEMA HOJE 2 389 04/20/2020 - 00:23 Português
Poesia/Soneto VITÓRIA 2 644 04/19/2020 - 13:34 Português
Poesia/Geral SONHOS SÃO ETERNOS 1 322 04/09/2020 - 02:19 Português
Poesia/Geral 0 0 04/09/2020 - 02:15 Português
Poesia/Geral 0 0 04/09/2020 - 02:14 Português
Poesia/Desilusão Longa Espera 0 448 04/04/2020 - 15:19 Português
Poesia/Fantasia ÊXTASE 0 447 03/23/2020 - 16:58 Português
Poesia/Geral A TI SENHOR, TE PEÇO 0 214 03/22/2020 - 20:18 Português
Poesia/Geral Caros poetas 0 404 03/21/2020 - 23:29 Português
Poesia/Desilusão AS RUÍNAS DA CAPELINHA 0 456 03/20/2020 - 18:54 Português