CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

o corvo (adaptado)

O corvo

Numa noite de lendas bravias,
Estudava eu devoções velhas,
Batem leve, leve nos vidrais.
Quem será? Pensei, me visitará?
E que toques tais, tão gentis,
Só isso; e nada mais?

Era Dezembro,Se bem m'lembro
Jazia morno,o frio negro,
Pela lareira apagada,
Escrevia com morrão ,Leonor,
Para não te esquecer,na dor,
Mas sem nome,aqui jamais.

A mim mesmo acudi, no medo,
Abri de breve o cortinado,
Repetia em desassossego,
Mais isso que de meu medo
-É um visitante atrasado,
É só isto, sim e nada mais.

Já sem tardo e não hesito,
Abro, par em par meus vitrais
Se, Senhor; senhora, mal me sinto,
Eu, dormindo e vós, batendo,
Mal ouvi; abri largos portais,
Noite, noite e nada mais.

Fitei perplexo, receado,
Noite d’amplexo, silêncio,
E ais,no eco repetido.
O nome dela, vi, no vazio
Desta paz profana. E maldigo,
Isso , só , e nada mais.

Não tarda e ouço,novo som,
Em minh’alma ardendo mais
E vou ver o que está nela,
Por que me distrem com sinais,
Soltos e sempre neste triste tom,
“É o vento, e nada mais.”

Entrou grave e nobre corvo,
Digno dos contos medievais,
Pousou lento no busto, alvo,
D’atena,nestes meus umbrais,
Não me fez qualquer cumprimento,
Foi, pousou, e nada mais.

“Tens todo aspecto tosquiado”
Ò ave, migrada dos infernos,
Diz-me o teu nome,danado,
D’alto desses teus rituais,
com mais de mil e um séculos,
Disse o corvo, “Nunca mais”.

Fiquei pasmado d’ouvir falar,
Inda que pouco clara ,esta’ ve
Rara pousada no busto,grave
E preto ,no alvo alabastro,
Ave e bicho, d’alarve olhar
Com o nome “Nunca mais”.

Mas o corvo ficou calado
Augusto e empoleirado.
Perdido,eu murumrei lento,
“Amigos, sonhos – mortais Todos–
Todos foram. Amanhã te’vais”
Disse o corvo, “Nunca mais”.

Que frase tão sabida esta,
Por ser voz usual , aprendida,
Ou d’ algum don,desgraçada vida
Em tom se quebrou nesta porta
De seu canto cheio d’ais
Era este “Nunca mais”.

Mas troçando da vil amargura
Sentei pois defronte dela
E Enterrado na cadeira
Pensei nos agoiros dela
Em gritos de tempos ancestrais
Como aquele “Nunca mais”.

Pensava nisto,olhando frente
A frente a ave ,olhos cravados
Na minh’alma,manta de retalhos
De luzes vestutas, em veludos,
Neles Punha sombras in’ iguais
E Reclinar-se-á nunca mais!

Fez-se o ar denso,como incenso

Submited by

domingo, dezembro 20, 2009 - 21:39

Ministério da Poesia :

Your rating: None Average: 5 (1 vote)

Joel

imagem de Joel
Online
Título: Membro
Última vez online: há 18 minutos 17 segundos
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 40692

Comentários

imagem de Joel

Fez-se o ar denso,como incenso

Fez-se o ar denso,como incenso

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Dedicado professas 0 1.500 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo amor sen'destino 0 1.689 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo andorinhão 0 1.947 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo sentir mais 0 1.156 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo palabras 0 1.736 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo A matilha 0 2.662 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo ao fim e ao cabo 0 1.246 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo o bosque encoberto 0 1.200 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo nem teu rubor quero 0 1.352 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo em nome d'Ele 0 1.592 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Troia 0 1.819 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo desabafo 0 1.801 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Inquilino 0 1.075 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo Pietra 0 1.721 11/19/2010 - 19:13 Português
Ministério da Poesia/Aforismo não cesso 0 1.233 11/19/2010 - 19:13 Português