CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Conto infantil - A bruxa e o lobo

A bruxa e o lobo
Era uma vez, uma bela floresta com arvores densas, clareiras grandes e muitas cavernas escondidas nas cachoeiras. Existia um rio cheio de peixes dourados, alguns vermelhos e na sua margem, brincavam as pequeninas borboletas, com as minúsculas fadas. A floresta era calma, poucos passavam nela a não ser os caçadores.
Tinha uma subida cheia de escadarias naturais com muitas plantas verdes e alguma que faziam escorregar e no final da subida , dentro de uma caverna escondida, vivia uma bruxa muito velhinha, já muito corcovada, vestia longas saias pretas e uma blusa de seda velha já sem cor. Era a benzedeira, que fugiu da aldeia onde todos faziam das suas, contra ela.Cansada pelos maus tratos ela resolveu ir embora para a floresta.
Era bruxa Anastácia, ela cuidava dos animais feridos, curava os passarinhos, refazia os seus ninhos quando eram atacados, era uma bruxa boa e amiga de ajudar os desprotegidos.
Constou-se noutra floresta que existia uma bruxa boa e que ajudava os animais, que vivia sozinha e um lobo que era matreiro, logo ficou com água na boca, com tamanho petisco que ela deveria ser e depois de morta, seria melhor ainda poderia atacar os animais e os comer.
Era um lobo feio e com o rabo comprido, de pelo castanho e preto, velho e mal cheiroso, caminhou pela floresta e com a sua mente maldosa lá se pós a matutar como apanhar o raio da velha que certamente não seria fácil.
Logo ele se cruzou com a velhinha, fazendo de doente e cansado, estendido no chão de língua fora da boca, arquejando muito e com seus olhos saindo das órbitas.
Paciente e bondosa, a bruxinha Anastácia, falou:
- Calma meu filho, tens sede eu vou dar-te de beber, não fujas daí que eu não te faço mal.
O lobo matreiro, esperando pelo seu tão desejado almoço, deixou-se estar ali quieto e fingindo de doente, logo, logo encheria o bucho.
Os animais da floresta estavam em algazarra e sabiam o que o lobo foi fazer a floresta, comer a sua protetora, como é que a podiam ajudar??
Reuniram todos numa clareira, uns davam umas idéias e outros estavam duvidosos pelo tamanho do lobo, afinal era temido pelos animais.
A senhor Texugo, falou :
- Calmos amigos, então vamos a pensar o que nós fazemos de melhor?
Uns e outros gritavam, eu sei fazer isto e não tenho medo…
O senhor Ouriço convocou os ouriços da floresta, os texugos também convocaram as doninhas fedorentas, a águia foi convocada, os corvos, as corujas e os gaviões e os passarinhos também.
A dona raposa também resolveu ajudar, pois a dona Anastácia já a tinha curado numa pata que ficou presa numa armadilha na floresta.
De repente escutava um barulho estranho, que nem bruxa Anastácia sabia descrever e preocupada correu para a beira do lobo para que ele bebesse água.
O matreiro bebeu, fazendo-se meio morto e de repente, ele pula para cima da bruxa, mas qual é o seu espanto que é atacado por todos os lados. Cheio de espinhos, foi debicado ao limite e o pior de tudo o cheio horrível que ficou no seu corpo.
Não podia mais com os inimigos, quis foi fugir dali para fora, e correu até nunca mais ninguém o ver.
Todos desataram as gargalhadas e estavam divertidos com a situação.
Estavam todos felizes e rodeavam a bruxinha boa que sempre cuidava deles.
Ela feliz agradeceu a todos eles que os conhecia pelos nomes a todos.

Moral da história:

Quando a gula é maior que o estomago, sempre se fica a perder…
 

Submited by

segunda-feira, fevereiro 28, 2011 - 12:40

Prosas :

No votes yet

betimartins

imagem de betimartins
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 anos 14 semanas
Membro desde: 09/09/2010
Conteúdos:
Pontos: 439

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of betimartins

Tópico Título Respostasícone de ordenação Views Last Post Língua
Poesia/Pensamentos Diário da minha vida – Parte um 0 656 01/29/2011 - 13:58 Português
Poesia/Meditação A coruja na minha janela. 0 638 01/29/2011 - 14:12 Português
Poesia/Pensamentos A coruja na minha janela. 0 657 01/31/2011 - 12:14 Português
Poesia/Meditação A árvore da vida 0 775 01/31/2011 - 12:53 Português
Poesia/Amor Neste rio que e só teu... 0 402 02/28/2011 - 11:36 Português
Poesia/Amor Pintei a minha alma de multicores 0 463 02/28/2011 - 11:39 Português
Poesia/Amor Deixei o coração falar de amor 0 444 02/28/2011 - 11:41 Português
Prosas/Contos Um grande amor de um cavaleiro templário 0 673 02/28/2011 - 11:42 Português
Poesia/Amizade O amigo 0 629 02/28/2011 - 11:43 Português
Prosas/Contos A menina Clarissa e o poeta 0 614 02/28/2011 - 11:45 Português
Poesia/Amor As minhas mãos tão velhas... 0 349 02/28/2011 - 11:53 Português
Poesia/Meditação A loja da poetisa 0 391 02/28/2011 - 11:54 Português
Poesia/Amor Eu canto ao amor… 0 380 02/28/2011 - 11:55 Português
Poesia/Amizade Momentos de amor 0 230 02/28/2011 - 11:58 Português
Poesia/Amizade No meu horizonte... 0 337 02/28/2011 - 12:00 Português
Poesia/Amor No silencio da noite 0 431 02/28/2011 - 12:01 Português
Poesia/Meditação O Real Valor da Vida 0 328 02/28/2011 - 12:03 Português
Poesia/Meditação Outono da vida… 0 430 02/28/2011 - 12:05 Português
Poesia/Meditação RESPIRANDO NA POESIA 0 302 02/28/2011 - 12:06 Português
Poesia/Tristeza Serei eu? 0 388 02/28/2011 - 12:09 Português
Poesia/Amor Sou amadora de sonhos 0 337 02/28/2011 - 12:11 Português
Poesia/Meditação A dança dos cisnes 0 358 02/28/2011 - 12:12 Português
Poesia/Amor Dedico este amor a ti 0 308 02/28/2011 - 12:13 Português
Poesia/Amor Neste rio que é só teu... 0 460 02/28/2011 - 12:15 Português
Poesia/Amor Para o meu cavaleiro ferido em sua alma 0 485 02/28/2011 - 12:16 Português