Prisioneiro do tempo

Sou prisioneiro do tempo
Percorri vielas de pedras
Onde marchavam legiões romanas
No caminho parou-me um soldado

Estranhou minhas vestes
Indagou a que tribo pertenço
Entre milhares de conquistas
Serei servo ou escravo?

Sou prisioneiro do tempo
Com ele naveguei nas marés
Naus vikings ou fenícias
Gente do oriente ou galês

Sou prisioneiro do tempo
Lutei em batalhas históricas
Atravessei épocas, epopéias
Da tragédia grega ao circo romano

Sou prisioneiro do tempo
No Monte das Oliveiras
Testemunhei o surgimento do Cristo
E chorei na via-sacra do Messias

Sou prisioneiro do tempo
Fui com Marco Polo até a China
Com Colombo ingressei no novo mundo
Nas caravelas portuguesas cheguei à Índia

Sou prisioneiro do tempo
Do absolutismo às cruzadas
Do fogo da inquisição à reforma de Lutero
Do iluminismo às guerras mundiais

Sou prisioneiro do tempo
Do fim do regime feudal
Ao surgimento da revolução industrial
Do trem a vapor ao colonial domínio

Sou prisioneiro do tempo
No século XX, vi aumentar a intolerância
Do extermínio de milhões do povo judaico
Da bomba de Hiroxima às prisões da Sibéria

Sou prisioneiro do tempo
Vi o genocídio de coreanos e vietnamitas
Refugiados bósnios, africanos, curdos
Nas lutas separatistas e por ódio étnico

Como prisioneiro do tempo
Com as amarras nos ciclos históricos
Sofro ante a repetição dos dramas humanos
Onde não se pode culpar o tempo tampouco o destino.

AjAraújo, o poeta humanista.

Submited by

Domingo, Noviembre 22, 2009 - 02:11

Poesia :

Sin votos aún

AjAraujo

Imagen de AjAraujo
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 1 año 2 semanas
Integró: 10/29/2009
Posts:
Points: 15585

Comentarios

Imagen de AjAraujo

Prisioneiro do tempo

"Como prisioneiro do tempo
Com as amarras nos ciclos históricos
Sofro ante a repetição dos dramas humanos
Onde não se pode culpar o tempo tampouco o destino."

.

Imagen de NelsondePaula

Re: Prisioneiro do tempo

Muito interessante!!!
Como pesa o tempo, não?

Imagen de MarneDulinski

Re: Prisioneiro do tempo

PENSO SERES A PRÓPRIA LITERATURA, QUE TAMBÉM NÃO FALA DO EXTERMÍNIO DE NEGROS, SÓ DE JUDEUS, PORQUE ESSA DISCRIMINAÇÃO, ATÉ NO EXTERMÍNIO DE IRMÃOS!
Com carinho e respeito,
MarneDulinski

OBS.: Os negros foram mortos durante sua caça, mães negras que deixaram filhos desde bebês; posterior mortes nos porões dos navios; mortes até se adaptarem como escravos; mortes nos lugares de escravidão por açoites,e ainda por cima, ficaram anos e anos escravos como animais. Agora ainda persistem muitas discriminações!
Será porque a Bíblia, não se refere a Negros!

Imagen de AjAraujo

Re: Prisioneiro do tempo

Com toda a razão, Marne, por isso refiro-me aos africanose e também os povos sem pátria como os curdos. Decerto, desde os antigos impérios, os negros africanos engrossaram as fileiras de mineiros sem vida, acorrentados, condenados ao mal de Hansen e a outras pestes, além da silicose - pulmão de pedra.
A escravidão vem de tempos ancestrais e hoje a nova forma encontra-se na exclusão deliberada no acesso ao ensino, lazer e trabalho. O negro continua sendo tratado como uma "raça inferior", contudo resiste.
Vou localizar um ensaio que fiz durante o doutorado sobre Escravidão e Exclusão Social no curso da história do país e te envio para discussão.
Abraço do amigo.

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of AjAraujo

Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Poesia/Dedicada Eppur si muove [Não se pode calar um homem] (Affonso Romano de Sant´Anna) 0 1.359 01/22/2012 - 11:59 Portuguese
Poesia/Intervención O Leitor e a Poesia (Affonso Romano de Sant´Anna) 0 6.883 01/22/2012 - 11:48 Portuguese
Poesia/Intervención Um despertar (Octavio Paz) 0 883 01/22/2012 - 00:14 Portuguese
Poesia/Aforismo Pedra Nativa (Octávio Paz) 0 1.207 01/22/2012 - 00:10 Portuguese
Poesia/Intervención Entre Partir e Ficar (Octávio Paz) 0 1.408 01/22/2012 - 00:05 Portuguese
Poesia/Aforismo Fica o não dito por dito (Ferreira Gullar) 0 682 12/30/2011 - 08:19 Portuguese
Poesia/Intervención A propósito do nada (Ferreira Gullar) 0 1.464 12/30/2011 - 08:16 Portuguese
Poesia/Intervención Dentro (Ferreira Gullar) 0 771 12/30/2011 - 08:12 Portuguese
Poesia/Pensamientos O que a vida quer da gente é Coragem (Guimarães Rosa) 2 1.863 12/26/2011 - 21:55 Portuguese
Poesia/Dedicada Adeus, ano velho (Affonso Romano de Sant'Anna) 0 1.302 12/26/2011 - 12:17 Portuguese
Poesia/Meditación Para que serve a vida? 0 1.288 12/11/2011 - 01:07 Portuguese
Poesia/Dedicada Natal às Avessas 0 741 12/11/2011 - 01:03 Portuguese
Poesia/Intervención A voz de dentro 0 958 11/19/2011 - 00:14 Portuguese
Poesia/Intervención As partes de mim... 0 1.379 11/19/2011 - 00:00 Portuguese
Poesia/Pensamientos Curta a Vida "curta" 0 1.624 11/13/2011 - 13:46 Portuguese
Poesia/Intervención Lobo solitário 0 1.119 11/13/2011 - 13:46 Portuguese
Poesia/Pensamientos A solidão na multidão 0 1.276 11/13/2011 - 13:43 Portuguese
Poesia/Pensamientos Não permita que ninguém decida por você... Seleção de Pensamentos I-XVI (Carlos Castañeda) 0 1.353 11/12/2011 - 12:55 Portuguese
Poesia/Pensamientos Não me prendo a nada... (Carlos Castañeda) 0 925 11/12/2011 - 12:37 Portuguese
Poesia/Pensamientos Um caminho é só... um caminho (Carlos Castañeda) 0 1.292 11/12/2011 - 12:35 Portuguese
Poesia/Meditación Procura da Poesia (Carlos Drummond de Andrade) 0 806 11/01/2011 - 13:04 Portuguese
Poesia/Intervención Idade Madura (Carlos Drummond de Andrade) 0 1.357 11/01/2011 - 13:02 Portuguese
Poesia/Meditación Nosso Tempo (Carlos Drummond de Andrade) 0 1.462 11/01/2011 - 13:00 Portuguese
Poesia/Meditación Resíduo (Carlos Drummond de Andrade) 0 619 11/01/2011 - 00:51 Portuguese
Poesia/Pensamientos Enfrentar a adversidade da doença inesperada 0 1.334 11/01/2011 - 00:49 Portuguese