CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A Hora


 

Pontual como o fantasma hamletiano, eis que é chegada a melancolia do crepúsculo. A triste hora em que a claridade cede lugar para a sombra que me apavora.

Tempo houve em que a Lua amenizava o breu e revelava as estrelas, mas esse tempo foi sufocado pelo cinza da vida e, agora, resta apenas a escuridão das almas que perambulam em busca de incautos retardatários.

No entanto, hoje, eis-te surgida. Como a chuva que repõe vida ao solo seco.

Sinto a seiva voltar a correr e com ela a vontade de falar, de expulsar os demônios que me corroem.

Não! Hoje, não serei assombrado pelos fantasmas cotidianos, pois sei que M. trará as poesias que foram abandonadas e que dormem nas sarjetas.

Juntarei os versos que me trouxer e farei um poema “alexandrino”; porém, apenas no nome e não no estilo, pois pouco me importa as regras e as formas. Apenas, em homenagem ao egípcio mistério que M. guarda nos negros olhos.

Falarei de rosas, luares, véus, tâmaras e seduções. E cantarei os amores exagerados, esparramados. Cantarei as camas desfeitas, as vontades satisfeitas, o fogo dos corpos e a ternura do depois. E de tantas outras fantasias, direi.

Fartei-me da sujidade dos homens e de suas vãs promessas eternas. Danem-se!

Eu quero, apenas, o pedaço de loucura que me cabe e o sacro exercício de delirar entre as inconclusas pontes do nada a nenhum lugar. Quero, tão só, sentir o teu perfume, pois em ti estarão as novas dimensões que dispensam o tempo.

Venha, voe comigo. Os limites findaram e é tempo de recomeço. Refaçamos outros jardins. Saibamos a grandeza que há no voo miúdo do colibri que nos rodeia. Bebamos à sua liberdade e vivamos a que conquistarmos, pois há, em nossa soma, a unidade que sempre se quis.

Venha, voe comigo. Seja a mulher que caminha ao meu lado, pois serão infindos os nossos caminhos e inexistentes as horas secas.

Para M.

Produção e divulgação de Vera L. M. Teragosa.

Lettre la Art et la Culture
Enviado por Lettre la Art et la Culture em 12/12/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.fabiorenatovillela.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Submited by

sábado, dezembro 12, 2015 - 16:54

Poesia :

No votes yet

fabiovillela

imagem de fabiovillela
Offline
Título: Moderador Poesia
Última vez online: há 2 anos 46 semanas
Membro desde: 05/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 6158

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of fabiovillela

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza A Canção de Alepo 0 1.534 10/01/2016 - 22:17 Português
Poesia/Meditação Nada 0 1.064 07/07/2016 - 16:34 Português
Poesia/Amor As Manhãs 0 1.006 07/02/2016 - 14:49 Português
Poesia/Geral A Ave de Arribação 0 997 06/20/2016 - 18:10 Português
Poesia/Amor BETH e a REVOLUÇÃO DE VERDADE 0 1.092 06/06/2016 - 19:30 Português
Prosas/Outros A Dialética 0 1.100 04/19/2016 - 21:44 Português
Poesia/Desilusão OS FINS 0 1.445 04/17/2016 - 12:28 Português
Poesia/Dedicado O Camareiro 0 1.385 03/16/2016 - 22:28 Português
Poesia/Amor O Fim 1 1.177 03/04/2016 - 22:54 Português
Poesia/Amor Rio, de 451 Janeiros 1 1.122 03/04/2016 - 22:19 Português
Prosas/Outros Rostos e Livros 0 1.076 02/18/2016 - 20:14 Português
Poesia/Amor A Nova Enseada 0 846 02/17/2016 - 15:52 Português
Poesia/Amor O Voo de Papillon 0 921 02/02/2016 - 18:43 Português
Poesia/Meditação O Avião 0 737 01/24/2016 - 16:25 Português
Poesia/Amor Amores e Realejos 0 1.030 01/23/2016 - 16:38 Português
Poesia/Dedicado Os Lusos Poetas 0 1.114 01/17/2016 - 21:16 Português
Poesia/Amor O Voo 0 934 01/08/2016 - 18:53 Português
Prosas/Outros Schopenhauer e o Pessimismo Filosófico 0 1.502 01/07/2016 - 20:31 Português
Poesia/Amor Revellion em Copacabana 0 1.018 12/31/2015 - 15:19 Português
Poesia/Geral Porque é Natal, sejamos Quixotes 0 943 12/23/2015 - 18:07 Português
Poesia/Geral A Cena 0 1.205 12/21/2015 - 13:55 Português
Prosas/Outros Jihadismo: contra os Muçulmanos e contra o Ocidente. 0 1.006 12/20/2015 - 19:17 Português
Poesia/Amor Os Vazios 0 1.176 12/18/2015 - 20:59 Português
Prosas/Outros O impeachment e a Impopularidade Carta aberta ao Senhor Deputado Ivan Valente – Psol. 0 578 12/15/2015 - 14:59 Português
Poesia/Amor A Hora 0 1.540 12/12/2015 - 16:54 Português