CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

síndrome

A velocidade dos meus pensamentos, ou raciocínios, como bem vos aprouver considerar, constituindo a materialização diáfana da minha existência através da consciência, encontra-se, infelizmente, numa dimensão muito para além daquela outra em que dou corpo cá fora, no imenso contraste de espaço e luz definido que me envolve. A velocidade a que as ideias me surgem, singelas ou não, corrompidas, ou mesmo estúpidas, têm um corpo que muito dificilmente é clonado em palavras, nesse canal de comunicação com o exterior; elas sabem-me sempre informes e sem brilho.
Não raras vezes, apresento-me aos olhos de outros com um defeito, já reconhecido por mim, que classificaria – sem qualquer laivo de imodéstia – de o “síndrome do jogador de xadrez”. Involuntariamente, vejo-me a levantar a casca da cebola, camada a camada, resultando na assumpção final, frustrantemente criticada de hermética e descontextualizada. Clara de compreensão para mim e frugal, pela minha falta de paciência, e acima de tudo, pela sensação pesada do tempo que me falta, confundo o possível diálogo com um tabuleiro de xadrez: “dentro de cinco jogadas darei xeque-mate”. O enfado que me assalta é tal, que me esvazio de subir, passada a passada, cada um dos degraus. O tempo não existe; não há princípio nem fim; não há um estado último e findo das coisas; (…).
Para meu desgosto, Voltaire diria que se trata de metafísica.

Submited by

domingo, maio 16, 2010 - 14:50

Prosas :

No votes yet

Jorgelupus

imagem de Jorgelupus
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 7 anos 31 semanas
Membro desde: 03/20/2010
Conteúdos:
Pontos: 174

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Jorgelupus

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza O abraço 5 173 03/28/2010 - 14:24 Português
Poesia/Tristeza Vale das Sombras 3 127 03/28/2010 - 14:30 Português
Poesia/Tristeza Respiro inerte 2 194 03/28/2010 - 17:12 Português
Poesia/Tristeza Eterna despedida 1 174 03/29/2010 - 16:51 Português
Poesia/Tristeza Luz escura 1 179 03/30/2010 - 16:21 Português
Poesia/Tristeza O Portão 2 132 04/01/2010 - 17:20 Português
Poesia/Tristeza Tríptico 1 187 04/01/2010 - 18:14 Português
Poesia/Tristeza Pedras Vivas 1 388 04/05/2010 - 17:55 Português
Poesia/Tristeza A cegueira do crocodilo 2 239 04/06/2010 - 16:32 Português
Poesia/Tristeza Sombras moribundas 2 172 04/06/2010 - 16:46 Português
Poesia/Tristeza Actor de ti mesmo 2 235 04/12/2010 - 20:55 Português
Poesia/Tristeza Vómitos de veneno 1 145 04/14/2010 - 21:20 Português
Poesia/Tristeza Alma em Terra 2 230 04/22/2010 - 22:13 Português
Poesia/Tristeza Crença cega 2 378 04/23/2010 - 15:58 Português
Poesia/Tristeza O Sopro do Cadáver Sentado 2 498 04/25/2010 - 19:57 Português
Prosas/Lembranças O Porto é assim 1 220 05/10/2010 - 19:32 Português
Prosas/Tristeza A fé 1 293 05/30/2010 - 03:11 Português
Prosas/Tristeza Portugal era um império... 1 315 06/12/2010 - 20:30 Português
Poesia/Tristeza Vale das Sombras 0 247 11/18/2010 - 14:55 Português
Poesia/Tristeza Árvores suspensas 0 377 11/18/2010 - 15:01 Português
Poesia/Tristeza Árvore sentida 0 295 11/18/2010 - 15:02 Português
Prosas/Pensamentos O monstro 0 364 11/18/2010 - 23:03 Português
Prosas/Saudade mágoa 0 318 11/18/2010 - 23:05 Português
Prosas/Tristeza síndrome 0 308 11/18/2010 - 23:05 Português
Prosas/Mistério Arrábida 0 343 11/18/2010 - 23:08 Português