CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Um Adeus em Naif

Siga o teu rumo. Compreendo a tua ânsia de seguir as cores e os sons desse outro caminho. Que a outra pessoa que agora caminha consigo a faça feliz. Que lhe dê a paz que eu nos pretendi e a ventura que eu nos quis.

Não guardo mágoas. Apenas uma tristeza imensa ocupa o meu peito. Apenas a tristeza de ver descolorir as tulipas que compramos para que tu colocasses no vaso de Sara.

Talvez eu devesse fingir indiferença. Que pouco me importasse a tua nova vida. Mas a quem eu estaria enganando?

Aqueles que me rodeiam demonstram esperar que eu tenha “um gesto de homem”, como se ao gênero o sofrimento fosse proibido. Demonstram sórdida impaciência enquanto esperam que eu tenha “dignidade”, como se amar fosse indigno. Como se fosse vexatório ter alimentado a esperança de não ser só. Como se fosse lamentável o desejo de cuidar de alguém. De ser cuidado por alguém.

Que esperem...

Nada temas. Apenas por essa carta é que nos comunicaremos pela última vez. Ou melhor, pela penúltima, pois a derradeira se dará em alguns dias quando o menino for levar as tuas coisas que aqui ficaram. Tentei organizá-las, mas não consegui tocá-las.

Peço-te que aguarde alguns dias, pois eu percebo nos olhos dele a dor de ter perdido a única mãe que assim pôde ser chamada. A dor de ver que se desfez a casa que ele imaginou poder chamar de lar. Por favor, tenha só um pouco de paciência, pois eu temo que te ver agora acrescente-lhe mais sofrimento ainda.

Espero e peço a Deus, que com o passar dos dias o seu sofrimento possa diminuir e ele enfrente a separação com a força que tiraremos nem sei de onde.

Siga em paz. Seremos sempre gratos pelos momentos que tu nos destes. Conserve a paz no coração e faça com a tua nova família um lar abençoado com a felicidade dos justos.

Não mais te procuraremos, pois o sonho que sonhamos já foi sonhado e agora só nos resta aguardar que outra luz ilumine essa tenebrosa escuridão em que o nosso Mundo foi mergulhado.

Adeus.

Submited by

sexta-feira, fevereiro 15, 2013 - 21:54

Prosas :

No votes yet

fabiovillela

imagem de fabiovillela
Offline
Título: Moderador Poesia
Última vez online: há 2 anos 37 semanas
Membro desde: 05/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 6158

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of fabiovillela

Tópico Título Respostasícone de ordenação Views Last Post Língua
Prosas/Outros Arne NAESS - Filósofos Modernos e Contemporâneos 0 1.474 06/27/2012 - 12:32 Português
Poesia/Fantasia Rex Tirano Candidato 0 1.087 09/18/2010 - 23:40 Português
Prosas/Outros Filosofia Moderna e Contemporânea - ORTEGA y GASSET, José - o Livre-Arbítrio - Eu sou eu e as minhas circunstâncias. 0 1.422 05/22/2012 - 23:25 Português
Poesia/Amor Laços e Fitas 0 825 05/16/2013 - 20:28 Português
Poesia/Geral 21 de Brasil 0 650 04/21/2013 - 16:14 Português
Poesia/Dedicado Lusos Poetas 0 1.107 11/17/2010 - 23:42 Português
Poesia/Geral Por quem 0 1.522 11/17/2010 - 23:42 Português
Poesia/Amor Ceia 0 1.404 11/17/2010 - 23:43 Português
Poesia/Geral Escritas 0 1.090 11/17/2010 - 23:46 Português
Poesia/Soneto Soneto Leve 0 1.808 11/17/2010 - 23:46 Português
Poesia/Amor Brilho 0 1.901 11/17/2010 - 23:46 Português
Poesia/Amor O Tarô e o Amor 0 564 11/17/2010 - 23:46 Português
Poesia/Geral Que 0 2.401 07/23/2009 - 21:35 Português
Poesia/Tristeza Febre 0 1.850 11/17/2010 - 23:50 Português
Poesia/Geral Faça-se 0 1.195 11/17/2010 - 23:50 Português
Poesia/Geral Canário 0 685 11/17/2010 - 23:50 Português
Poesia/Geral Indigências 0 1.046 11/17/2010 - 23:51 Português
Poesia/Tristeza Hotéis 0 1.157 11/17/2010 - 23:53 Português
Poesia/Aforismo Cultivar 0 943 11/17/2010 - 23:54 Português
Poesia/Tristeza Morfina 0 1.128 11/17/2010 - 23:54 Português
Poesia/Amor Corpos 0 786 08/27/2009 - 05:15 Português
Poesia/Geral Intervalo e Avenida 0 606 05/30/2013 - 16:56 Português
Poesia/Geral O Sol e a Sereia 0 1.232 11/17/2010 - 23:54 Português
Poesia/Geral Cultura de Almanaque 0 1.152 11/17/2010 - 23:58 Português
Prosas/Outros Schopenhauer e o Idealismo Alemão - O Suicidio - Parte VIII 0 898 06/30/2014 - 21:53 Português