CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Coração insensível

Ela caminhava lindamente pelo pátio da universidade
Parecia uma deusa revestida de humanidade a desfilar pela terra
Seus olhos encantadores realçavam sua beleza
E seu sorriso era muito sedutor.
Esplendidamente bela ela caminhava sem pressa
E sorria como se o mundo a pertencesse.
Parecia não ter medo de nada
E carregava consigo a magia do amor verdadeiro.
Era bela como uma sereia e desfilava sorridente pelos corredores
Sob os olhares de toda aquela gente.
Meu coração bateu mais forte
Ao desejar o seu amor.
Mas como fazer para conquistar aquele coração?
A única saída era arriscar-me uma aproximação e deixar acontecer
O que o destino havia nos reservado.
Não sei dizer ao certo se foram minhas palavras poéticas
Ou meu jeito tímido na abordagem
Mas seus olhos brilharam para mim e quis descobrir seu coração.
Um encontro foi marcado e o amor poderia acontecer.

Uma tarde de amor inesquecível nos braços daquela deusa
E meu coração não batia, corria loucamente.
Sua pele suave e perfumada
Sua voz tão delicada e sensual falando aos meus ouvidos
Palavras de amor e obscenidades
Causaram em mim a sensação maravilhosa do êxtase.
A taça de vinho, os beijos de sedução, os gemidos de prazer
Uma tarde perfeita para nunca esquecer.
Uma deusa perfeita para amar e na minha mente a grande pergunta:
Seria ela meu grande e verdadeiro amor
Que procurei a minha vida toda?

À noite o nosso encontro foi no calçadão da Praça Barão
Ao som de uma boa música ao vivo, chopp e sorrisos.
Ela linda em uma alegria contagiante
E eu a deslumbrar toda aquela euforia.
O mundo nos pertencia
E não precisava de mais nada para ser melhor.
Meu coração radiante com aquela beldade a minha frente
E meus pensamentos a voar em seus sonhos.
O amor, finalmente havia sorrido para mim.

Uma senhora não muito velha caminhava tristemente pela praça
Duas crianças a tiracolo pareciam desnutridas e com fome.
Do meu local eu observava seus movimentos
E interpelações aos transeuntes ao pedir-lhes alguma moeda.
Por um instante meus pensamentos foram até aquela senhora
Por que estaria naquele sofrimento?
Ela atravessou a rua e veio em nossa direção
Eu a acompanhava com meu olhar e ela chegou perto da nossa mesa
Não tive tempo de falar nada e só observei
Aquela garota ali comigo foi abordada pela senhora com as crianças
Olhou para elas
Por um instante eu pude notar a indiferença e o desdém
Engoli em seco quando ela chamou o garçom e pediu para que as afastassem dali.
Seu sorriso se fora
Seu olhar era desprezível
E seu coração fora revelado.
Em mim a sensação de surpresa e decepção.
Como uma moça tão linda como aquela
Poderia ser tão insensível ao sofrimento humano?
E todo o amor e admiração que sentia por ela acabou em cinzas.
Em mim já não havia o desejo de estar com ela
Seus sorrisos agora me causavam angústia e eu só queria ir embora.
A sua beleza exterior fora sucumbida pela sua alma insensível
E meu amor por ela morreu naquela noite.

Em meu silêncio e em meio às lágrimas
Vejo o olhar daquelas crianças com fome
E a insensatez do coração humano.
Lembro-me, então, de ter me levantado
Com educação perguntei o que desejavam
- Moço, tenho fome e minhas filhas também.
E, mesmo sabendo que era muito pouco a se fazer,
Dei-lhes, naquela noite, o alimento que precisava.
Minha alma chora neste silêncio
A ilusão de mais uma decepção com as pessoas desumanas
Que habitam entre nós.
No celular as mensagens e ligações
De alguém que nunca mais atenderei…

Poema: Odair José, o Poeta Cacerense
www.odairpoetacacerense.blogspot.com

Submited by

sábado, outubro 13, 2018 - 00:01

Poesia :

No votes yet

Odairjsilva

imagem de Odairjsilva
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 dias 23 horas
Membro desde: 04/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 3152

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Odairjsilva

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Pensamentos Já não quero nem saber 0 12 01/14/2019 - 18:44 Português
Poesia/Amor Esse medo terrível de amar outra vez! 0 17 01/11/2019 - 12:15 Português
Poesia/Amor Só não quero que você saiba 0 21 01/05/2019 - 11:52 Português
Poesia/Amor A estrela mais bonita 0 40 01/02/2019 - 13:50 Português
Poesia/Amor Pacto 0 71 12/29/2018 - 11:20 Português
Poesia/Pensamentos Buraco negro de uma eterna solidão 0 56 12/27/2018 - 20:13 Português
Poesia/Paixão Desejo e paixão 0 74 12/25/2018 - 21:30 Português
Poesia/Meditação O uivo do chacal 0 106 12/23/2018 - 13:26 Português
Poesia/Desilusão Pouco pior que um homem 0 76 12/11/2018 - 23:16 Português
Poesia/Desilusão Na manhã do tempo 0 69 12/09/2018 - 13:25 Português
Poesia/Paixão Um dia quem sabe 0 76 12/08/2018 - 14:38 Português
Poesia/Desilusão A última mensagem visualizada 0 75 11/21/2018 - 21:33 Português
Poesia/Tristeza A dor do amor depois da partida 0 194 11/15/2018 - 14:20 Português
Poesia/Desilusão Poemas esquecidos numa noite qualquer 0 181 10/30/2018 - 23:47 Português
Poesia/Paixão Aceito a punição desse pecado 0 77 10/29/2018 - 23:56 Português
Poesia/Tristeza Agonia e êxtase 0 178 10/24/2018 - 23:59 Português
Poesia/Paixão Ah! Esse Desejo... 0 214 10/24/2018 - 23:11 Português
Poesia/Pensamentos Esgotamento mental 0 124 10/22/2018 - 22:33 Português
Poesia/Desilusão Coração insensível 0 288 10/13/2018 - 00:01 Português
Poesia/Tristeza Desfiladeiro 0 193 09/26/2018 - 23:48 Português
Poesia/Amor A brisa suave lá fora 0 150 09/25/2018 - 23:56 Português
Poesia/Amor Ao acordar ainda senti o seu perfume 0 179 09/25/2018 - 23:31 Português
Prosas/Contos O senhor acabou com a vida da minha mãe 0 178 09/18/2018 - 00:47 Português
Poesia/Tristeza O tempo que não passou em mim 0 176 08/31/2018 - 23:28 Português
Prosas/Drama Encontro fatal 1 342 08/02/2018 - 15:43 Português