[Morto]

Morto
Sem ter aberto os olhos.
Sem ter sentido o gosto
Da vida na boca.
Morto
Sem ter o nome lembrado.
Sem imaginar o que é afeto.
Apenas a violência dos gestos,
O desespero da sobrevivência
Em meio ao luto diário.
De uma miséria penetrada na carne,
Que exala dor e odor do caos disfarçado
Que carinhosamente chamamos de tempero.
Morto
Das ordens que nunca cessam.
Refém do silêncio,
Que assombra a noite.
Dos sonhos que viram pesadelos
Por desejos nunca satisfeitos.
Morto
E isso basta.

Pablo Danielli

Submited by

Jueves, Octubre 25, 2018 - 19:56

Poesia :

Sin votos aún

Pablo Gabriel

Imagen de Pablo Gabriel
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 2 semanas 4 días
Integró: 05/02/2011
Posts:
Points: 2856

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of Pablo Gabriel

Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Poesia/General Velhas portas 1 795 05/05/2011 - 16:53 Portuguese
Poesia/General O pescado e o mar 1 881 05/05/2011 - 16:42 Portuguese
Poesia/General tempo que passa 1 697 05/05/2011 - 16:39 Portuguese
Poesia/General Passos vazios 1 713 05/05/2011 - 16:36 Portuguese
Poesia/General Tudo que se tem 1 993 05/05/2011 - 16:32 Portuguese