CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Crónica incompleta: A linha do Douro

Embarquei nesta pequena viagem de mochila branca, pequena mas pesada, apoiada nas minhas costas, numa tarde enublada.

À medida que a carruagem avançava em direcção ao destino predefinido, o ferro velho dos dois trilhos teimavam fundir-se num só, lá longe.

Pedras e mais pedras, de tons acastanhados e vários tamanhos passavam por baixo dos meus pés sem que lhes sentisse as formas, é que eu viajava, sentada, em cima de duas linhas paralelas em direcção ao Pinhão.

Nas margens deste passeio as árvores corriam ao meu lado vestindo-me das sombras, e quanto maior era a velocidade a que o comboio se movia, maior era a minha saudade de casa. Só ia estar fora dois dias, mas não há nada como o conforto do nosso lar, e eu ia para um que não me pertencia.

Os barulhos do vento entoavam uma música constante e ritmada, sentia-me embalada, bocejando o meu cansaço.

Vi de tudo; até os pássaros; apesar das nuvens cinzentas que cobriam a tarde. Vi também os agricultores a acariciarem as suas hortas com as enxadas ruidosas que se confundiam com o som metálico do comboio a percorrer a distância prometida.

No banco corrido onde me deleitava, havia lugar para mais duas pessoas, mas apenas a minha mochila e o meu casaco me faziam companhia, antecipando o frio que sentiria ao cair da noite.

Levantei os olhos do papel por uns momentos e fui assaltada pela imagem de um homem de semblante triste, na casa dos cinquenta, apoiado num par de muletas gastas. Faltava-lhe uma perna! A cabeça ia apoiada numa das mãos enquanto a outra repousava, rendida, na armação de alumínio necessária há sua condição.

Distraí-me com a paisagem em tons de verde e amarelo, pois o Outono já dera ares da sua graça por esses lados. O rio Douro seguia o mesmo trajecto transmitindo-me a calma e o desejo de nunca chegar ao término da linha.

Se me quisesse afogar não conseguiria, os peixes levar-me-iam em ombros até uma praia próxima, pois eles sabem que ninguém deve morrer no centro de tão bela vista, rodeada de socalcos criteriosamente recortados.

Cheguei.

Aqui, no Douro, o céu está sempre mais limpo, mesmo depois da hora tardia, as estrelas reluzem e há luz mesmo no escuro da noite.

Submited by

domingo, setembro 27, 2009 - 13:43

Prosas :

No votes yet

MartaBaptista

imagem de MartaBaptista
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 20 semanas
Membro desde: 07/05/2009
Conteúdos:
Pontos: 219

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MartaBaptista

Tópico Títuloícone de ordenação Respostas Views Last Post Língua
Fotos/ - 1411 0 1.133 11/24/2010 - 00:39 Português
Videos/Perfil 590 0 597 11/24/2010 - 22:52 Português
Videos/Perfil 591 0 604 11/24/2010 - 22:52 Português
Poesia/Geral A direcção do rio 5 356 03/14/2010 - 16:30 Português
Poesia/Geral A eternidade do tempo 7 484 10/24/2009 - 21:25 Português
Poesia/Geral A resposta 4 332 10/26/2009 - 00:50 Português
Poesia/Geral A última viagem 3 475 10/16/2009 - 01:25 Português
Poesia/Geral Ainda perto do Farol 2 329 10/15/2009 - 17:43 Português
Poesia/Geral Amor defraudado 3 297 08/02/2009 - 14:01 Português
Poesia/Geral As pedras 7 487 11/05/2009 - 22:08 Português
Poesia/Geral Atenta 4 509 11/07/2009 - 20:50 Português
Prosas/Outros Crónica incompleta: A linha do Douro 0 452 11/18/2010 - 23:51 Português
Poesia/Geral Curiosidade 5 205 09/25/2009 - 11:49 Português
Poesia/Dedicado Dedicatória " O dessasombro" 7 578 10/18/2009 - 23:09 Português
Poesia/Geral Depois do Delta 2 203 08/19/2009 - 23:08 Português
Poesia/Geral Desarma-te! 2 284 09/24/2009 - 23:23 Português
Poesia/Geral Dúvida na certeza 4 255 09/24/2009 - 23:27 Português
Poesia/Geral És estátua 11 397 10/30/2009 - 23:25 Português
Poesia/Geral Eu estou aqui! 3 377 03/18/2010 - 19:12 Português
Poesia/Geral Eu sou feita também dos pássaros 5 478 03/18/2010 - 19:32 Português
Poesia/Geral Hoje podia contar-te um segredo 8 391 10/16/2009 - 23:30 Português
Poesia/Geral Não 2 271 07/31/2009 - 19:04 Português
Poesia/Geral Não me culpes 3 456 10/15/2009 - 02:37 Português
Poesia/Geral O farol 3 400 03/09/2010 - 02:42 Português
Poesia/Geral O meu maestro 9 434 10/25/2009 - 16:52 Português