CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

William Shakespeare : A Comédia dos Erros – Ato II - Cena I

Cena I

(Casa de Antífolo de Éfeso. Entram Adriana e Luciana.)

Adriana
Nem vem o meu marido nem o escravo que eu incumbi de o procurar com pressa. Devem ser duas horas, Luciana.

Luciana
Talvez tenha sido ele convidado por algum mercador e, do mercado, tivesse ido jantar em qualquer parte. Mana, vamos comer; não te amofines. Da liberdade os homens são senhores; o tempo é o mestre deles; vão e vêm, conforme o tempo o enseja. Sê paciente.

Adriana
Por que hão de ser mais livres do que nós?

Luciana
Porque fora de casa têm negócios.

Adriana
Se com ele desta arte eu procedesse, ficaria zangado.

Luciana
Não ignoras que da tua vontade é freio o esposo.

Adriana
Frear se deixam tão-somente os asnos.

Luciana
A liberdade indócil é domada pela própria desgraça. Não há nada sob a vista do céu que não se mova num limite restrito, assim na terra como no ar e no mar. Todas as fêmeas dos animais, dos pássaros, dos peixes seguem ao macho e em tudo lhe obedecem. O homem, ser mais divino, senhor deles, dono do mundo todo, do mar vasto, que a superioridade do intelecto pós acima de pássaros e peixes, da esposa é dono e mestre. Assim, alegre, com ele em tudo concordar te cumpre.

Adriana
Tanta humildade condiz mais com freira.

Luciana
O medo é que me faz ficar solteira.

Adriana
Casada, talvez fosses uma harpia.

Luciana
A obedecer, de noiva aprenderia.

Adriana
Se teu esposo a outra mulher amasse?

Luciana
Em casa aguardaria o desenlace.

Adriana
Sem ser provada, a paciência dura; calma é quem vive livre de tortura. Ao infeliz que a adversidade oprime é fácil animar num tom sublime; mas se igual fardo no ombro nos pesasse, nossa calma tomara-se falace. Por não teres marido que te oprima é que me fazes essa pantomima; mas se chegasses a te ver burlada, tua paciência acabaria em nada.

Luciana
Hei de casar-me para ver se acerto. Eis o criado; o patrão deve andar perto.

(Entra Drômio de Éfeso.)

Adriana
Dizei se o vosso retardado mestre ao alcance da mão por fim se encontra.

Drômio de Éfeso
Fui eu que fiquei ao alcance das mãos dele, como dão testemunho as minhas orelhas.

Adriana
Não lhe falaste? Não te disse, acaso, qual a sua intenção?

Drômio de Éfeso
Disse-me tudo quanto quis, mas foi muito ao pé do ouvido. Maldita mão! Não pude entender nada.

Luciana
Expressou-se por maneira tão ambígua, que não entendeste o que ele queria dizer?

Drômio de Éfeso
Expressou-se por maneira tão clara, que pude sentir perfeitamente as pancadas, mas, apesar disso, por maneira tão ambígua, que mal pude compreender-lhes o alcance.

Adriana
Mas dize: não vem logo para casa? Não quer deixar a esposa satisfeita?

Drômio de Éfeso
Doido cornudo é o que ele me parece.

Adriana
Doido cornudo, biltre?

Drômio de Éfeso
Cornudo por ser doido, simplesmente. Mas que está doido, é certo. Eram já horas, lhe disse, de jantar. Sua resposta foi reclamar de mim mil marcos de ouro. "Jantar!" gritei. "Meu ouro!" respondeu-me. "A carne está a queimar!" disse. "Meu Ouro!" respondeu. "Demorais ainda na rua?" lhe perguntei. "Meu ouro!" respondeu-me. "Onde estão os mil marcos, sem-vergonha, que eu te dei?" "A leitoa está no ponto de esturricar!" lhe disse. "Meu dinheiro!" me respondeu. "Minha senhora..." disse-lhe. "Que se enforque!" disse ele; "não conheço senhora alguma! O diabo que a carregue!"

Luciana
Quem falou isso?

Drômio de Éfeso
Meu patrão, senhora. "Não tenho casa, esposa, nem patroa", berrou-me ele cem vezes. Desse modo minha mensagem, que cabia à língua dizer no tempo certo, graças a ele torno a trazer nos ombros para casa, pois neles recebi tunda de mestre.

Adriana
Volta, maroto, e traze-o para casa.

Drômio de Éfeso
Voltar para apanhar mais uma coça? Por Deus, mandai um outro mensageiro.

Adriana
Volta, malandro! Do contrário a fronte te cruzo de pancada.

Drômio de Éfeso
Ele há de novas cruzes fazer por cima das primeiras. Desta arte me deixais santificado.

Adriana
Basta de falatório, grosseirão! Vai buscar teu senhor.

Drômio de Éfeso
Serei, acaso, redondo assim, para me dardes ambos pancada sem parar, como se eu fosse bola de futebol? Sem mais nem menos, me aplicais pontapés. A durar isso, tereis de me mandar forrar de couro.

(Sai.)

Luciana
Como a impaciência vos deixou mudada!

Adriana
A conversar ficou com a namorada, privando-me de todo o carinho. O encanto já perdi? Feia definho? A culpa é dele só. Tenho a conversa fastidiosa, a alma sempre em tédio imersa? Na indiferença dele se me embota toda a vivacidade, fico idiota. Deixa-me feia, acaso, este vestido? Quem me dirige os bens é o meu marido. Qual a minha ruína, que arruinada não fosse só por ele? Se fanada me encontro é que ele o quis. De um simples riso dele me nasceria um paraíso. Mas, cervo altivo, ele por longe vaga. De todo o meu amor foi essa a paga.

Luciana
O ciúme te maltrata. Deixa disso.

Adriana
Tanto sofrer me fez perder o viço. É certo; alhures ele encontra abrigo; se não, por que não pára ele comigo? Disse que uma cadeia me daria, bem o sabes. Contudo, eu preferia que ele houvesse esquecido esse presente em troca de comigo estar contente. Desta arte fiel ele ficara ao leito. Sei que as mais belas jóias, sem defeito, com o uso o encanto perdem. O próprio ouro se desgasta, em prejuízo do tesouro. Assim, dos homens o impoluto nome a reiterada tentação carcome. Já que a minha beleza não lhe agrada, vou chorar tanto, até vir a ser nada.

Luciana
Como o ciúme maltrata esta coitada!

(Saem.)

Submited by

quinta-feira, maio 7, 2009 - 23:18

Poesia Consagrada :

No votes yet

Shakespeare

imagem de Shakespeare
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 27 semanas
Membro desde: 10/14/2008
Conteúdos:
Pontos: 410

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Shakespeare

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 12: When I do count the clock that tells the time 0 3.206 07/12/2011 - 02:13 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 119: What potions have I drunk of Siren tears 0 2.444 07/12/2011 - 02:12 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 118: Like as to make our appetite more keen 0 2.163 07/12/2011 - 02:09 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 116: Let me not to the marriage of true minds 0 2.178 07/12/2011 - 02:07 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 115: Those lines that I before have writ do lie 0 2.189 07/12/2011 - 02:06 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 114: Or whether doth my mind, being crowned with you 0 2.594 07/12/2011 - 02:05 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 113: Since I left you, mine eye is in my mind 0 2.349 07/12/2011 - 02:04 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 112: Your love and pity doth th' impression fill 0 2.198 07/12/2011 - 02:02 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 111: O, for my sake do you with Fortune chide 0 1.997 07/12/2011 - 02:01 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 110: Alas, 'tis true, I have gone here and there 0 2.303 07/12/2011 - 01:59 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 11: As fast as thou shalt wane, so fast thou grow'st 0 2.324 07/12/2011 - 01:58 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 109: O, never say that I was false of heart 0 3.016 07/12/2011 - 01:57 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 108: What's in the brain that ink may character 0 2.008 07/12/2011 - 01:57 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 107: Not mine own fears, nor the prophetic soul 0 2.296 07/12/2011 - 01:56 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 106: When in the chronicle of wasted time 0 2.425 07/12/2011 - 01:54 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 105: Let not my love be called idolatry 0 2.747 07/12/2011 - 01:53 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 104: To me, fair friend, you never can be old 0 2.592 07/12/2011 - 01:53 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 103: Alack, what poverty my Muse brings forth 0 2.920 07/12/2011 - 01:52 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 102: My love is strengthened, though more weak in seeming 0 2.110 07/12/2011 - 01:50 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 101: O truant Muse, what shall be thy amends 0 2.765 07/12/2011 - 01:43 inglês
Poesia Consagrada/Geral Sonnet 100: Where art thou, Muse, that thou forget'st so long 0 2.069 07/12/2011 - 01:42 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 10: For shame, deny that thou bear'st love to any 0 2.334 07/12/2011 - 01:40 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonnet 1 0 2.400 07/12/2011 - 01:38 inglês
Poesia Consagrada/Soneto Sonet LIV 0 2.888 07/12/2011 - 01:37 inglês
Poesia Consagrada/Geral Silvia 0 3.023 07/12/2011 - 01:36 inglês