CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A Estrada e o Violeiro (Sidney Miller & Nara Leão)

Sou violeiro caminhando só,
por uma estrada caminhando só

Sou uma estrada procurando só
levar o povo pra cidade só

Parece um cordão sem ponta,
pelo chão desenrolado
Rasgando tudo que encontra,
a terra de lado a lado

Estrada de Sul a Norte,
eu que passo, penso e peço
Notícias de toda sorte,
de dias que eu não alcanço
De noites que eu desconheço,
de amor, de vida e de morte

Eu que já corri o mundo
cavalgando a terra nua
Tenho o peito mais profundo
e a visão maior que a sua

Muita coisa tenho visto
nos lugares onde eu passo
Mas cantando agora insisto
neste aviso que ora faço
Não existe um só compasso
pra contar o que eu assisto

Trago comigo uma viola só,
para dizer uma palavra só
Para cantar o meu caminho só,
porque sozinho vou à pé e pó

Guarde sempre na lembrança
que esta estrada não é sua
Sua vista pouco alcança,
mas a terra continua

Segue em frente, violeiro,
que eu lhe dou a garantia
De que alguém passou primeiro
na procura da alegria
Pois quem anda noite e dia
sempre encontra um companheiro

Minha estrada, meu caminho,
me responda de repente
Se eu aqui não vou sozinho,
quem vai lá na minha frente?

Tanta gente, tão ligeira,
que eu até perdi a conta
Mas lhe afirmo, violeiro,
fora a dor que a dor não conta
Fora a morte quando encontra,
vai na frente um povo inteiro

Sou uma estrada procurando só
levar o povo pra cidade só
Se meu destino é ter um rumo só,
choro em meu pranto é pau, é pedra, é pó

Se esse rumo assim foi feito,
sem aprumo e sem destino
Saio fora desse leito, desafio e desafino
Mudo a sorte do meu canto,
mudo o Norte dessa estrada

Em meu povo não há santo,
não há força, não há forte
Não há morte, não há nada
que me faça sofrer tanto

Vai, violeiro, me leva pra outro lugar
Eu também quero um dia poder levar
Toda gente que virá
Caminhando, procurando
Na certeza de encontrar.


Sidney Miller, grande músico e compositor brasileiro (1945-1980), morreu precocemente de forma trágica, deixando uma bela obra. Participou de diversos festivais de música naquela década, classificando algumas canções e obtendo prêmio de melhor letra em 1967, no festival da Record, com "A Estrada e o Violeiro", com esta música que foi interpretada pela inesquecível Nara Leão e pelo próprio. Quando morreu, trabalhava na Funarte RJ, no departamento de projetos especiais. A sala em que trabalhava ganhou o seu nome.

Esta é uma das canções que mais marcou os meus tempos de estudante.

Veja este vídeo no Youtube, da célebre apresentação em dueto no Festival de Música da Record.

Submited by

segunda-feira, dezembro 27, 2010 - 17:04

Videos :

No votes yet

AjAraujo

imagem de AjAraujo
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 ano 4 semanas
Membro desde: 10/29/2009
Conteúdos:
Pontos: 15585

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of AjAraujo

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Dedicado Auto de Natal 2 769 12/16/2009 - 03:43 Português
Poesia/Meditação Natal: A paz do Menino Deus! 2 1.122 12/13/2009 - 12:32 Português
Poesia/Aforismo Uma crônica de Natal 3 1.162 11/26/2009 - 04:00 Português
Poesia/Dedicado Natal: uma prece 1 1.168 11/24/2009 - 12:28 Português
Poesia/Dedicado Arcas de Natal 3 1.375 11/20/2009 - 04:02 Português
Poesia/Meditação Queria apenas falar de um Natal... 3 1.200 11/15/2009 - 21:54 Português