CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

À MERCÊ DOS TEUS CAPRICHOS

Alastro
o pensamento
à mercê dos teus caprichos.

Do sol surgem trevas
esquartejando esta mente.

Honestamente,
ardente loucura do momento.

Amargos esculpem dor
no meu olhar.

Marmorite derramado
em sangue.

Ventos transformados
em lágrimas.

Eu aqui despovoada.

Que nada via
para além do que por ti sentia.

Submited by

sábado, abril 14, 2012 - 19:31

Poesia :

Your rating: None (5 votes)

mariamateus

imagem de mariamateus
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 semanas 12 horas
Membro desde: 02/24/2009
Conteúdos:
Pontos: 2987

Comentários

imagem de Nostalgia

Este poema mostra, novamente,

Este poema mostra, novamente, o quanto o amor é cego, sem dúvida.
Muito lindo

imagem de Jorge Humberto

Paixão que nos arrebata todos os sentidos

Paixão que nos arrebata todos os sentidos...

que nada nos deixa ver, senão essa, que idealizamos.

Agradeço tua visita a meu cantinho.
Deixo-te meu convite, que muito me aprazaria que aceitasses.

Beijinhos
Jorge Humberto

imagem de KeilaPatricia

Muito belo amiga... Gostei

Muito belo amiga...

Gostei bastante.

Saudades de ti...

Bjs na alma, ...)...(@

:)

imagem de Henricabilio

feitiço de amor

o amor nunca deve ser obsessão
que nos impeça de olhar para outras realidades
- tanto mais que tudo é passível de mais que uma maneira de ver
e sentir.

Belo poema!

Um abraç0o!

Abilio

imagem de Henrique

Um poema onde o tempo pára, a

Um poema onde o tempo pára,

a pele arrepia e o silêncio espera autorização para falar,

amargos e ventos, contratempos e utopias...

Um lugar ocupado a dois.

Poema Fantástico!!!

Beijinho

:-))

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of mariamateus

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor MORRO ENTRE PALAVRAS QUE NADA TE DIZEM 1 1.228 02/26/2018 - 13:29 Português
Poesia/Dedicado RECORDAR-TE É UMA CONSTANTE 2 1.709 07/01/2013 - 21:10 Português
Poesia/Tristeza OLHO-ME 1 1.628 04/01/2013 - 09:37 Português
Poesia/Desilusão RODOPIAM COMO PEÕES 0 1.835 03/30/2013 - 20:55 Português
Poesia/Tristeza LÁGRIMAS 1 1.272 03/25/2013 - 18:15 Português
Poesia/Tristeza EM SAUDADE ME DERRAMO PELO TEMPO 1 1.292 03/16/2013 - 22:59 Português
Poesia/Desilusão QUEBRADA 1 1.654 03/08/2013 - 21:35 Português
Poesia/Tristeza PERDIDA 0 956 03/08/2013 - 02:12 Português
Poesia/Tristeza NOITE ADENTRO 4 1.945 03/05/2013 - 22:05 Português
Poesia/Tristeza NADA ME CONFORTA 1 1.500 03/05/2013 - 22:02 Português
Poesia/Tristeza LUAR QUE ABRAÇA MEUS OMBROS 0 1.195 03/02/2013 - 01:09 Português
Poesia/Tristeza CONTADAS DORES … 0 1.028 02/11/2013 - 13:26 Português
Poesia/Amor TEU BEIJO EM MIM 0 1.521 02/07/2013 - 15:34 Português
Poesia/Tristeza SAUDADES QUE ME CERRAM OS OLHOS 2 1.825 01/14/2013 - 22:11 Português
Poesia/Amor OLHOS PARADOS 0 1.894 12/09/2012 - 18:03 Português
Poesia/Paixão LUA MINHA 1 1.641 12/09/2012 - 00:35 Português
Poesia/Amor OLHA-ME NOS OLHOS 0 1.338 12/07/2012 - 16:59 Português
Poesia/Amor MAIS DO QUE O SOL ESCONDE A NOITE 0 1.924 12/06/2012 - 20:35 Português
Poesia/Meditação SILENCIOSA NOITE 2 1.547 12/06/2012 - 19:30 Português
Poesia/Tristeza ENTRE AS PAREDES DO MEU QUARTO 0 1.564 12/04/2012 - 19:11 Português
Poesia/Meditação AO SABOR DO TEMPO 0 2.032 11/29/2012 - 20:41 Português
Poesia/Amor BEIJO RECHEADO DE DESEJO 1 1.360 11/26/2012 - 19:50 Português
Poesia/Tristeza DESSE MAR DE SAUDADE 1 2.076 09/30/2012 - 22:33 Português
Poesia/Meditação ESSA QUE DORME AO COLO DA NOITE 1 2.053 09/25/2012 - 02:47 Português
Poesia/Meditação FRÁGEIS DEDOS 1 1.687 09/18/2012 - 22:32 Português