EdisonPalmer

Imagen de EdisonPalmer
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 5 años 39 semanas
Integró: 12/05/2009
Posts:
Points: 530

Profile visitors

No recent visitors.
Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Poesia/Soneto PASSANDO A VIDA A LIMPO 1 2.541 10/05/2013 - 16:22 Portuguese
Poesia/Soneto O TERNO 0 654 10/05/2013 - 15:25 Portuguese
Poesia/Soneto DESTINO OU NUNCA 1 527 01/18/2013 - 00:05 Portuguese
Poesia/Soneto DESTINO OU NUNCA 0 505 01/17/2013 - 23:45 Portuguese
Poesia/Aforismo Viagem Insólita 2 731 06/03/2012 - 11:48 Portuguese
Poesia/Soneto SOLITUDE 0 765 11/27/2011 - 15:29 Portuguese
Poesia/Soneto Diamantes de amantes 0 808 01/16/2011 - 01:14 Portuguese
Poesia/Soneto Ballet Cósmico 0 1.059 01/16/2011 - 01:14 Portuguese
Poesia/Soneto CONTRADIÇÃO 0 834 01/16/2011 - 01:14 Portuguese
Poesia/Soneto APÓS O ATO 1 1.126 01/15/2011 - 22:33 Portuguese
Poesia/Soneto ...E AS VIDAS? ( DOR SERRANA) 1 1.019 01/15/2011 - 21:38 Portuguese
Poesia/Soneto UMA POMBA NO TELHADO 1 895 01/13/2011 - 19:14 Portuguese
Poesia/Soneto VÓZ DE BRONZE 1 880 01/12/2011 - 23:39 Portuguese
Poesia/Soneto A FÉ, O AMOR, A ESPERANÇA! 0 886 12/30/2010 - 10:17 Portuguese
Poesia/Soneto MAIS UM DIA 0 853 12/28/2010 - 21:51 Portuguese
Poesia/Soneto OCASO 0 999 12/28/2010 - 21:06 Portuguese
Poesia/Soneto LINHAS CERTAS 0 915 12/28/2010 - 20:22 Portuguese
Poesia/Soneto OITO DEITADO 0 1.028 12/28/2010 - 16:06 Portuguese
Poesia/Fantasía O LÁPIS E O PAPEL 0 733 12/28/2010 - 13:00 Portuguese
Poesia/Alegria Apenas uma poesia 1 909 12/28/2010 - 12:51 Portuguese
Poesia/Soneto APANHANDO RAIOS DE SOL 0 1.792 12/28/2010 - 12:14 Portuguese
Poesia/Soneto RE CANTO 0 990 12/28/2010 - 12:01 Portuguese
Poesia/Soneto O NADA, O TUDO... 0 992 12/28/2010 - 11:53 Portuguese
Poesia/Soneto A VÓZ NO LABIRINTO 0 830 12/27/2010 - 18:10 Portuguese
Poesia/Soneto ALÉM DO ESPELHO 0 1.009 12/27/2010 - 00:16 Portuguese

Comentarios

Imagen de EdisonPalmer

O TERNO Brasília,

O TERNO
Brasília, 28-09-2012
Édison Coelho
"-Prazer em conhecê-lo, sou o terno!
Ultimamente, ando mal cotado!
Transformaram minha vida num inferno,
Dizem que eu estou ultrapassado!

Não sei porque este furor hodierno,
Todos me olham de nariz virado,
Riscaram meu nome do caderno,
Ai de mim! Meu Deus! Sou um coitado!

Me trocaram por um lindo par de tênis,
Por camiseta e calça até sui-generis,
E eu com esta cara de otário!

Adeus meus velhos tempos de granfino!...
Agora vou curtir o meu destino,
No último cabide do armário! "